MUSO SOUP SINGLES #31: NoContent, Transistor, Elkvilla, Nouel, Emma Mae, Basslifter, Cobbler, Squid The Kid, Watasino e mais artistas passando pelo punk, indie, folk, eletro/dance/pop, hip-hop/rap e instrumental; Conheça-os aqui!!

01 - NOCONTENT
É um duo britânico Formado em 2019 e que apresenta um mix de estilos como o rock moderno, punk/garage rock e até mesmo hip-hop, numa música onde trazem riffs pesados de uma amplificada guitarra intensa, bateria explosiva e vocais rasgados muito bem sintonizado com o backing vocal da faixa 'Self Contagious', divulgada nas plataformas de streaming na última sexta-feira.

Nesta faixa, eles buscam falam sobre os 18 meses de pandemia, restrições e lockdown, em um trabalho repleto de guitarra violenta e ritmo dance-punk, onde liricamente tem o foco em ficar preso em seus próprios pensamentos e lutar contra sua própria personalidade.

Nocontent diz sobre a música: "Depois de ficar em casa por mais de um ano, diariamente bombardeados por dados assustadores e notícias e anúncios, simplesmente não agüentamos mais e reagimos. Queríamos ver a realidade das coisas e não ser alimentados à força por todas as merdas que as pessoas queriam que acreditássemos. Este é um ato aberto de rebelião, um alto concentrado de raiva e frustração".

Ouça e assista ao videoclipe abaixo:





02 - BONES IN BUTTER
É uma banda da Sérvia que está de volta ao site e na última sexta-feira (30), lançou 'The Live' nas principais plataformas de streaming, com nós permitindo o leitor do site conhecer por aqui.

A faixa traz riffs pesados e acelerados, unido a uma bateria cadenciada do rock alternativo/post-punk e um estilo vocal que costumamos ver no new wave apresentado por bandas como The Smiths, além de um backing vocal que certamente fará o público cantar junto e não ficar parado com o solo e todo o riff que acompanha a faixa. 

Esta música é um pouco diferente do nosso material usual, pois representa uma abordagem bastante direta "sem besteira" para a postagem gênero punk. Essa composição foi inspirada por um filme de ficção científica dos anos oitenta com o mesmo título, então com a música estou prestando uma homenagem a John Carpenter, o diretor. 



03 - TRANSISTOR
Diretamente do Alabama, eles estão de volta ao site, agora com dois lançamentos divulgados entre Maio e Julho nas plataformas de streaming e que vocês conheceram abaixo.

O primeiro deles é 'Pounding the Pavement', escrita na primavera de 2018, após o compositor se sentir derrotado devido às condições médicas dos seus pais se deteriorando rapidamente e sentindo uma obrigação para com eles. Depois de retornar a sua cidade com essa 'derrota', o sentimento de estar preso tomou conta, mas ele não parou de escrever e conseguiu transformar esses sentimentos na música que poderá ser ouvida logo abaixo. 



Seguindo (infelizmente, por conta da circunstância) a mesma temática, temos 'Silver Lining', divulgadas nas plataformas de streaming há praticamente um mês e que aborda o assunto sobre o câncer termina de sua mãe. Trazendo uma amostra de como o artista a guardará em suas lembranças, em um essencialmente indie, com letra otimista e instrumental enérgico, duas características da sua mãe.  A música está se referindo à sua busca por um significado e algo em que se agarrar em sua vida, apesar de ter sofrido uma péssima mão.



04 - ELKVILLA
Após darmos a introdução cm um som pesado, apresentaremos ao público uma sequência de sons mais leves, voltados para o folk e que foram lançados recentemente. O primeiro deles é de um duo que vive entre a Sidney & Berlim e divulgaram no início de Julho a faixa 'Just Kids'.

Como podemos ver pelo nome, essa é a uma música que busca lembrar a juventude, o amor jovem e a necessidade de seguir em frente. Ele faz parte de um EP lançado na última sexta e que será divulgado em breve com shows na Alemanha. 

Essa sonoridade doce, harmônica e convidativa de se ouvir pode ser conferida abaixo:



05 - O CONNEL BROTHERS
Indo mais para a esquerda do continente, mais especificamente na Irlanda, temos uma banda repleta de suas influências locais do folk e da harmonia presente no power pop, para a faixa 'Down On The Quays', que foi lançada dia 7.

Neste trabalho com um solo de guitarra muito gostoso de se ouvir, além dos riffs envolventes e uma sonoridade que transborda a mente do ouvinte para dentro da música, eles buscam fazer uma reflexão sobre aqueles momentos em que seus anjos mais sombrios vêm chamando e para onde eles podem tentar guiá-lo.

Ouça mais o trabalho da banda:



06 - NOUEL
Último de nossa sequência mais folk, ela é uma artista sueca que no início de Fevereiro lançou a faixa 'Milky Way', onde apresenta uma sonoridade e instrumentação tão boa, mas tão boa, que merece aparecer por aqui mesmo meses após seu lançamento.

Como podemos ver pelo título da música, ela não somente acredita que uma boa música pode ser sobre qualquer coisa, mesma que seja estranha e também aprecia alegrias simples da vida, sabendo fazer elas virarem música. ´

Apesar de se descrever como um 'folk sonolento', ela apresenta uma faixa animada com uma mescla muito bem encaixada entre o violão, toques de piano e o vocal calmo por parte da cantora, influenciada por nomes como Elliott Smith, Laura Marling e Simon and Garfunkel

Milky Way é o primeiro single de seu próximo álbum, que tem qualidade para se tornar clássico e atemporal. Ouça abaixo:




07 - MARIE MINET
Está de volta a nossa lista da Muso Soup , com uma voz clara e hipnotizante, toques nostálgicos e melodias profundas suavizadas por influências cabo-verdianas.

Este single lançado ano passado revive as memórias da infância enquanto questiona a inocência da juventude e a desilusão da idade adulta, com estilos que navegam
 entre a chanson francesa, a palavra falada e a World Music.

Confira ao videoclipe abaixo:



08 - SARAH REYNOLDS
Agora se voltando para sons de vertentes pop, temos 'Wilderness', lançado pela artista britânica na última sexta-feira (30) nas plataformas de streaming.

Neste trabalho, ela apresenta um estilo vocal do pop contemporâneo, unida a uma sonoridade cinemática, sendo certamente uma faixa que poderia estar presente em trechos de conclusão de filmes sobre paixão/amor/vida.

Em release oficial, a artista comenta sobre a faixa: "WILDERNESS é essencialmente uma oração sincera, expressando aquele sentimento de desespero, desesperança e de estar preso e preso em uma situação / vida. É uma música baseada na fé, mas expressa sentimentos que acredito serem compreensíveis para todos, especialmente depois do ano que acabamos de ter!"



09 - EMMA MAE
A artista britânica está de volta com 'When Paris Calls', faixa divulgada nas plataformas de streaming na última Sexta-feira. 

Neste trabalho, ela apresenta um estilo vocal característico do pop, unido a elementos seja de um pop mais contemporâneo, comercial e até mesmo da música latina/espanhola. 

Em 'When Paris Calls', ela explora a reação de alguém ao descobrir que foi traído e sua tentativa desesperada de descobrir o nome da outra mulher, tentando capturar a mistura desesperada de emoções, com comentários atrevidos (às vezes um pouco rudes) nas letras da faixa  que podem demonstrar isso.
A faixa também é uma resposta a todos que já me disseram que estou reagindo de forma exagerada a algo que, por direito, merecia uma reação.



10 - BELLA BRADLEY
Divulgou na última quinzena a faixa 'Losing Sleep' nas plataformas de streaming e vocês todos podem conhecer logo abaixo.

Britânica, ela combinas um estilo lírico do blues a uma instrumentação característica do pop eletronico/comercical e do dance, além de trazer a influência de outros nomes, como podemos ouvir um toque de Lana Del Rey ao longo deste single. Mas para este trabalho, ela não quis ficar sozinha e se juntou à produtora DJ KAKE, nascida da Lituânia e residente em UK.

Neste trabalho, eles enfatizam a excitação de decisões impulsivas, jovem sendo jovem e despreocupado, onde também abordam sobre o tema da intuição e novos começos, numa faixa capaz de mostrar verdadeiramente a versatilidade de Bella como artista.



11 - COLOUR FORMATION
É um duo britânico, que recentemente lançou 'The Script', hino pop feminista composto durante o lockdown e divulgado no último sábado pelas plataformas de Streaming. 

Dentro dessa sonoridade que flerta entre o indie/dream pop e com diversos elementos para poder ser de fato ser considerada um hino, principalmente por conta da sintonia entre os vocais e backings, a artista compôs esta faixa como uma forma de denunciar os comportamentos frequentemente prejudiciais ao namoro que levam as mulheres a se sentirem em competição umas com as outras.

O vídeo é uma peça inspirada no Figs in Wigs, que ilumina com humor essas dinâmicas desatualizadas e muitas vezes roteirizadas. Assistam abaixo:



12 - PLEASEPRETTYLEA
É uma artista britânica, que no último dia 14 revelou um dos seus trabalhos mais recentes, intitulado 'Ohheycide' nas plataformas de streaming.

Neste trabalho, apresenta um estilo vocal característico do pop, mas também do rap, em uma instrumentação que flerta tanto com esses gêneros já citados, como também pelo hip-hop. dark-pop e trap ao falar sobre uma última demonstração de vulnerabilidade, enquanto explora falar sobre o suicídio, em um estilo vocal que deixa a faixa com tons misteriosos.

Assista ao videoclipe:



13 - BASSLIFTER
Diretamente na Noruega, ele é um artista com um belíssimo currículo e pronto para continuar em breve agitando as pistas de House/Deep House, Eletro/Eletropop, EDM em 'Abrazo Afinado (Fill Me Up'), faixa lançada há quase um mês e que ainda apresenta diversos elementos instrumentais da música latina.

A música foi criada durante os tempos de bloqueio da pandemia e escrita especificamente com o desejo de trazer esperança e alívio para as pessoas ao redor do planeta. O título espanhol é um jogo de palavras com metais, pois é uma faixa de dança pesada de metais e o significado direto de Abrazo Afinado é "Hugs In Tune". Além disso, os vocais foram criados inteiramente com a nova tecnologia de computador.

BASSLIFTER é Håkon Lundby, um produtor e compositor internacional de vários discos de platina número 1 da Noruega. Nascido em uma família musical onde seus pais se conheceram trabalhando na EMI Records, ele começou como baterista em uma banda de rock aos 8 anos de idade. A partir daí, ele rapidamente começou a aprender a tocar guitarra, programar batidas e escrever canções. Em seguida, ele foi aceito na prestigiosa escola Paul McCartney FAME em Liverpool. Suas influências variam do Jazz, RnB, Pop e Heavy Metal. 

Estudante da  LIPA, ele conversou com a gente um pouco sobre o encontro com Paul McCartney: "Eu o encontrei uma vez, na primeira vez que ele estava lá para a grande inauguração. Em algum momento ele estava na cantina e eu fui até ele e perguntei quando ele ia dar aula pra gente, ele agarrou meu braço e disse "logo, logo". Ele deu aulas no terceiro ano, mas no terceiro eu estava praticando na produção de campo para a Warner Music da Noruega, então não fui para as aulas dele".

Conheça o som dele abaixo:



14 - COBBLER
Diretamente do Reino Unido, ele lançou no último dia 9 a faixa 'Under My Skin' um hino de verão que une dois talentos em uma que flerta entre um pop essencialmente comercial e o dance. Cobbler é um produtor eletrônico experimental, notável por suas colaborações anteriores com poetas e Nathalie é uma diva de voz gigantesca vista com mais regularidade se apresentando ao vivo tanto on-line quanto off-line.

Sobre a faixa, o produtor Cobbler diz: "Eu estava experimentando alguns sons, inicialmente para tentar fazer uma música pop otimista para usar em Dogs Don't Deal. Rapidamente percebi que a vibração disco dos anos 80 da música que eu criei não estava certa para qualquer um dos meus projetos, então eu recorri às redes sociais para encontrar um cantor e um escritor de primeira linha que complementasse a faixa. Assim que Nathalie começou a me enviar melodias eu sabia que estávamos no caminho certo. Ela captou a vibe imediatamente - e então me enviou o vocal completo. O poder bruto de sua voz me surpreendeu totalmente!"

Vocês podem conferir todo o poder vocal da artista e dos elementos eletrônicos, que certamente o envolverão a farão ouvir mais e mais vezes, abaixo:



15 - CONSTELLATION PRIZE
Seguindo em uma sonoridade voltada para o pop comercial, temos 'Chase That High', faixa lançada na última sexta-feira (30) e que apresenta um hino eletro-pop onde falam sobre o desejo por aqueles sentimentos amorosos, numa faixa que consegue trazer um groove intenso e inegável, carregado com acordes oníricos, leads de sintetizador crescentes e uma linha de baixo profunda, num conjunto da obra que certamente entrará na mente do ouvinte. Além dos gêneros citados acima, temos uma sonoridade com influências que remetem a uma vibe oitentista.



16 - AKSO HEART
Está de volta ao site com 'Changes', faixa lançada nas plataformas de streaming no último dia 30 e que flerta tanto por vertentes do pop, quanto do dance e R&B, em uma sonoridade catchy.

Após passar todo o seu tempo em laboratórios, como estudante de doutorado para depois conceituar sua persona artística no Japão e se aventurar no mundo da música, ele usou o lockdown como uma motivação criativa que permitiu ser transformada em alguns singles. O segundo deles é 'Changes', onde a ideia de sonhar com transformação ou mudança, mantendo a esperança e manifestando uma amplificação de sua vida para alcançar grandes alturas.

Com diversas influências musicais, ele une RnB, Pop e Dance, os transformando um som único, que pode ser ouvido abaixo:



17 - ISSA BIBBINS
Após uma sequência de trabalhos pop, finalizamos a lista de hoje com faixas voltadas tanto para o rap, quanto para o Hip-Hop. A primeira delas é 'Not This Time', revelada pelo artista norte-americano em Abril, mas sendo um tão trabalho lírico tão bom, que merece a atenção e conhecimento do ouvinte, mesmo meses depois.

Neste trabalho, eles visam a conscientização sobre as questões sociais prevalecentes e as desigualdades raciais que ainda impactam em nossa sociedade, de maneira mundial.

Issa Bibbins co-escreveu, produziu e lançou seis canções nos últimos três anos, todas parte de um projeto de hip-hop intitulado The Treatment. Na fase inicial de desenvolvimento do projeto, Issa se comprometeu com sua visão de alcançar mercados internacionais com sua música e apresentar The Treatment na África do Sul, e ele está trabalhando duro todos os dias para atingir essa meta e concluir o financiamento do projeto para levar The Treatment aos mercados internacionais.

Uma dessas seis faixas pode ser ouvida abaixo:



18 - SQUID THE KID
Agora, diretamente da Austrália, temos uma artista que lançou há um mês a faixa 'Drunk Thoughts', que traz elementos de Jazz, Blues e Soul, unido a um estilo vocal do rap, numa letra que gira em torno do que as pessoas realmente pensam e sentem depois de uma noite fora.

Em release oficial, ela comenta sobre a faixa: "Há um ditado que diz 'Uma mente bêbada fala a um coração sóbrio' e eu queria dar vida a isso, que ficou na minha mente e talvez verdadeiro.

Squid The Kid é um artista emergente de hip-hop e R&B, nascido no coração de Hampton Park, no sudeste de Melbourne. Aos 22 anos, o humilde músico combina batidas funky com fluidez fluida, fortemente influenciado pelos sons de Tyler The Creator, Mac Miller e Anderson .Paak.

Neste trabalho, o artista apresenta um conhecimento musical extenso e uma versatilidade não revelada anteriormente, mostrando que tem um lado delicado que ainda havia sido colocado em prática.

Ouça abaixo:



19 - NORTHSIDE ROCKY
Diretamente dos Estados Unidos, ele é um artista que mescla estilos como hip-hop, rap e R&B na faixa "Do What I Want", onde apresenta uma vibe de verão sexy em um som produzido por Sean Da Firzt.

Entre seus elementos instrumentais, temos sintetizadores executados em alta frequência, numa faixa de ritmo vocal que mescla entre rap e canto em letras despreocupadas e sensuais. 

Conheça o som dele abaixo:



20 - WATASINO
Nascido em Okinawa e morando em Tóquio, ele é a ilustre presença asiática em nossa lista de hoje e que apresentou no início de Julho a faixa 'Sayonara' nas plataformas de streaming. 

Neste trabalho, o artista trouxe para nós uma sonoridade instrumental repleta de grooves, passando por estilos como o folk, cinemático, downtempo e alguns elementos voltados para o lo-fi.

Essa música foi a primeira em que Watasino dominou as técnicas clássicas de produção de hip-hop e depois começou a fazer samples instrumentos no MPC, e foi realmente produzido por volta de 2018. Watasino não lançou nenhuma música até lançar seu álbum Golden Fruits em 2020, mas com essa música ele estabeleceu seu próprio estilo de produção e tomou a decisão de lançar seu trabalhar. Nesse sentido, é uma música pela qual me sinto muito fortemente. É também o protótipo da música "Orange" em "Golden Fruits".

O título "Sayonara" é uma palavra japonesa que significa "adeus".


Postar um comentário

0 Comentários