Header Ads

  • Breaking News

    Os melhores shows nacionais com cobertura do site em 2019

    Foto: Ricardo Nasi/G1
    Com o site fazendo seus próprios fests em 2019 e quem vos escreve virando produtor da Augusta 339, não tive tempo para acompanhar todos os shows que gostaria, mas ainda assim consegui cobrir belíssimos shows, assim como Millena, que resenhou shows de Nando Reis e homenagem aos 4.5 de Lóki?. O resultado está abaixo, com um resumo dos melhores shows do ano, pela visão d'Os Garotos de Liverpool.

    Alceu Valença - João Rock 2019


    João Rock sempre rende ótimos shows e em 2019 não foi diferente. Como atração do palco principal do fest, Alceu Valença dominou o público  do começo até o final  do show, por conta de sua simpatia, dos diversos "IA-IA-IO-IO" que renderam plaquinhas do estilo NA's nos shows do Paul McCartney.  

    Vestido com chapéu de cangaceiro, ele tocou hits da sua carreira como Vem Morena, Sonhei de Cara e Coco das Serras, neste último trocando a típica sanfona, pela guitarra. Já em faixas como Táxi Lunar (gravada com Geraldo de Azevedo e Zé Ramalho), La Belle de Jour, Anunciação e Tropicana foram as responsáveis por transformar o João Rock definitivamente em festa nordestina. 



    Fresno - Lançamento da turnê "Alegria: Cancelada", em Santos



    Dezembro, esse havia sido o último show da banda em turnê, há quase um ano. Nas redes sociais, todos os perguntavam pra banda "cade os próximos shows? cadê disco novo? cadê tour?" e a resposta "Tour? Que Tour?" virou meme entre banda, fãs e até foi usada para divulgação do show que acontece em São Paulo, dia 10. Apesar disso, o nome da tour não foi esse, mas sim "Alegria: Cancelada", parte do nome do disco mais recente da banda, lançado um pouco antes do anúncio dos shows.

    Com todo um hype criado, tanto em cima do disco, quanto em cima da tour, o disco já tem números expressivos nas plataformas de streaming e a turnê estreou com INGRESSOS ESGOTADOS e fez mostrar que o ar-condicionado do Arena Club não funciona muito bem (Thiago Guerra, pós-show, que o diga). 


    No repertório, tivemos logo de cara, as músicas que abrem o disco mais recente e já fizeram as paredes da casa tremer, com o público entoando cada palavra e estrofe d'O Arrocha Mais Triste do Mundo, cantada realmente como uma arrocha e We'll Fight Together, minha música favorita do disco e emendada genialmente com a anterior, tanto ao vivo quanto no estúdio.


    Se antes do show, o público mandava "Ei, bolsonaro, vai tomar no cu", isso se repetiu pela boca do próprio Lucas ou novamente da platéia na, claramente dedicada a ele, Isso Não É Um Teste e em Deixa Queimar, após episódios recorrentes que temos de desastres ambientais espalhados pelo nosso país, seja de queimadas, lama ou óleo pelas praias, enquanto quem deveria resolver está fazendo piadas nas redes sociais.


    Além das faixas do álbum, tivemos músicas não tocadas usualmente (até então), como Porto Alegre, Die Luge e Absolutamente Nada. Matéria completa, fotos e vídeos aqui.



    Nando Reis - Lançamento da turnê "Esse Amor Sem Preconceito" // Show no Aniversário de São Paulo

    Com os ingressos esgotados, Nando Reis tocou no antigo Credicard Hall e mostrou que emanando amor, você só pode receber uma coisa em troca: amor.



    Nando conversou bastante com a plateia a respeito da criação do disco, da ideia, execução e de como estava feliz em fazer em São Paulo, na cidade onde nasceu, cresceu e que era uma noite muito especial, pois estava acompanhado de sua família. O nome da turnê “Esse Amor Sem Preconceito”, veio da música Amada/Amante, que inspira os tempos que vivemos atualmente. Ainda explicou que, a forma como o Rei compõe é singular e muito antes que a gente entenda, a grande música é aquela que a gente sente: exemplo claro disso, seria a releitura de Abandono ou Vivendo por Viver.

    Os sucessos da carreira do ex-Titãs como Segundo SolAll StarNPra Você Guardei o AmorLuz dos OlhosDois Rios (parceria entre Samuel Rosa, Nando e Lô Borges), Relicário, Por Onde Andei entre outros, se fizeram presentes no show, que foi uma grande lição de afeto entre público e cantor.

    Apesar de não estar no disco, Ilegal, Imoral ou Engorda, composição do Rei com o Tremendão, fez parte do bis e agitou bastante o público, seguindo para um final em ritmo de festa e realização do público e do cantor com O Mundo É Bão, Sebastião!.



    No aniversário de 465 anos da cidade de São Paulo, Nando Reis subiu em uma das lajes da Avenida Paulista, sendo ovacionado pelo público antes de tocar músicas como Os Cegos do Castelo, N, Luz dos Olhos e Relicário. 

    Durante o evento, ele ainda deu uma alfinetada na prefeitura por nunca ter chamado para fazer parte das comemorações da cidade e agradeceu a Jovem Pan pela oportunidade dada a ele e aos Titãs desde 1984.

    Logo em seguida, ele falou que seria tocada uma música que envolve protestos políticos, catástrofes da natureza (até mesmo humana, como a de Brumadinho) e dedicou a Jean Wyllys, que desistiu de seu terceiro mandato (após ser eleito por duas vezes o melhor Deputado do Brasil) por causa de ameaças de morte. A música em questão é nova e Nando pedia para quem não conhecesse, prestasse atenção na galera, que cutuca nas feridas de diversos lados, ouça Rock and Roll.







    Em Julho, a banda Terno Rei se apresentou no Auditório Ibirapuera, lançando o LP "Violeta" para pré-venda. Por volta das 21h, cada um dos integrantes (que virou quinteto, com a presença do produtor do disco, que alternava entre violão e piano) apareceu no palco, em meios a plantas e diversos tons de Violeta, nome que se dá ao disco mais recente da banda. O show logo começou com uma das músicas mais aclamadas de 2019, Yoko trouxe logo no começo, todo o público para as mãos da banda.

    Fazendo surpresa até para quem havia recebido o release oficial, a banda tocou o disco completo, mas não na íntegra (como previsto) com alterações que se encaixaram perfeitamente ao longo do show. Yoko emendou com 93, antes de anunciarem São Paulo no repertório e um pouco de encerrarem a primeira metade do show, mais uma vez fazerem o público entoar cada verso de outro hit: Solidão de Volta.

    Músicas de outros trabalhos da banda, como Manga Rosa, Circulares e Sinais também estiveram no show, ganhando até mesmo novas roupagens, por conta do "5o Terno Rei" (referência ao 5o Beatle) e também outra interpretação, com o show tendo interprete de LIBRAS durante todo o tempo.

    Tanto o estilo da banda quanto o estilo de seu público não pode ter somente uma definição, visto que víamos adolescentes, adultos, heteros, gays e diversos outros gêneros e estilos, todos em prol de ouvirem e verem uma banda de qualidade, que merece cada vez mais espaço em playlists/fests nacionais e na divulgação boca-a-boca para o público.



    45 anos de Loki?


    Em Março, Arnaldo Baptista ganhou homenagem de Rodolfo Krieger (ex-Cachorro Grande), junto a super banda escolhida para a noite foi formada pelos músicos Eduardo Barretto (baixo), Pedro Leo (bateria), e do pianista Rafael Stanguini. Além deles, Helio Flanders, Thunderbird, Cinnamon Tapes e Tatá Aeroplano foram os convidados especiais para completar o grupo.

    Se em maio do ano passado, as demais obras do Arnaldo foram homenageadas, dessa vez, o disco Lóki? (1974), foi o selecionado para ter uma noite especial só para ele. Segundo Krieger, "é como completar um álbum de figurinhas, era o disco que estava faltando. Lembro de brincar nos ensaios do primeiro show do projeto, dizendo que ‘só faltava o Lóki’. Com certeza, é a realização de um sonho muito antigo de tocar na íntegra, junto com meus amigos, um dos discos mais importantes para a minha formação musical e para a história da música.".

    Helio dividiu Será Que Eu Vou Virar Bolor? e Uma Pessoa Só com Rodolfo, mostrando o quão agitada seria a noite, apesar da plateia ter visto o show sentada, em sua grande maioria.

    Cinnamon Tapes, com sua voz grave e marcante, cantou Não Estou Nem Aí, que fala sobre viver mais e pensar menos. Logo depois de cantar Vou Me Afundar Na Lingerie, Rodolfo recebeu Thunderbird para cantar Cê Tá Pensando Que Eu Sou Loki? e Desculpe, canções que ficaram ótimas com a interpretação do músico.

    A calma e sincera Navegar De Novo, ganhou a interpretação solo de Rodolfo com a banda, sossegando um pouco os ânimos para o que viria logo em seguida: Tatá Aeroplano com Te Amo Podes Crer e É Fácil.

    A repaginação na obra-mor de Arnaldo foi essencial para tornar tudo mais especial: Loki é um disco feito sem guitarras. A visão e o amor de Rodolfo pela arte do Mutante, trouxe Gibsons e amplificadores valvulados para o palco, além de novos elementos para as canções do álbum, como na canção É Fácil, deixando tudo um pouco mais eletrizante que já é.


    Lista com melhores shows produzidos por nós em 2019 Se cobrimos poucos shows, produzimos muitos ao longo de 2019, que não estão presentes por aqui simplesmente pelo fato de não haver tempo de ver show o suficiente para poder fazer o tipo de resenha completa que gostamos de fazer. Mas ainda assim, resolvemos apresentar para vocês as melhores bandas que passaram pelo fest Só A Música Salva, durante o ano de 2019, em ordem cronológica.

    1- Codinome Winchester 2 - Mocho Diablo 3 - Frankenchrist 4 - Doris Encrenqueira 5 - O Acaso Mora ao Lado 6 - The Tropical Riders 7 - R. Diaz
    8 - Rizco 9 - Inluzt
    10 - Sick Dogs in Trouble
    11 - Casquetaria
    12 - Mera Corte 13 - Nuara Rock (jamais serão esquecidos)
    14 - Denker
    15 - Evandro & Los Negros
    16 - Blue Rovers
    17 - Calêndula/Carmesim
    18 - Giant Jellyfish
    19 - Madness Magnet
    20 - Hammerhead Blues
    21 - Revolução Humana
    22 - Darhkmas
    23 - Ahiag
    24 - Turing
    25 - Impact7
    26 - Mothera