MUSO SOUP SINGLES #30: Manny Moura, Volleyball, Rival Karma, JFK, Slowride, Ferrier, Tayiha, Hazel, Heckyl e mais artistas de vertentes Pop, Rock, surf e hip-hop



01 - HECKYL
O artista britânico aparece pela primeira vez no site, logo com dois singles lançados entre 18/6-16/7. 'Side Where You Slept' e 'Free Falling Down', respectivamente 3º e 4º trabalhos divulgados pelo artista que se lançou na carreira neste ano.

Composta de maneira DIY, 'Side Where You Slept’ traz produção feita por parte do artista, num som eletrônico que também flerta com o synthpop e elementos de gêneros como também o dance oitentista, conseguindo unir um som retrô a influência de artista mais atuais como 1975 em um teor lírico de amor "amor perdido" com as quais as pessoas se identificam.



Após ela, o artista divulgou também o single 'Free Falling Down', quarto single de um projeto onde ele planeja lançar uma música nova a cada 4-6 semanas ao longo do ano, além da possibilidade de ser divulgado um EP. 

Continuando seu trabalho de maneira DIY, este som apresenta uma vibe eletropop, repleta de sintetizadores e belas harmonias, unida a uma letra que descreve a futilidade de perseguir seus sonhos através o mundo da mídia social onde "curtir" e percorrer constantemente os "feeds" substituíram a verdadeiro interação pessoal.



02 - MANNY MOURA
Nossa lista de hoje começa com uma artista brasileira, que cresceu entre NYC e RJ, morando atualmente em Los Angeles.

A música sempre foi presente em sua vida, sendo tocada na sua casa desde quando era criança, mesma época que começou a aprender violão e, desde então, focar na arte como algo primário.

Alguns anos se passaram e em
 2016 (quando ela tinha entre 18-19 anos) divulgou seu primeiro EP, intitulado "Thunderstorms and Other Fears", com sete músicas autorais. Seguindo isso, ela se mudou para est
udar composição no Berklee College of Music e desde 2019 lançou três singles e um videoclipe com o nome Manny Moura. 

Hoje, ela está trabalhando seu próximo EP e, como parte disso, divulgou no último dia 15 a faixa 'Idealize Me', que flerta entre alt/indie/dream/synth/eletro/comercial pop, com vocais doces e instrumentais envolventes, que se conectam com o corpo do ouvinte, não o fazendo ficar parado enquanto escuta uma faixa de tema interessante de ouvir, sendo sobre o amor do verão e o apego às grandes expectativas de um novo romance. 



03 - NORA LILITH
É uma artista que cresceu com um pé em Berlim e outro em Austin, local onde vive atualmente e trouxe à vida um dos seus trabalhos mais recentes, intitulado 'Misfed'.

Em um trabalho de criatividade ilimitada e talento DIY, ela consegue inserir em sua música diversos elementos lo-fi, enquanto traz uma música com batidas experimentais e uma mescla de estilos como o house, R&B, cinemático, vanguarda e Jazz, durante cerca de 4min30.

Liricamente, ela convida o ouvinte a mergulhar fundo em seu mundo reflexivo, num single repleto de  melodias íntimas e tons hipnotizantes, que certamente entrarão no coração de quem acompanhar a faixa de modo detalhado.

Sobre a música, a artista comenta em release oficial: "Essa faixa foi fundamental na minha evolução como artista, especialmente como vocalista e letrista. Lembro-me de que naquela época eu estava realmente lutando para escrever letras de uma forma que me intrigava. Quando eu prestei muita atenção ao poetismo ou precisão emocional de minhas próprias letras enquanto as escrevia, elas sempre pareciam falhar para mim".



04 - VOLLEYBALL
Figurinha carimbada no site, eles estão de volta pela 4a vez, com o single 'Not For Today', lançado há um pouco mais de um mês nas plataformas de streaming.

Sendo o 5º de uma sequência de singles divulgados desde Outubro, a faixa conta a história de imensa vitória a que todos podemos aspirar, encontrando aquele momento em que você pode se livrar de todas as preocupações e responsabilidades da vida profissional para chegar ao litoral para passar o dia relaxando com seus amigos.

Instrumentalmente, eles trazer algo voltado principalmente para admiradores do dream pop, com um vocal harmônico, unido a elementos doces e suaves que transportam o ouvinte para dentro da faixa. Isso se amplifica a partir do último minuto, onde a banda traz uma parede de som repleto de efeitos e instrumentos psicodélicos, em um daqueles que pode ser o maior trabalho dos britânicos até então. 



05 - GIDEON FOSTER
Dos arredores de Manchester, ele divulgou nos último dias de 2020 o single 'Money Don't Lie', onde liricamente o compositor/musicista falar sobre a forma como o materialismo e os interesses comerciais se infiltraram em todos os cantos da vida e como parece cada vez mais que as interações sociais agora têm um intermediário ávido por ganhar dinheiro.

Trafegando por vertentes como o classic, garage e indie rock, com riffs suaves em seu início, mas que ao longo da faixa vão crescendo e também traz uma ótima sintonia entre vocal primário e secundário, a A música é sobre questionar um mundo onde o amor um pelo outro seja sequestrado e lucrado.

Um pouco sobre o artista: Sou um cantor e compositor que mora perto de Manchester, no Reino Unido, estive envolvido com música a maior parte da minha vida, mas só comecei a gravar minhas próprias canções há 5 anos, quando tinha 46 anos, após uma espécie de despertar que me fez questionar o que eu queria fazer com a minha vida, as músicas são mesmo um reflexo dessa trajetória dos últimos 5 anos. Até o momento eu lancei 12 faixas e atualmente estou gravando novas músicas que pretendo lançar ao longo deste ano.




06 - RIVAL KARMA
Apresenta riffs pesados e envolventes, bateria responsável por ditar o ritmo (e em certo momento me fez remeter a 'Run', do Foo Fighters), unida a um vocal que traz elementos do hard rock e do alternativo para a faixa 'Honey', divulgada nas plataformas de streaming na última Sexta-feira (23).

Honey é a faixa de abertura do EP, ainda a ser lançado e traz como tema o arrependimento particular de não falar sobre o que você realmente sente por alguém ... um amante, uma alma gêmea, um amigo, um parente.

Em release oficial, eles comentam que "a música mostra toques de guitarra irresistivelmente corajosos e vocais distantes e melancólicos que lamentam a ausência de alguém especial" e de fato, em muitos momentos podemos notar o vocal em tom de desabafo, encaixando perfeitamente com as guitarras que trazem riffs marcantes para a toda a música, num projeto lírico que traz uma emoção que a maioria das pessoas já viveram e tiveram que aprender a conviver: O arrependimento em deixar de falar algo.




07 - DYLAN SHERRY
Lançado nas plataformas de streaming há quase dois meses, 'Flying Colors' é uma faixa que apresenta toques 'praianos' de guitarra, além de trazer vocais melódicos e elementos presentes no power pop sessentista e mostrar para o público ouvinte como fazer uma mescla entre esses estilos mais 'old school' e o moderno indie rock anos 2000.

No release oficial, o artista comenta que este é o seu trabalho com maior qualidade até então, conseguindo transformar em música seu estresse/ansiedade escolar, ao mesmo tempo que aprecia as amizades feitas por lá. 

Se você é fã elementos do power pop, surf, indie rock e de ótimas melodias, presentes numa faixa harmônica, certamente irá apreciar a música abaixo:




08 - JFK

É um artista talentoso, que traz uma sonoridade única, com melodias e harmonias aceleradas, característicos de estilos presentes na faixa, como o rap e hip-hop, mas trazendo temas não usuais deste gêneros, como canções de amor que certamente prenderá o ouvinte e o convidará a conhecer mais sobre o artista, que ainda traz para seus trabalhos elementos do soul e r&b, mostrando ter um leque amplo de conhecimentos e influências musicais. 

Um pouco deste trabalho pode ser ouvido em 'She's Drippin', faixa divulgada em Abril nas plataformas de Streaming:




09 - MINERVA DAISY
Neste trabalho lançado dia 15, a artista de Manchester trafega entre elementos contemporâneos do pop, com uma linha de piano de jazz, vocal harmônico característico do pop 00s, apresentando também um belíssimo jogo de vozes por diversos momentos da faixa, como no refrão.

Baseada na ideia de estar insatisfeito em um relacionamento, você definitivamente não ficará insatisfeito ao ouvi-la. 'Euphoria' é uma música produzida por James Kenyon no Bank Chambers BIMM Studio e que ganhou vida três anos após sua composição. 

Em release oficial, a compositora que a faixa foi escrita numa época de autodescoberta, quando percebeu que não precisava aturar os outros se eles não retribuíssem quando eu colocasse um esforço na amizade ou no relacionamento. Com essa descoberta, ela teve a alegria de volta, em seu própria companhia. A faixa pode ter diversas interpretações, desde ficar insatisfeito a ficar obcecado por alguém.




10 - SLOWRIDE
Diretamente de Leeds, eles apresentam uma mistura entre o indie e eletrônico, ritmicamente apresentando uma faixa que o público cantará e curtirá junto a banda em futuros shows ou nas pistas de baladas assim que tudo isso for possível de acontecer. 

Com as características acima, o single 'As Above / So Below', lançado no último dia 16, busca explorar a conversa sobre a vida através de uma lente existencial, falando sobre os altos e baixos que passamos ao longo da existência.

Ouça a banda e confira o videoclipe abaixo:




11 - BLUE ORCHID REACTION
Riffs envolventes, bateria sendo destruída e um ritmo que dá uma energia maior para o ouvinte se extravasar e acompanhar a música do início ao fim são alguns elementos presentes em 'Sunset Chaims', faixa lançada pelo artista britânico no final de Maio e que traz a essência do garage rock e rock alternativo, ao longo de aproximadamente 4min.

Em release oficial, eles comentam sobre a música: "Paul se inspirou para escrever essa música após um período prolífico de composições de Matt e Dom. Paul criou uma canção de rock identificável sobre as frustrações de estar em um escritório.

Esta música foi gravada ao longo de 12 meses graças à Covid. Inicialmente, bateria e baixo foram gravados em abril de 2020 na Huddersfield Uni e no dia seguinte estávamos trancados. Preenchemos as lacunas e gravamos as partes adicionais em nossas respectivas casas, enquanto o produtor Aled, voltou para o País de Gales. 12 meses depois de lidar com os problemas do mundo, Sunset Claims estava finalizada".




12 - FERRIER
Neste trabalho lançado dia 14, ele busca trazer um som que mescla entre vertentes do pop, como o comercial e o dance, além de passar por elementos do indie rock, em uma música onde busca falar sobre término de namoro que soasse como se você estivesse se apaixonando, cunhando-a como "melancolia eufórica".

Ferrier é um produtor e compositor cantor que mora em Camden. O que diferencia Ferrier de outros artistas de sua geração é ... bem ... vamos ser honestos - todo mundo está tentando misturar gêneros; todo mundo tem medo do futuro; e todo mundo está usando um laptop em casa porque tem medo de sair de casa.

O que talvez faça Ferrier diferente é que ele entende isso. Dentro do fluxo digital constante de individualidade e auto-imagem - não há problema em não saber quem você é e por que você é tão diferente de todas as outras pessoas.

Em um mundo que esquenta e fica online, ele está tão assustado quanto você com apenas uma pergunta a fazer - então junte-se a ele enquanto ele pondera o que significa ser um "ninguém" em um planeta de "alguém".

Sobre a música, ele comenta em release oficial: "Eu a escrevi quando tinha 18 anos depois de uma separação ruim e falo sobre eu chegar a um acordo com a perda, mas também sobre coisas que me arrependo de dizer e fazer".

O artista utilizou um modo de composição baseado numa conversa com ele mesmo, onde cada linha é estruturada como um monólogo que ele criou em sua cabeça, sobre o assunto em questão. Ele passou um ano reescrevendo e reproduzindo a música, colocando-a em diferentes versões, passando por voz e violão, pop punk, lo-fi e este pop, estilo que começou a crescer no UK durante os tempos de lockdown. 




13 - THE LAST ARCADE

Divulgada nas plataformas de streaming há um mês e meio, a faixa 'When We Were Young', já foi tocada em diversas estações de rádio da Inglaterra, Escócia e outros países do Reino Unido. Agora chega aqui, para os ouvintes brasileiros.

Nela, Steve apresenta uma mescla de diversos estilos dançantes, como o pop comercial/synth/eletro, além do synthwave, tudo isso a uma faixa repleta de elementos oitentistas e que com certeza animarão e farão o público ouvinte dançar do início ao fim, em uma música definida pelo compositor como uma carta de amor. 




14 - DURWIN D'SOUZA
É uma grata surpresa da música indiana e que, há cerca de um mês, lançou um dos seus trabalhos mais recentes, intitulado 'Hey Time'. 

Nela, o artista apresenta uma faixa praticamente instrumental, onde consegue mesclar diversos elementos da música indiana, com solos característicos do blues/classic rock, eletrônico e lo-fi, mostrando um grande leque de conhecimentos artísticos e que deverá ser admirado tanto por fãs de sons mais oldschool (60s/80s), como de estilos mais modernos e atuais. 

É uma música que foi inspirada dos tempos difíceis que o mundo está enfrentando agora e, no único trecho com letra, o artista diz: "TEMPO SUFICIENTE//SENDO TÃO RESISTENTE//VOCÊ SEMPRE PODERIA ESPERAR DENTRO//E CONTE UMA HISTÓRIA DO MEU LADO".




15 - TAYIHA
Uma semana depois, a artista está de volta ao site, com 'Lose Myself', faixa repleta de elementos do pop contemporâneo, com um piano que acompanha toda a parte lírica de uma música composta durante o lockdown australiano, num momento mundial onde as pessoas podem estar se sentindo sozinhas e perdidas de si mesmas, com diversas crises que podem ocorrer em meio a uma pandemia que já se prolonga por mais de um ano. Diante disso, a artista sentiu que as pessoas precisavam se manter fortes e acreditar que pessoas lá fora que estariam lá para eles. Daí veio força e inspiração para a composição.

O som Pop / R & B de Tayiha e seu talento para letras, melodias e criatividade é como ela está sendo comparada a uma jovem Taylor Swift em sua habilidade de fazer suas canções soarem anos além de sua mera idade de 16 anos.

Confira mais um pouco do trabalho dela, abaixo:




16 - ENLIGHTENMENT SALOON

Neste som lançado início de Julho, eles apresentam uma banda formada por Scott DL nos vocais e guitarra, apoiado por Mark Nye (baixo), Paul Arthurs (bateria, percussão) e Peter Nemesvari (teclados), com uma introdução composta por Louie Arthurs.

Ao abordar principalmente estilos como o power pop, soft/classic rock, dream pop e até mesmo o cinemático, eles buscam trazer uma composição lírica que explora a possibilidade de redenção, que de alguma forma, por meio de tribulação e perda, pode haver libertação. 

Confira a letra da música diretamente do site oficial e ouça abaixo:




17 - KIT SLEEPY

É um dos poucos artistas que conhecemos do Japão, mas que caiu em nossos ouvidos como uma grata surpresa, com o som 'Howling At Moon', lançado nas plataformas de streaming dia 10.

Trazendo um som que mescla entre o rap e hip-jhop, unido a diversos elementos instrumentais do lo-fi, numa música que fala sobre um caso de amor louco e proibido inspirado no filme "Lost Girls and Love Hotels".

Ele é um artista que, no geral, se inspira em estilos como o jazz, rock, blues, RnB, além dos já citados anteriormente e gosta de vasculhar a internet em busca de artistas experimentais, com a possibilidade deles também impulsionarem seu lado criativo e experimental, como presente nos últimos segundos da música. 

Conheça o trabalho dele abaixo:




18 - HAZEL

É um duo norueguês que apresentam um som pop essencialmente comercial, dance, cheio de elementos do Soul (principalmente por conta da linha de baixo, que também remete a Don't Start Now, de Dua Lipa), e do dance, unida a vocais e estrofes/vocais envolventes.

Para Hazel e Eternuit, as emoções criadas durante o processo de composição podem ir muito além da letra da música. Na última faixa de Hazel, "BOY", e na faixa de Eternuit "Back 2 Me", os dois artistas discutem os sentimentos de desgosto e perda enquanto viajam pelos primeiros anos de idade adulta.

Se você é fã de Dua Lipa, certamente irá curtir este som abaixo:




19 - CRAFTED IN BLACK
Depois uma sequência de sons voltados para o pop, dance e eletrônico, trazemos a vocês uma faixa essencialmente rock, onde a banda norte-americana trafega por vertentes pesadas como o metalcore, gótico e hard rock (todos esses principalmente pelas características vocais), mas unindo também a elementos instrumentais do industrial e flertes com o eletrônico.

Liricamente, eles trazem uma faixa onde se baseiam na na paralisia do sono, assim como no plano astral. Em um lugar entre estar acordado e adormecido. Neste lugar, os demônios podem se manifestar e assombrar suas vítimas das formas mais cruéis e explícitas.

O trabalho foi feito de maneira DIY pelo artista, que montou todo o processo de gravação e masterização em seu estúdio caseiro. Faixa para criar uma sensação sombria e sinistra com pequenos gostos de euforia e desesperança.

Confira abaixo:




20 - NEAR DEATH EXPERIENCE
Seguindo um gênero mais rock, temos a primeira vez desta banda no site, com um estilo mais leve do que a banda anterior e se voltando para o indie rock em um videoclipe repleto de psicodelia presente em 'Religion', faixa lançada nas plataformas de streaming na última Sexta-feira.

Além da psicodelia viciante do vídeo, o vício é uma característica também presente na música, seja por conta do baixo pulsante a guitarra crescente, passando por um refrão comovente. 

O guitarrista Bill Marten contrapõe a melodia do refrão de Whiteling lindamente com uma linha principal que vem diretamente dos anos 70 glam. NDX também usa suas influências em sua manga com uma série de passagens crescentes de trompa que aumentam a tensão no estilo soul psicodélico antes dos hits do refrão.

Enquanto isso, a bateria funky e a linha de baixo ao estilo de Moroder, entregue por Amar Grover, envolvem "Religion" em um groove quente e delicioso, que continua a levar a música para o seu clímax emocionante de guitarras crescentes e vocais uivantes. O ritmo é mesmo o rei!

Todas as essas características mostram uma variedade de influencias e conhecimentos da banda, que traz para o público uma faixa multi-gênero, principalmente por conta dos elementos instrumentais.







Postar um comentário

0 Comentários