Elio Sant'Anna Elio Sant'Anna Author
Title: Forgotten Boys volta aos palcos com Chuck na bateria; saiba como foi o festival "Invasão True Rock"
Author: Elio Sant'Anna
Rating 5 of 5 Des:
Foto: Elio Sant'Anna / GDLTudoSobreMusica Com 8 anos na estrada, a Lo-Fi apresenta 8 músicas no show, passando por alguns dis...
Com 8 anos na estrada, a Lo-Fi apresenta 8 músicas no show, passando por alguns discos da banda como Long Hair, Drinks Cold (2014), Surf Is Over God Is Dead (2010).

Lo-Fi
Todas as fotos do show por @LicciardiFotografia / @GDLTudoSobreMusica

Fazendo o bom e velho rock 'n roll, a Lo-Fi passa por gêneros como o Punk, Hardcore, skate, surf, entre outros, mostrando que tem como influência fazer música, muito barulho e apresentar um bom som para quem conhece a banda dentro do próprio show, algo que faz festivais serem toda a diferença na cena underground.

Apesar do último "Love Songs Vol.1" ter sido lançado em 2014, o show não traz músicas dele e conta com letras somente em inglês.

Setlist: 

1 - Naughty/who needs a teacher/to Sophie
2 - Charge Hard 3 - Tequila stroke/surf phase 4 - Purple sage/blessed Wolf/ silver And Gold 5 - Loss/comeback home 6 - Dr. 100 whats 7 - I wish i could be like Allen wood 8 - Surf is over god is dead Conheça Lo-Fi:





Moxine

Segunda banda vista por nós, Mônica Agena traz para o palco a Moxine, seu projeto paralelo que conta com a banda praticamente feminina (com exceção do baterista). Formada desde 2008, no show é possível ouvir e ver ao vivo faixas do EP Electric Kiss (2009) e do disco December  (2012).



Moxine

A banda já tocou em festivais como  MADASe RasgumTendenciesSXSWLiverpool Sound City e a nossa dica de bandas que você deve ouvir.


Setlist:



Setlist Moxine

Conheça Moxine:







Deb and the Mentals

Formada por nomes já conhecidos da cena independente, Deb and the Mentals reúne Giuliano di Martino (Ex-Verônica Kills), Stanislaw Tchaick (Water Rats), Deb Babilônia (ex-Debbie and the Rocketeers) e Guilherme Hipólitho.

Penúltima atração da noite, a banda traz um som regado de influencias dos anos 90, mas num repertório composto somente por músicas autorais, tanto do EP Feel the Mantra, quanto do próximo disco, que deve ser lançado em Janeiro.


Deb and the Mentals c/ Capilé

Apesar de não ter um estilo definido pela própria banda, a prova das influencias serem dos anos 90 está na bateria, na guitarra e, no caso desse show, principalmente em Invisible Twin, quando disseram que seria música do Nirvana e muitas pessoas da platéia realmente acreditaram nisso. A música em questão teve participação do Capilé (produtor da banda, membro do Water Wats e Sugar Kane).

Setlist:


Bleeding Mess Music says to me Old Boots I wanna do It Now Not Waiting Invisible Twin (c/ Capilé, do Water Rats e Sugar Kane) Again Take It Away Feel The Mantra


Conheça Deb and the Mentals:





Depois de bandas como Moxine e Deb and the Mentals, acompanhadas por nós entre um total de 9 bandas até essa parte do show, a décima e última banda, Forgotten Boys com Chuck (Vespas Mandarinas - leia entrevista aqui) na bateria era o momento principal do dia e o mais esperado por todo o público presente no Festival Invasão True Rock, que reuniu bandas de outras edições do evento, para um dia só no Superloft.




Forgotten Boys

Começando por volta das 22h, a banda trouxe num repertório de 1h músicas autorais da banda, faixa do último disco, que só tem covers, além de uma faixa inédita, que deve estar em um próximo trabalho da banda.

Logo no começo, já se surpreendíamos com a pegada forte e intensa de Chuck na bateria, algo que eu não lembro de ter visto nesses anos que o acompanho pelo Vespas Mandarinas ou pelos seus trabalhos no YouTube e Facebook.


Forgotten Boys

Mas não somente ele evoluiu com o passar dos tempos, a banda se mostra estar mais "afiada" e sintonizada do que nunca, nas mesclas entre guitarra, solos de guitarra e até mesmo o teclado que acompanhava todo o trio de cordas mais a tradicional bateria.

Sete anos, esse foi o tempo que Chuck ficou longe do Forgotten Boys, ao menos nos palcos e sua empolgação em assumir o papel de bateria era tanta, mas tanta, que desde dias antes já estava concentrado para um show que ele fez de tudo... Fez batidas simples, mais elaboradas, solos, cantou (em All You See) e tudo num ritmo e batida tão pesados, mas tão pesados, que resultou numa baqueta de sangue, quando se machucou ao quebrar o "Tom-tom", prontamente trocado e dando continuidade ao show, mesmo machucado.




Ainda depois disso, o show seguiu com mais músicas, moshs, moshs e mais moshs, um bis duas músicas e o seguinte setlist, após uma hora de show:


Postar um comentário

 
Top