Uma viagem pelo universo da Trick‘n’Roll marca a chegada do álbum de estreia: ouça Aerochumbo


Trick’n’Roll, projeto do compositor Trick Bernardi, lançou no último dia 18, o primeiro álbum de estúdio, Aerochumbo. Natural de Cachoeira do Sul (RS), mas baseado há mais de 10 anos em Porto Alegre, o artista escalou importantes nomes do rock gaúcho, como Carlinhos Carneiro, Márcio e Pedro Petracco e Paulo Arcari, que inclusive produziu o disco, para o registro das treze faixas presentes no compilado que levou cerca de cinco anos para ser produzido e finalizado. Ouça aqui. Após a divulgação dos singles Gigante, Fibra de Vidro e Pretexto e seus respectivos videoclipes, a canção A Página e a Planta ganha lyric video junto com a chegada do álbum em todos os aplicativos de música sob distribuição da Tratore. Assista aqui. Com uma vasta gama rítmica em sua sonoridade, o disco traz elementos do rock clássico de Rolling Stones, o folk de Bob Dylan e até a psicodelia de Os Mutantes. “Cada música é independente e completamente diferente uma da outra, mas elas se conectam através da abordagem dos registros de estúdio, revelando uma identidade bem peculiar e uma unidade que molda a coisa toda como um álbum. São músicas de vários momentos, algumas com 20 anos do início de sua existência. Sendo assim, o disco é muito diverso tanto em temáticas quanto em estilos”, pontua Trick. O Studio Rock, localizado em Porto Alegre (RS), foi o local escolhido para iniciar as gravações do álbum, em meados de 2016. Paulo Arcari foi o responsável pela produção musical, atuou como parceiro de composição em uma das faixas e também executou alguns dos instrumentos no registro das canções.  “Nesse meio tempo muita coisa aconteceu, por duas vezes tive que fazer longas interrupções no processo de gravação por conta da necessidade de dedicação exclusiva a questões de saúde do meu filho. O disco que inicialmente era um trabalho entre eu e Fernando Félix, acabou virando um trabalho solo, mas continuei seguindo, sessão a sessão, construindo essa obra que hoje tenho orgulho de lançar”, conta Trick.



Faixa a faixa 


Absinto é a faixa de abertura do álbum. Inspirada no destilado à base de anis, a canção que apresenta letra em português e inglês, prepara o ouvinte para a diversidade encontrada ao longo das 13 faixas. “Ela também carrega um certo saudosismo quando fala dos tempos passados quando se vivia experiências fantásticas que hoje são desacreditadas”


Soando como um encontro de Raul Seixas com o blues moderno de Black Keys, a faixa Sinfonia dos Astros vem acompanhada de poderosas frases e solos de guitarra gravados por Ciro Remedio. Embalada em um tom profético, o compositor discorre sobre o universo e civilizações antigas ao longo da letra. “Gustavo Telles é o convidado especial, fazendo o trecho com a ‘voz do profeta’, que explica que esses os nossos antepassados indígenas, atentos à natureza e aos movimentos do firmamento, adquiriram grande conhecimento de matemática e astronomia”.


Fibra de Vidro foi a primeira música do disco a ganhar videoclipe, e conta a divertida história do personagem Ranulfo e de seu amor platônico por um manequim de vitrine. Nascida nas mãos do compositor Lilico Carvalho, a canção foi levada para uma atmosfera latina em seus arranjos a la Mutantes, através desta releitura. Além dos músicos Alexandre Móica (guitarra), Paulo James (bateria), Vicente Guedes (percussão), Rica Sabadini (banjo), a faixa teve a participação especial do filho de Trick, Ravi, com suas gargalhadas ressaltando o tom animado da canção.

Pretexto discorre sobre um romance juvenil não correspondido. A música foi a primeira composição de Trick com o instrumento havaiano ukulele, enaltecido por George Harrison, que é uma das grandes inspirações para a canção. “As texturas e os arranjos guiados pela marcha deste instrumento, carregam o som para um universo espacial, ganhando assim o adjetivo de valsa psicodélica". O tom regionalista é evidenciado por marcantes melodias de acordeon, violão e ukulele. A música foi o terceiro single a ser divulgado com clipe.


A canção mais romântica do álbum vem amarrada de presente na faixa Teu Nome Escrito.  Originalmente um folk, a balada ganhou um novo ar, similar a musicais da Broadway, após o registro nas mãos dos instrumentistas: Luciano Leães (piano), Alexandre "Papel" Loureiro (bateria) e Vasco Piva (saxofone).


Uma viagem sideral sem volta marca os compassos da música A Página e a Planta, sexta faixa do álbum, que foi escolhida como música de trabalho do disco por sintetizar o conceito da obra. A canção fala sobre uma experiência lisérgica, capaz de afinar os véus da realidade e reafirmar o existencialismo do ser humano no vasto universo que habita. “Ela é inspirada na faceta mais acústica do Led Zeppelin, e define a minha parceria musical com o Fernando Felix que inclusive batizou o disco. Esse era o nome que usávamos como dupla, e no título da canção, tem uma referência à parceria também entre vocal / guitarrista do Led: Plant / Page”.


Rosa Choque é uma das composições mais antigas do álbum. Escrita há pouco mais de 20 anos, ela narra um fim de relacionamento e transcende a rebeldia apresentada no tema, em seus arranjos com o mais puro rock ‘n’ roll setentista. Além dos músicos Alexandre Móica (guitarra solo), Luciano Leães (wurlitzer), Lilico Soares (baixo), a composição também contou com a contribuição de Evandro Guedes, companheiro da primeira banda autoral de Trick, responsável também por criar os primeiros acordes dessa canção.


Amor incondicional e genuíno em sua forma mais pura é o tema de Gigante. Ao som do dobro slide e mandolim de Márcio Petracco, a canção escrita para Ravi, é uma narrativa bibliográfica da luta e superação que o filho de Trick passou em sua vida. "Neste ano esse meu anjo partiu pra junto de Deus. Fico feliz de ter tido a chance de o ter homenageado em vida, e ele segue morando comigo pra sempre no maior amor que jamais pude imaginar ser capaz de existir. Hoje os versos finais da canção que eram um incentivo para as batalhas dele, servem de mantra para os meus dias e a promessa que fiz pra ele de que podia ir em paz que eu ficaria bem por aqui". A canção conta com um videoclipe emocionante que reúne imagens da relação entre Ravi e Trick.


Beatlefull Girl evidencia o fato do álbum reunir todo o universo de Trick ao longo dessas últimas duas décadas. Solos apaixonados de guitarra narram uma história de amor. “Foi feita num período onde eu estava completamente imerso no universo do George Harrison, e de alguma forma ele está presente nesses acordes. E John Lennon também botou o dedo dele”.


Com a consagrada participação de Tchê Gomes na guitarra solo, a faixa Chá Azul é mais uma composição de Lilico Carvalho. Envolta em uma atmosfera faroeste na guitarra, a letra também traz um ar aventureiro e narra a experiência da substância utilizada pelo mesmo personagem de Fibra de Vidro, Ranulfo, para se transportar para um mundo mágico de delírios e contos. 


A parceria musical entre Trick Bernardi e Paulo Arcari - proprietário do estúdio onde foi gravado o disco e produtor da obra - foi selada na faixa ao qual mais uma vez Trick bebeu do rock setentista: Urano em Touro. Após ouvir a música pela primeira vez nas mãos do produtor, o compositor gaúcho completou a vida da canção esboçando a letra, o que resultou nesta canção. “Um detalhe interessante desse registro foi a participação do Rodrigo Chaise, que mesmo dizendo que a guitarra slide não era seu forte, executou no take 1 um solo a la George Harrison tão magistral que nós não deixamos ele fazer um segundo take”.


Confusão e falta de sentido era a meta de Trick e seu parceiro Fernando Felix, ao compor Paredes Perfumadas. Mas mesmo com uma variedade intensa de elementos presentes na canção, a dupla não foi convencida de terem atingido o objetivo com a música, Trick revela: “Chamamos então nosso ilustre amigo expert em nonsense Carlinhos Carneiro, que nos ajudou a lapidar os dizeres e também gravou participação de voz”.


Fechando a intensa viagem no mundo de Trick’n’Roll, a faixa Cactus encerra o álbum contando uma intrigante história de revolução das plantas contra os seres humanos. Presentes notas de saxofone intensificam a crítica que o compositor fere à pauta ambiental, cada vez mais ignorada no Brasil.

Postar um comentário

0 Comentários