MUSO SOUP ÁLBUNS #10: Campfire Social, Adam Daniels, Jaimee Harris, Disco Kane, Two Kinds of Light e mais artistas de gêneros como o Country, punk rock, Soul, circense e folk


01 - CAMPFIRE SOCIAL
Mesclando entre o indie rock e folk, "Everything Changed" é o EP mais recente da banda, lançado dia no último dia 19, trazendo ao público músicas aceleradas, calmas, com ótimo instrumental e uma belíssima harmonia vocal.

Em definição da própria banda, o EP leva o ouvinte a uma jornada com a banda, nunca parando para descansar. seja um chamado às armas pelos esperançosos (Everything Changed), um estudo comovente da perda (The subject of Death) ou um adeus à inocência (Wherever You Rest Your Head).

O EP Everything Changed leva você de temporada em temporada, passando por praias, casas antigas, campos de esperança e terras desoladas. Aproveite o passeio.





02 - CAPITANSAM
Trazendo elementos instrumentais do Jazz e R&B, unido a um vocal típico do Soul, eles lançaram ano passado o EP "It Is What It Is", com 3 faixas que apresentam com maestria toda a versatilidade de um vocal, hora rasgado, hora suave, a instrumentos de metal até mesmo mesclando piano com solos de guitarra, como na faixa-título. 

Em breve será lançado um álbum de 12 músicas, com músicas de vertentes como rock, pop, jazz, blues, disco, motown e latim.

Ouça o EP abaixo:




03 - PLASTIC HANDGUN
Lançado em Maio, esse álbum nos traz sete faixas, que trafegam principalmente pelo experimental, dreampop e shoegaze. 

Criando música por mais de 10 anos, seu som mudou da eletrônica experimental para o rock mais estruturado. Depois de uma série de EPs e lançamentos digitais, o LP Involuntary Memories 2015 marcou esse ponto de virada, combinando gêneros e camadas de sons para criar um todo hipnótico. 




04 - ADAM DANIELS
Lançado no último dia 19, o EP "A Damaged Soul's Redemption" apresenta ao público um leque de estilo, trazendo influências instrumentais dos anos 80 (seja pelos beats ou pela mescla entre eles e os sintetizadores), vocais mais voltados para o pop, além de passar por estilos como o eletrônico.

A narrativa do EP encapsula aqueles que carregam uma bagagem emocional nos ombros. Às vezes fazemos coisas, nos comportamos de uma maneira particular ou nos apegamos a pensamentos que não deveríamos, o que nos leva a um lugar problemático, mas essas músicas nos lembram que há luz na escuridão e tem como objetivo espalhar uma mensagem de ter esperança.




05 - BRAW
Depois de divulgarmos o single 'Whiskey in Hand', agora mostramos a vocês o disco "A Few Miles More", que traz ao público 10 músicas autorais, com elementos da cultura inglesa, do indie e do pop rock como estilos principais... Trazendo instrumentos como violino e piano, unidos a uma belíssima harmonia vocal do duo.

Confira o álbum completo abaixo:




06 - SUNNY
Recentemente a artista Sunny lançou seu EP intitulado "Mournings", onde trafega principalmente pelo R'n'B e Soul, ao longo de 4 músicas em aproximadamente 13min.

Sobre o EP, a artista comenta: "Mournings é um álbum inteiro que reflete sobre si mesmo. Era eu falando comigo, quebrando velhos hábitos, me construindo e encorajando a versão menor de mim mesma a entrar nos desejos do meu coração. Algumas faixas eu alivio minha dor, algumas faixas eu
me imagine como o gigante que sempre quis ser".


07 - BANEFUL TOWN
Baneful Town estreias nas plataformas de streaming com um álbum homônimo, onde trabalham em turno de um som mais cru, numa performance que trafega por gêneros como o indie e o folk. O grupo se define como um projeto experimental de cantores/compositores, unidos por canções de amor bêbadas.
 
Na primeira trinca de músicas, podemos ver que o álbum tem como principal característica um som calmo, seja pela voz, violão ou pelos riffs feitos com maestria, e que encaixam perfeitamente com o dueto de 'Let's Make It', mas também ao mesmo animado, como a questão instrumental e o vocal acelerado de 'You and No One Else'.

Ouça abaixo:




08 - SOL DJANGO
Com 12 músicas em um pouco mais de 30 minutos, "1839" é um álbum conceitual, que conta uma história passada Londres vitoriana e apresenta influências na música circense, caso da faixa de abertura, além de outros elementos da cultura britânica e de outras vertentes musicais, como instrumentos de sopro e em fixas como 'City Of Mine' se voltando mais para o folk.

As histórias por trás do álbum foram retiradas de fatos reais do The Examiner e teve influências de artistas como Tommy (The Who), Ogden's Nut Gone Flake and Oliver Twis.




09 - JAIMEE HARRIS
No começo do EP eu já soltei um "Caralho, que vozeirão é esse!!" para 'Damn Right', que assim como as outras músicas, faz parte das suas faixas mais solicitadas e daí saiu a ideia de lançar "The Congress House Sessions" totalmente acústico.

7 músicas que ultrapassam 30 minutos de uma voz que consegue ir de tons impensáveis a um vocal mais calmo e sussurrante de um momento para outro, sem perder a harmonia com o violão e também trazendo belíssimos backing vocals no início de faixas como 'Creatures'. 

Não à toa ela está sendo chamada por muitos como "A próxima rainha do Americana-Folk" e vocês podem ver o motivo disso abaixo:



 
10 - RADIO SILENCE
Lançado hoje, o novo EP da "Radio Silence" reúne todas as suas músicas divulgadas até agora, além de 'Repo Man' e 'Isolation'. As faixas inéditas falam sobre temas atuais como a alienação em meio a tecnologia e a pressão imposta pela indústria das dívidas.

Sendo característica da banda, o EP apresenta guitarras distorcidas, baixo em destaque, uma mescla entre punk rock, surf music e o classic rock dos anos 50/60.

Ouça cada uma das faixas abaixo:



11 - ALÉ
Lançado no começo de Março, "Omnipresente Part I", é o disco mais recente da banda. Bem extenso em comparado a diversos discos lançados atualmente, o álbum apresenta 14 músicas em um pouco mais de 1h30, mesclando vertentes do rock como o progressivo na instrumental 'Falling', o post-alternative-rock em 'Eternal', o indierock em 'Spiritual Refinement' e até mesmo pelo blues, como nos riffs de 'Black Ocean', além de passar por gêneros como o eletrônico/synth em 'The Rise'.




12 - DISCO KANE
Já em Fevereiro, a disco Kane lançou "Hollywood", um EP que, apesar deles serem da Cidade do México, o álbum é todo cantado em inglês. Trazendo influências de artistas como Red Hot Chilli Peppers (caso da faixa-título) seja nos riffs da guitarra ou entonação vocal em alguns trechos. Em 'Down For It', eles trafegam por estilos como o indie rock, mas também mostram um leque de variedades, passando pelo disco e até mesmo pelo hip-hop, num EP que pode conquistar o público de diversas vertentes.

Ouça o EP abaixo:




13 - TWO KINDS OF LIGHT
No final de Fevereiro, foi lançado o álbum "The Big Sky", que apresenta oito músicas, trafegando por estilos como o Country (presente no vocal e slides da faixa-título) e se mantendo como gênero principal do álbum, apesar com o classic rock e vermos riffs/solos clássicos do blues.

O álbum Big Sky é inspirado em histórias que vão desde alguns anos, até mais de 100 anos. As próprias gravações são, na verdade, o culminar de dez anos de esforço. O resultado: contos vintage criados ao longo do tempo com Plexi-Marshalls, guitarras e bateria nos estilos dos anos 50 e 60, cantados com uma voz mundialmente cansada e preparados com perfeição com um ouvido voltado para a estética da era Harvest.




14 - PENA HUGHES-JOHN
O artista está de volta ao site, agora com o  EP "Without a Care", lançado no começo de mês que traz ao público quatro músicas. 

A faixa-título do EP, foi retirada do álbum"Ghosts of My Past" e escrita no início da pandemia, tendo ela mesma como tema da música, voltada para um estilo mais rock, com baixo destacado e um instrumental muito bem executado, com destaque para o solo na parte final. Já 'I Told You So' faz uma mescla entre o pop e folk, trazendo violino e um belo jogo de vozes, para uma faixa mais dançante.

Embora as restrições de bloqueio estejam em vigor, não houve diminuição no processo de criação de música. Graças ao estúdio de gravação que ela usa para ser 'Covid-secure', Pena tem sido capaz de continuar trabalhando em seu álbum seguinte, bem como lançamentos de EP.

Ansiosa para romper com o 'estereótipo do tocador de Ukulele', Pena encontra maneiras de o Ukulele se encaixar em muitas de suas canções. Frequentador assíduo dos Festivais Steampunk, bem como dos Open Mics na região de Surrey e arredores, Pena está ansiosa para "voltar ao circuito" assim que o bloqueio for facilitado.

Além de seu trabalho solo, Pena tem trabalhado recentemente em colaboração com um compositor musical em um projeto separado. Como uma artista com 'vários pratos no ar', Pena tem se mantido extremamente ocupada escrevendo o trabalho lírico na joint venture, bem como escrevendo novas canções para seus projetos solo.


15 - CHAMPAGNE
Em Fevereiro, eles lançaram o EP homônimo, como estreia da banda, trazendo ao público 5 faixas, além da intro tocada numa moog e feita para navegar o ouvinte para o universo da banda e viajar por cada um das músicas do EP. Pelas outras faixas, temas como redes sociais, amor, Millenials e saudade.

Entre as suas principais influências, artistas como Pink Floyd, Tame Impala, Arctic Monkeys, The Beatles e podemos ver isso com clareza em faixas como 'Romantic Robbery' e 'Tip Toe'.




Esta matéria foi criada via Musosoup, entenda mais aqui: #Sustainablecurator