Elio Sant'Anna Elio Sant'Anna Author
Title: Em turnê comemorativa, Legião Urbana mescla primeiro disco com hits e participações durante show em São Paulo
Author: Elio Sant'Anna
Rating 5 of 5 Des:
Neste Sábado (07/11), os remanescentes da Legião Urbana se apresentaram no Espaço das Américas, localizado na Zona Oeste de São Paul...

Neste Sábado (07/11), os remanescentes da Legião Urbana se apresentaram no Espaço das Américas, localizado na Zona Oeste de São Paulo.

Primeira grande turnê que leva o nome da banda, desde a morte de Renato Russo, a Legião Urbana XXX Anos, homenageia o primeiro disco da banda, além de passar por grandes hits do grupo, no segundo bloco do show.

Com ingressos esgotados, Legião Urbana se apresentou em SP
(Foto: Rogério Avelino)
Com turnê iniciada dia 23/10, em Santos, o sexto show começou por volta das 23h, após o combinado, mas se tinha alguém incomodado com o pequeno atraso da banda, com certeza nem se lembrou mais após os primeiros acordes de Será, música que abre o primeiro disco da Legião.

Segunda música do show, André Frateschi comandava com maestria A Dança e junto com Dado Villa-Lobos, cantava uma música pouco tocada ao vivo por Renato Russo, dando oportunidade para fãs da época (que não viram) e fãs mais novos ouvirem ela em um show da banda.



Tocando as primeiras músicas sem pausa, o show seguiu com Petróleo do Futuro, emendada com Ainda É Cedo, uma das poucas que deram oportunidade para o baterista Bonfá também assumir o vocal.

Executando as músicas na ordem do disco homônimo, o primeiro bloco é praticamente um Lado A da Legião, mostrando toda a boa química que estava tendo entre André Frateschi, Dado, Bonfá e a banda, uma pequena amostra disso pode ser vista em O Reggae. que passava pelo vocal de Frateschi, assim como por trechos instrumentais ditados pelo baixo e pelo guitarra.


Já encaminhando para o fim do primeiro bloco, que foi tocado o primeiro disco da banda, Frateschi se mostrava estar cada vez mais a vontade no palco e na interação com o público. Em Soldados, Dado e Frateschi simularam um combate, já em Por Enquanto, ele apontou o microfone para os fãs, que se encarregaram de acompanhar a letra do começo ao fim.

Durante um intervalo de 3 minutos, antes de começar o segundo bloco do show, foi exibido uma gravação de Renato Russo, que diversas vezes fazia isso com seu gravador no quarto, algo que pode ser visto no filme que conta a história da banda, até começar a fazer todo o seu sucesso.


Nessa gravação ele falava sobre a rotina da Legião Urbana 'Aeroporto-hotel-show-hotel-aeroporto, gravações, entrevistas, fotos, filmagens', também falava que sempre que perguntavam a eles se gostavam de tudo isso, a resposta era 'Sim', porque faziam o que gostavam e é isso que importa, também foi falado sobre as letras da Legião, que não é questão de ser rebelde, ou ago do tipo, mas sim de estar falando sobre coisas que se viam rotineiramente e que ainda podem ser vistos em nosso país trechos de música como que Que País É Este, A Dança e outros. O detalhe de toda esse gravação feita por Renato Russo é que ela foi feita antes mesmo do lançamento do primeiro disco, se tornando uma verdadeira profecia do que se tornou a banda e o sucesso que ela adquiriu.

Foto: Rogério Avelino
O segundo bloco do show foi dividido entre músicas com a formação da banda e participações em algumas faixas, a primeira delas foi a participação de Liminha (Guitarrista d'Os Mutantes, Caetano Veloso, Gilberto Gil e outros), que disse estar com muito orgulho por tocar com a 'maior banda do Brasil', após isso ligou sua guitarra e tocou, enquanto Dado e Bonfá dividiam os vocais de Tempo Perdido.

Foto: Rogério Avelino
Vencedor do concurso "Legionário por um dia", feito pelo fantástico, o fã Fabiano dominou o vocal de Conexão Amazônica, que não tremeu, mesmo ao lado de Dado e Bonfá, colocando todo o seu vozeirão para fora (e que vozeirão), sendo, dentre os três, o que para mim teve a melhor performance.

Marina Franco, que subiu ao palco, junto com o guitarrista de sua banda formada no Rio de Janeiro, é convidada para participar de todos os shows (até momento marcados) da turnê que se encerra Dezembro, em Cuiabá e cantou Dezesseis, música que pouco tocada por Renato Russo ao vivo.

Outro artista convidado a participar da turnê comemorativa é Jonnata Doll, vocalista e fundador da Jonnata Doll & Os Garotos Solventes, diversas vezes divulgada por Dado, que indicava o público a pesquisar e ir um show deles, pois era 'diversão garantida', isso foi visto numa performance louca de 1965 (Duas Tribos), que foi até para a grade, cantar com o público.

Foto: Rogério Avelino
Há aproximadamente 15 anos, Dado havia sido convidado para participar de um projeto no qual seria um dos vocalistas, aceitando o convite de Rodrigo Amarante. Agora foi a vez de Dado convidar Rodrigo para um projeto: Participar do show da banda preferida dele, a Legião Urbana.

Com as mãos no bolso, Rodrigo Amarante cantou Monte Castelo e Quase Sem Querer. Após as duas músicas, ele admitiu 'Estou bem nervoso, hein!'.

Dado anunciava "A próxima música foi feita há aproximadamente 27 anos, para nossos filhos, netos... Agora parte disso vai participar dessa música". Sem Frateschi, Pais e Filhos teve Nico (filho de Dado, que interpretou o pai no filme 'Somos Tão Jovens') na guitarra, e João Pedro (filho de Bonfá) na bateria, e teve o trecho 'Você culpa seus pais por tudo, isso é um absurdo' cantado por seu pai, no olho a olho.

Foto: Rogério Avelino
Abrindo o bis, Dado anunciava: "A próxima música é tocada em Sol (acorde), mas numa letra muito complexa, começando Faroeste Caboclo, cantada e interpretada por Andre Frateschi, que usou sua experiência como ator para incorporar o João de Santo Cristo.

Depois dela, achei que não teria mais show, pelo tamanho da música e a energia que ela gasta de quem está tocando ou incorporando o personagem. Engano meu, o show seguiu com mais uma participação de Rodrigo Amarante, que pulou um trecho da música Índios, mas algo aceitável dentro uma participação em uma música de letra também complexa.

Uma das músicas mais agitadas e contestadoras da Legião foi deixada para o fim do show. Dedicada ao Rubens Paiva, dado como como desaparecido durante a ditadura militar, em 1971 e com seu assassino sendo identificado somente ano passado, durante a Comissão Nacional da Verdade. A música também foi dedicada, em tom de ironia, para o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), que há alguns dias suspendeu a ação que tramitava na Justiça Federal do Rio de Janeiro contra militares acusados de homicídio e ocultação de cadáver do ex-deputado Rubens Paiva

Fechado o show, a última música Que País É Este, e o setlist foi o disco Legião Urbana e as seguintes músicas:



Postar um comentário

  1. Adorei o texto! Resumiu muito bem o show, com a alma de um fã. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito feliz com o elogio. Vania. Vejo que atingi o meu objetivo de resumir cada detalhe do show, mas sem ficar algo muito extenso.

      Feliz que tenha gostado e comentado, já fica convidada a conhecer mais o site e as resenhas feitas por mim

      Abraços

      Elio

      Excluir

 
Top