MUSO SOUP ÁLBUNS #34: Uni, M.A.G.S, Tigermask, Nick I Am, Nother, BKR e mais novidades voltadas para o Rock, Indie/Folk, Eletrônico, Hip-Hop e instrumental; Conheça-os aqui!!

01 - THIAGO TROSSO
Radicado em Londres, o brasileiro Thiago Trosso está de volta por aqui com divulgação do álbum "Saying Yeah", em todas as plataformas de streaming desde o final de Julho.

Com 11 faixas, ele mescla por estilos como o indie folk, elementos do country, dream/power pop, da bossa nova e outros toques que dão a sua carreira solo uma sonoridade totalmente diferente do apresentado pela clássica banda de Ska Abraskadabra. 

"Saying Yeah" é uma compilação de uma série de faixas que Thiago Trosso criou para figurar em trilhas sonoras de filmes e séries. Aproveitando o tempo livre imposto pela pandemia, Thiago construiu um impressionante catálogo de mais de 100 músicas em apenas um ano

De maneira DIY, ele combinou seu amor pela música alternativa e pop com suas habilidades de multi-instrumentista e produtor, criando melodias, arranjos, além de também ser o responsável pela mixagem e masterização em seu estúdio caseiro.

O álbum completo pode ser ouvido abaixo:





02 - EMMA HUNTER
Depois de aparecer em nossa lista de singles, eles estão de volta com o EP "Here I Go", lançado em Agosto nas principais plataformas de streaming.

Com quatro faixas, eles conseguem mesclar diversas vertentes dentro do rock ao passar pelo rock alternativo, uma sonoridade mais cinquestista, elementos de guitarra do surf e de vocais tanto do dark quanto do cinemático, que mostram toda a variedade artística de composição por parte do duo.

Neste trabalho, eles exploram uma sonoridade sombria, incorporando loops e harmonias vocais com guitarras vintage inspiradas no flamenco e baterias complexas.

Fechando o EP, temos Window’, sobre a persona que a maioria das pessoas retrata na tentativa de encobrir como realmente se sentem. Os vídeos são um elemento importante da música e vocês podem ver alguns deles abaixo (confira mais no YT):



Já o EP. está aqui:



03 - UNI
É o codinome da cantora, compositora e produtora Christina Borenstadt, que no último dia 20 lançou seu trabalho de estreia, intitulado "The Mountains Inside" e que apresenta ao público cinco faixas.

Com uma sonoridade voltada o indie rock unida a elementos do dream pop, liricamente ela traz um trabalho interessante, apresentando um retrato íntimo e subjetivo de uma jornada interior de descoberta, com vocais destacados sendo entoado, as vezes se contrapondo com as guitarras do dream pop ou sintetizadores que deixam a paisagem sonora sonhora, espacial e riquíssima dentro de um trabalho que Uni mostra toda a sua influência musical e vocal de nomes como Bat for Lashes, The Chromatics e The Cranberries.

O "Mountains Inside" começa com a música "Loving in the Distance", que é sobre o desejo de se conectar com alguém que está fisicamente próximo, mas emocionalmente indisponível. Além disso, também passa por temas como submeter-se à transformação, intuição, esperança e sobre sentirmos uma conexão dentro de nós mesmos.




04 - M.A.G.S
Lançou durante o mês de Agosto o álbum "Say Things That Matter", sendo o primeiro desde M.A.GS. divulgado em 2017.

Com 14 faixas em quase 40min de duração, ele apresenta uma sonoridade essencialmente indie rock, com guitarras enérgicas, vocais acelerados e backing vocal muito bem encaixados tanto com outros elementos de vozes, como instrumentais.

Além do indie rock, ele passa pelo pop, com toques de um rock mais alternativo principalmente por conta de algumas guitarras pesadas que podem ser percebidas ao longo do álbum, como em 'Wait', faixa escolhida para ser single e receber videoclipe que pode ser assistido abaixo. 



O álbum com influência de indie rock é uma coleção de quatorze faixas, incluindo singles de sucesso / favoritos dos fãs "Choked Out" e "Beg". De faixas centradas no rock como "Wait" a relaxantes como "Beg" e as melodias suaves em "Staircase" e "Sunrise".

Confira:




05 - TIGERMASK
É um artista londrino que aparece pela primeira vez no site com o álbum "Cocoon", segundo capítulo de uma trilogia de álbuns conceituais e que dá sequência a "Ovum".

Liricamente, a  história que sustenta a trilogia é baseada em eventos reais e segue o declínio do estado físico e mental do protagonista após um período de quase uma década de doença e isolamento. Onde Ovum contou o início quase diário desse declínio, Cocoon adota uma abordagem mais cinematográfica, borrando as linhas da minha própria história de vida com o tipo de ficção que se poderia esperar emergir da imaginação sem limites da mente solitária. Capturando a negação, ansiedade, perda de identidade e a inevitabilidade de enfrentar a verdade feia que fica entre o fundo do poço e a salvação.

Musicalmente, o artista passa principalmente pela sonoridade folk (destaque para instrumentos como a gaita), além de passar também por elementos de outros gêneros como o psicodélico, power pop e uma instrumentalidade clássica das raízes nórdicas. 

"Estou em uma busca para terminar uma trilogia de álbuns conceituais de histórias baseadas em meu próprio inferno pessoal, na esperança de talvez fazer algumas pessoas solitárias no mundo se sentirem um pouco menos solitárias", comenta o artista em release oficial.

Este e o álbum anterior pode ser ouvid no Spotify do artista:




06 - NICK, I AM
Beats clássicos da sonoridade eletrônica, mas que passam pelo pop e até mesmo por um toque de hip-hop (ainda mais com os vocais acelarados), estão presentes em "Jump", EP revelado na última sexta-feira em todas as plataformas.

Apresentando também elementos do pop comercial e latino, as faixas não somente batidas interesantes e dançantes, ao liricamente abordar temas de identidade, amor e felicidade, com a artista andrógena trazendo temas importantes para melodias contagiantes, ritmos hipnóticos e texturas ousadas em cada um das suas músicas.




07 - GUEST OF RAPTURE
É um artista de formação voltada para o metal/punk e que traz uma sonoridade mais pesada para o EDM, dentro do álbum "Egor6: Scream", revelado nas plataformas de streaming há quase um mês.

Sendo um trabalho extenso, ele apresenta 13 faixas ao longo de 50 minutos, msclando a sonoridade eletrônico do EDM e dubstep a elementos instrumentais de sua formação, transformando o trabalho em um estilo único de audição. 

Essa mescla de gêneros está dentro de um trabalho que pode ser ouvido abaixo:




08 - NOTHER
Segue uma sonoridade eletrônica, porém beeeeeeeeeeem mais calma que outros trabalhos da lista, de instrumental suave, com sons de reflexão em muitas das faixas do álbum "Future is Bright", lançado nas plataformas de streaming em Julho.

Musicalmente, o artista tem a capacidade de ser envolvente, mas ao mesmo um calmante para o ouvidos e mente de quem conhece e ao mesmo tempo admira seu trabalho de teor sonoro perfeito e que certamente terá um produto final ainda melhor quando acompanhado com fone/caixa de grande qualidade, com uma sonoridade que capta um tom initmista, reflexivo e até mesmo esperançoso.

O trabalho passa pelo indie/dreampop, eletrônico, cinemático, ambiental e outras vertentes que mostram toda a capacidade criativa do álbum que pode ser ouvido abaixo.




HIP-HOP
09 - BKR
 
Diretamente de Fresno, ele traz o equilíbrio perfeito entre um novo som underground e o old school com o álbum "Dirty Money Clean Hands", revelado há quase um mês em todas as plataformas de streaming

Considerado pelo artista como EP, o álbum apresenta 7 músicas em meia-hora de uma viagem com melodias cativantes, beats envolventes, samples de outras faixas conhecidas, rimas aceleradas e uma linha vocal que se encaixa perfeitamente com a bateria dominada por K. Pizzle. 

"A ideia por trás deste projeto era criar uma sensação corajosa, o som neo-boom bap. Contar histórias, jogos de palavras, metáforas e piadas estão sempre no centro do trabalho de BKR. Essas faixas foram escritas com conceitos profundos, mas apresentados de uma forma que pode ser facilmente compreendida pelo ouvinte", comentam eles em release oficial.

Neste trabalho, eles passam pelo hip-hop político e rap. Vocês podem ouvir o álbum  completo abaixo:



INSTRUMENTAL/CINEMÁTICO
10 - AT SWIM

Grupo de Londres que recentemente lançou o álbum "SE18", feito como uma homenagem a área onde cresceram, na própria cidade londrina.

Neste trabalho, eles apresentam uma sonoridade instrumental que passa pelo cinemático e ambiental, ao longo de 15 músicas, trazendo para o público ouvinte um riquíssimo leque de instrumentos, como o baixo destacado em 'Tide and Time' ou o teclado/piano que podemos ouvir na relaxante 'Oxleas' ou a sonoridade ambiental e com elementos orgânicos dentro de 'Canvey Island'.

Se você admira o estilo, pode ouvir o álbum completo:


Postar um comentário

0 Comentários