MUSO SOUP SINGLES #32.3: Josh Holmes, Momoko Rose, Mae Krell, Lia D'Sau, KC, Dwowdo, GC, Oli Morris e outros artistas com novidades Indie, Country, Pop, Eletro e mais; Ouça-os aqui!!

INDIE
01 - DUST MONK 
Diretamente do Reino Unido, eles estão em nosso site pela primeira vez, com o single 'Choppy Waters', revelado pelo duo nas plataformas de streaming no último dia 30.

Para este trabalho, eles se juntaram com a Jacaranda Records, gravadora do emblemático pub onde os Beatles passaram, em Liverpool.

Com uma sonoridade interessante, passando por um indie rock psicodélico, liricamente falam sobre pessoas que escolhem um caminho mais difícil na vida quando um caminho mais fácil está disponível há muito tempo. 

Com um futuro brilhante pela frente, a banda tem um álbum digno de material matador e está em ensaios.



02 - CHRISTINE SAKO
Aparece pela primeira vez no site, com o um single lançado nas plataformas de streaming há um pouco mais de um mês e vocês irão ouvir e conhecer abaixo.

'Seasoned' é uma faixa que flerta entre o indie e elementos pop como o eletrônico e o synth ao falar sobre o processo de conhecer alguém nos estágios iniciais de um relacionamento e querer dar mais de si mesmo quando a outra pessoa está envolta em apreensão e insegurança. Trata-se de disposição e paciência e não querer nada mais do que que a outra pessoa se sinta confortável e, eventualmente, chegue na mesma página. O significado subjacente do título é a natureza cíclica desse processo e ter que passar pela mesma situação repetidamente, alinhando-se com as estações quase como um relógio.

Depois de navegar por composições com violão e abrir shows do Paramore em seu auge, a artista resolveu experimentar outro sonoridade, sendo a artista DIY que é a responsável pela guitarra, voz, bateria, teclas, baixo e qualquer coisa que ela não precise soprar.



03 - SOMNUM YÜTH
É uma banda de Washington com três singles lançados desde sua estreia ocorrida neste ano. Um deles é 'Everything We Wanted', lançado final de Maio.

Neste single, eles apresentam um contraste em relação a faixa anterior e busca capturar uma sonoridade mais otimista, com uma linha de guitarra do dream pop e elementos do surf e de vertentes do indie, mas sem perder sua identidade melancólica de composição.

A música é sobre como encontrar o amor ideal em alguém, apaixonar-se um pelo outro e tentar fazer as coisas funcionarem enquanto as lutas do mau tempo e as interrupções do passado atormentam exatamente o que antes parecia perfeito demais para ser verdade. A dura realidade eventualmente atinge que não importa o quão alto esse sentimento o leve, você sabe que nunca mais se tornará aquilo que um dia foi tudo o que você queria.

"O single foi gravado em nossos estúdios caseiros em meio ao caos causado pela pandemia. Como os membros da nossa banda estavam espalhados por todo o país trabalhando remotamente, fomos capazes de produzir essa música quase inteiramente online, enviando arquivos para frente e para trás e colaborando principalmente com zoom e facetime para transformar essa música no que ela se tornou hoje", comenta a banda em release oficial.

Confira abaixo:


04 - ALESSANDRO CABRINI
É um cantor, compositor e produtor italiano que começou a lançar seus trabalhos há cerca de três anos em Junho revelou a faixa 'Sunny Days' para o público ouvinte.

Neste trabalho, ele tenta uma nova experimentação musical ao ir para um caminho principalmente indie rock, seja por conta do estilo vocal ou instrumentação, que ainda flerta com o rock alternativo e a sonoridade do dream pop, trazendo influência de nomes como Blink-182, The Strokes e Arctic Monkeys, em um single DIY feito com bedroom pop.

O contexto de composição é um rompimento que fez o artista explodir de emoções e, apesar de não ser tão ligado com o rock no quesito de composição, desta vez nasceu como algo natural que veio realmente do sentimento do artista na época. A música também é sobre aceitar o mal que vem com o amor, pois no final das contas “o que é amor sem um pouquinho de sombra”.



FOLK/COUNTRY
05 - FRANK NICOLAS
É a grata surpresa de nossa lista de hoje, principalmente por ouvir a faixa algumas vezes e cravar ela ser alguém norte-americano, mas ao ler o release, ficar feliz e surpreso em ver o nome Zaandam, Netherlands.

Trazendo uma sonoridade que passa principalmente pelo country, além do americana e elementos do folk, a faixa foi gravada em seu estúdio caseiro e fala sobre a jornada de um homem pela vida e como encontrar a paz interior por meio da reflexão. 

A faixa pode ser ouvida e admirada abaixo:



06 - JOSH HOLMES
O artista britânico está de volta ao site, um trimestre depois do lançamento de 'Can't Stop Thinking About You', faixa responsável por se introduzir ao público brasileiro.

Agora ele aparece com 'Picture Perfect', uma balada emocional sobre como criar aquela imagem perfeita da vida em sua cabeça sobre alguém com quem você gostaria de passar o resto de sua vida, mas sem saber se gostarem de você dessa forma. Este é o terceiro trabalho de uma sequência de sete a serem lançados ao longo de 2021.

Você já sonhou com sua vida perfeita? Encontrando aquela pessoa perfeita? Imaginando todas as pequenas coisas que só existem em um mundo de sonho? Josh Holmes 'resume todos esses pensamentos com seu último single ‘Picture Perfect’, onde apresenta um piano suave e a seção de cordas apoiando esta balada dirigida por vocais, de amor não correspondido.



07 - NICKY PHILLIPS
Começou sua carreira neste ano e em Junho revelou seu segundo single, intitulado 'Change'. Neste trabalho, ela apresenta um som intimista de voz e piano, trazendo uma sonoridade calma e relaxante para o ouvinte, mas que tendo também um crescimento não somente de tons vocais, como de intensidade de instrumentação por trás do lirismo da música.

Em 'Changes', ele fala sobre os pensamentos e sentimentos que perduram depois que alguém deixa um relacionamento. Muitas vezes, ao invés de fechar a porta naquele capítulo da vida, optamos por deixar a porta um pouco aberta, caso eles mudem de ideia e voltem para nós.

A música é a segunda faixa a ser lançada em seu próximo EP e foi feita com o produtor canadense Joel Schwartz. Além do piano, podemos notar também uma linha de guitarra e bateria muito bem mescladas com os teclados executados, em um single que apresenta um belíssimo refrão que pode ser ouvido abaixo.



08 - MOMOKO ROSE
Com descendência asiática, nascida no Reino Unido e vivendo na Austrália, Momoko é uma artista que aparece no site hoje pela primeira vez com a faixa e videoclipe 'Humans Weep', lançado nas plataformas em Maio e que descobrimos recentemente.

Tendo uma sonoridade que mescla entre o folk e vertentes do soul, o videoclipe apresenta uma obra-prima cinematográfica dirigida por Jesse Leaman (Didirri, The Pierce Brothers) com fotografia de Carl Allison (Tones and I) e que mostra a transição da Rose de uma donzela country do século 19 para uma E-girl legal enquanto se apaixona por um garoto-computador, que tem um velho Apple Computer como cabeça.

O videoclipe aborda os temas explorados na música, incluindo o trauma familiar atual e as revelações inquietantes que são descobertas de circunstâncias maternas distantes do passado. Sempre sem medo de discutir questões cruéis de emoção, por meio da avaliação e aceitação de sua infância e do infeliz colapso familiar resultando em dificuldades financeiras, Rose deu à luz ‘Humans Weeps’, uma teia de miséria construída por construções sociais e conflito existencial.

No release oficial, ela comenta sobre a música: "Eu escrevi esta música no que foi as consequências de um conflito familiar extremamente opressor, que causou uma mudança completa de paradigma em minha perspectiva de vida. Foi um sentimento surreal porque, embora eu tivesse clareza e me sentisse melhor do que desde que nasci, também pensei verdadeiramente que não poderia sentir ou perder mais do que já sentia na época".



09 - MAE KRELL
Um pouco mais de um mês depois, a artista norte-americana está de volta ao site, com 'colorblind', seu terceiro single lançado em 2021.

Trazendo uma faixa pop, mas que também apresenta elementos instrumentais do folk, a faixa foi escrita e composta durante a quarentena e liricamente trás uma primeira paixão que resultou em relacionamento e também lamenta o fim dele.

Sendo um trabalho harmônico muito bem construído, ela apresenta uma linha suave de guitarra, muito bem mesclada com um  vocal relaxante, mas também envolvente e uma bateria esparsa, vocês podem ouvir a música logo a seguir.



POP/ELETRO/DANCE
10 - LIA D'SAU
Fazia tempo, mas voltamos a apresentar artistas de Israel com a compositora e cantora de apenas 18 anos e que lançou, há quase dois meses, a faixa 'Manboy' nas plataformas de streaming.

Não somente nessa música, como em outras, ela tenta falar sobre seus pensamentos, feminilidade, relacionamentos e questões sociais com maturidade e curiosidade, usando a música como seu kit de debate e de como abordar assuntos também delicados de se falar sobre. 

'Manboy'' é a primeira faixa do próximo EP de estreia de D’Sau, produzido por seu colaborador Midi Jones e foi escrita quando ela terminou com um cara que estava saindo e, no meio de uma conversam, ela inventou o termo manboy, para pessoas do gênero masculino que ainda não tem atitudes de homem de fato.

Essa faixa acabou se tornando uma forma terapêutica de encerrar o ocorrido e vocês podem ouvir abaixo:



11 - KYLIE ROTHFIELD
Quase dois meses, a artista norte-americana está de volta ao site, com a faixa 'Ghost', que também é o nome de eu EP mais recente, lançado em 2 de Julho.

Neste single, ela flerta entre o pop contemporâneo e elementos cinemáticos, para unir sua belíssima vocais a instrumentais emocionais (ainda mais com o acréscimo das cordas) em uma letra tão emocionante quanto que fala sobre o amor perdido e a sensação de se afogar em um vazio.

Co-escrito com o incrível Ester Dean, Ryan Tedder e Shane McAnally, a faixa pode ser ouvida abaixo:



12 - SAINT IDIOT
Com o nome real de Tomáš Andel, Saint Idiot é um artista de Edmonton/Canada e que apresentada uma sonoridade voltada para o eletropop unido a elementos oitentistas em seu single 'Warp & Left', presente no álbum "Alternate Utopias from a Nostalgic Future" e que aparecerá por aqui em breve.

Na faixa repleta também de experimentos e psicodelia, ele liricamente fala sobre como nós naturalmente nos entrelaçamos com as pessoas que nos cercam. 

Sua construção musical é inspirada por nomes como Björk e Bowie, além de uma gama de generos como a música ambiente, por exemplo. Já sua estética é inspirada na iridescência pastel de artistas como Julian Glander e Cobysoft Joe, e lida com a tensão entre o fantasma, o digital sem toque e o corporificado. Como tal, ele mantém deliberadamente pelo menos algumas raízes firmes no solo rico, preto e vivo.

Confira o trabalho do artista, pelo Youtube:



13 - KC
É outro artista que está de volta ao site após um período. No início de Junho foi revelada nas plataformas de streaming seu quinto single de uma era musical intitulado "Just Desserts".

'Phase Me' é o nome dessa canção composta sobre seu próprio reflexo como artista e de coisas que foram superadas por ele.

O motivo da música é explicar a leveza de passar por mudanças dolorosas e como superar as provações nos torna mais fortes e isso se torna ainda mais leve com a sonoridade que passam por um synth/eletropop, elementos do dreampop, mas também do house, com uma vibração tropical e relaxante que guia os ouvintes ao longo da música.

Cada música de seu atual New Era Music Project gira em torno de amor disfuncional, superação de adversidades, auto-estima, relacionamentos tóxicos e o ideal do carma.

Ouça uma delas abaixo:



14 - HASITHA GUHAN
É a dona de um vocal envolvente e que consegue mesclar entre tons baixos e altos, mostrando um trabalhando excepcional por parte de sua voz na faixa 'Closure' seu trabalho de estreia, aos 18 anos e revelado nas plataformas de streaming no final de Junho.

Para um trabalho de estreia, a artista está impecável ao incorporar uma sonoridade feita com coração, alma, dedicação e carinho, numa faixa que flerta por diversas vertentes do pop e do Soul, com sintetizadores sombrios, harmonias e linhas melódicas, conseguindo se encaixar em algo eletrônico e comercial ao mesmo tempo. 

Sendo nascida no sul da Ásia, ela também busca compartilhar sua cultura com o mundo, por meio da música e, se esse é somente o começo da artista em sua viagem musical, ela mostra que veio pra ficar e se aperfeiçoar.

Ouça o trabalho dela:




15 - MAK LONDON
É uma artista de Calgary (Canadá) que lançou no início de Julho seu segundo single, responsável por atrair a atenção de gravadoras como Sony e Warner.

Apresentando uma sonoridade essencialmente pop, conseguimos identificar um estilo vocal que nos remete a nomes atuais como Billie Eilish e pop mescla entre as vertentes do dark/comercial/indie numa faixa onde sua composição é praticamente ao bullying que a artista sofreu no passado, destacando também a importância de termos amigos autênticos e cortar de seu convívio aqueles que te fazem mal.

O som pode ser ouvido abaixo:




16 - CHINTZY STETSON
Aproximadamente um mês depois, o artista de Newcastle está de volta ao site e emocionado com o lançamento do seu single 'Falling In', que também acompanha um videoclipe vocês saberão mais sobre a faixa abaixo.

Sobre a música, ele comentou em release oficial: "Essa música explora madrugadas, brigas de bar e brinca de pé com o tipo de otimismo cego que vai deixar tudo bem".

Com produção de Sam Fender e Tom Ungerer, a faixa apresenta uma linha instrumental harmônica e com baixo destacado em uma sonoridade voltada para vertentes como o dark/indie/dream pop e que deverá fazer parte do seu EP de estreia a ser lançado ainda este ano.



17 - TOM TOM PARK
É o artista holandês de nossa lista de hoje e que há cerca de um mês lançou a faixa 'You Come And Go', que fará parte do seu álbum de estreia, a ser lançado em breve. Para meu próximo álbum de estreia, eu definitivamente queria escrever e fazer músicas que voltassem ao disco e sintetizadores dos anos 70 e 80. ‘You Come And Go’ pode ser o meu favorito. É verdade.

O compositor e produtor Steef, baseado na Holanda, lança músicas sob o pseudônimo de Tom Tom Park. A música de Tom Tom Park pode ser melhor descrita como uma mistura de disco, synth pop, dance e, às vezes, um pouco de funk. As principais influências são Daft Punk, Donna Summer, The Weeknd, Pharrell Williams, Bruno Mars, Madonna, Kylie Minogue e Fleetwood Mac. Para cada música, Tom Tom Park gosta de colaborar com vocalistas talentosos e outros músicos.

Neste trabalho, assim como promete trazer ao longo do álbum, ele se volta para o disco, com sintetizadores clássicos das décadas de 70/80, em uma música que fala sobre alguém em uma boate, que pode ou não estar interessado em ter um caso de amor.

O artista tentou, tentou e conseguiu  criar uma música que fosse, chique, estilosa, elegante e dançante, mesclando uma gama de gêneros próprios para isso, como EDM, Funk, Disco, Pop e o próprio Dance, sabendo com maestria unir tudo isso em uma sonoridade própria, que pode ser ouvida abaixo.



18 - DWOWDO
Com vivência no Reino Unido, ele está de volta ao site pela terceira vez e encerra nossa lista de eletrônico de hoje, com a faixa 'Games', lançada há quase dois meses.

Neste trabalho, o artista apresenta uma mescla de sonoridade que passa pelo EDM, Dance, House e eletrônico, mostrando uma grande variedade de criação artística.

Ouça:



HIP-HOP
19 - GC
É abreviação para Grand Chase que, há dois meses e meio, revelou nas plataformas digitais uma faixa intitulada 'Dangerous'.

Feita em parceria com lil luvrboi, esta é uma música prontas para as pistas e rádios voltadas para estilos como R&B e Hip-Hop, com artista mesclando influências e sonoridades de ambos os gêneros, a um efeito vocal com autotune.

Nela, ele tem como objetivo continuar a criar música em um ritmo rápido e trabalhar com artistas emergentes para fazer colaborações únicas e mantém fazem isso onde liricamente descreve um relacionamento que envolve um caso onde um deles está traindo

A faixa pode ser ouvida abaixo:



JAZZ/SOUL
20 - OLI MORRIS
É o artista escolhido por nós para representar o Jazz em nossa lista de hoje, com a faixa 'Bimal', divulgada início de Julho nas plataformas de streaming. 

Faixa que nasceu no lockdown, ela é um reflexo de sua viagem anterior à Índia e que fala sobre/analisa um olhar imersivo e introspectivo nas ansiedades e frustrações que muitas vezes reprimimos. Um conto de duas metades e que apresenta também uma sonoridade de vertentes do Soul, além de uma belíssima guitarras e os instrumentos de metal do jazz.

Bimal prioriza a narração de histórias sobre o vocabulário de jazz tradicional. Tem como objetivo curar e nos encorajar a iniciar uma conversa sobre nossas frustrações, lutas e ansiedades. Um ano e meio depois dessa experiência, não há melhor momento do que agora para ter esse diálogo enquanto tentamos freneticamente retornar nossas vidas à normalidade após o lockdown.

Seu trabalho de estreia pode ser ouvido abaixo:

Postar um comentário

0 Comentários