MUSO SOUP SINGLES #32.1: Scheisskind, Human Bouy, Thexele, Livska, Ralphy, Tash Hills, Saferinthecity, Macarena e mais artistas com lançamentos Rock, Country/Folk, Eletropop, entre outros; Conheça-os aqui!!

ROCK/ALTERNATIVO
01 - SCHEISSKIND
Diretamente de Berlim, eles estão com novos lançamentos que sucedem  o álbum "Kontrollfallen" (SAMM, 2020).

Neste trabalho lançado no final de Abril, eles buscam  traduzir o choque elétrico cantado em uma mistura de hardcore groovy e punk alemão melódico, com o guitarrista Domi 'Dombag' Glöckner dando a entonação da melodia instrumental da faixa, que também traz um videoclipe produzido por 'Sultan of Punkrockgitarre' Olli.

Tanto a música, quanto o videoclipe, podem ser conferidos abaixo:



02 - APOLLO'S ARMY
É uma banda estadunidense que em Junho revelou às plataformas de streaming seu primeiro lançamento desde o álbum de estreia deles, divulgado ano passado.

'Ghosts' apresenta uma sonoridade voltada para o metal, unida a um estilo vocal característico emo/alternativo rock, com uma sintonia perfeita entre principal e backing, além de um instrumental regado de riffs pesados e uma bateria cadenciada, num single que mostra toda a evolução da banda, em uma ideia lírica que fala sobre relacionamentos e como eles podem nos afetar quando pessoas impactantes saem de nossas vidas.

Melodias cativantes em uma música cheia de energia e com um grandioso solo de power metal mostram a diversidade de elementos e estilos que a banda pode atingir, na faixa abaixo:




03 - LETTERS OF TRANSIT
Com um início característico do rock alternativo, seja por conta da instrumentação ou do vocal, temos 'Don't Wait', primeira faixa de um single-duplo lançado no início de Julho e que nos faz relembrar de nomes como Nickelback em alguns trechos.

Em release oficial, eles comentam que está é uma música que te lembra que tudo pode mudar, você está no controle e não há necessidade de esperar pela validação externa.

Já na sequência, temos 'Hold Tight', que mostra uma variedade de estilos e influências da banda, responsável por trazer para o público ouvinte uma faixa mais calma, voltada para o rock acústico, com elementos do country e até mesmo do folk.

Ambas podem ser ouvidas abaixo:



FOLK/COUNTRY
04 - PAUL CAFCAE
Depois de uma sequência de faixas que variam entre o rock pesado e alternativo, temos Paul Cafcae, artista canadense que no final de Junho lançou 'Longest Day Of The Year' em todas as plataformas de streaming.

A música tem o contexto do ano tumultuado que o mundo passou em 2020, repleto de confusão, paranoias e medos que o artistas tentam deixar de lado ao usar 'armas' como a dança, poesia, artes visuais e, no caso dele, a música.

Dentro do videoclipe, ele buscou mostrar outros 'dias longos' de outros anos, exibindo diversas revoluções do povo que ocorreram ao longo de um passado recente no século XX ou atualmente, com o povo assistindo os governos politizarem a pandemia, assistindo a invasão do prédio do Capitólio dos Estados Unidos, etc. Diante de tudo isso, ele decidiu escrever uma música, um rockabilly shuffle, que poderia dizer todos os sentimentos e opiniões que ele estava sentindo . Essa música é "Longest Day of The Year", uma sequência do lançamento de março de Cafcae, "Downtown".

"Todas essas coisas estavam acontecendo e parecia um longo dia congelado no tempo. Fiquei pensando 'O que vem a seguir?'", Diz Paul. "Eu não poderia estar presente nas marchas, mas queria expressar minhas opiniões da única maneira que posso - por meio da música."

"Longest Day of The Year" começa com um gancho ridiculamente cativante - um uníssono entre guitarra e saxofone logo antes de Paul cantar, "Acho que é hora de parar de perseguir fantasmas", uma linha maravilhosamente em camadas que define o tom da música.

“É um blues de protesto inspirado na observação de restrições à liberdade pessoal, abuso sistemático de poder, incompetência administrativa, a disseminação de desinformação e o fomento de várias revoltas civis nos últimos 14 meses, conforme observado por um personagem que acompanha o noticiário no bloqueio e decide que não podem mais ficar à margem ", diz Paul.

O videoclipe que acompanha apresenta uma lição de história em distúrbios civis passados, usando imagens do início dos anos 30 em lugares como França, Argentina e Berlim para as imagens mais atuais de Hong Kong a Minneapolis após o assassinato de George Floyd. Os vocais de Paul combinam perfeitamente com a filmagem importante.

A música tem uma vibração de surf rockabilly, uma reminiscência de algo da era The Ventures ou Dick Dale. As letras, repletas de agitação social enquanto Paul ecoa muitos dos sentimentos sentidos pelos ativistas, são recebidas com uma camada inesquecível de musicalidade.  "Longest Day of The Year" é na verdade uma canção de protesto, mas é uma canção de protesto destinada à pista de dança.



05 - VANESSA ANNE REDD
Pela primeira vez no site, ela divulgou recentemente a faixa 'DC Drawers', segundo single de seu terceiro álbum solo, que sairá em breve nas plataformas de streaming.

Primeiro trabalho folk de nossa lista de hoje, ela também passa pelo indie rock, acústico na sonoridade e pela psicodelia visual de uma música na floresta francessa, onde artista ficou sozinha por semana e deu para o público esta belíssima faixa como recompensa.

No geral, a artista apresenta uma sonoridade complexa em sues trabalhos, passando pelo folk, rock garage, por sons melódicos e vocais doces, despojados e até mesmo sedutores, mostrando seu poder de criatividade instrumental e vocal.

O álbum que está foi produzido por Vanessa Anne Redd e Ed Deegan e mixado e masterizado por Ed Deegan no Gizzard Analogue Studios, em Londres.

Sweet Way Around é lançado em 10 de setembro de 2021 pela Sharp Attack Records.




06 - ALAS DE LIONA
Finalizando nossa sequência folk de hoje, temos uma artista de Edinburgo (Escócia) que no início de Junho lançou a faixa e videoclipe 'Cascade' nas plataformas de streaming, também como parte do EP intitulado "Radio Astronomy", somente com faixas autorais.

Sendo um trabalho conceitual, as faixas são inspiradas em ‘Twinkle Twinkle Little Star’, uma coleção de canções de ninar espaciais e contos populares cósmicos. 'Cascade' a faixa principal deste trabalho, onde a artista busca falar sobre perdas e morar em uma memória dolorosa, unida a um vídeo que apresenta uma história narrativa dirigida a própria compositora.

Para fãs de Indie Folk:



INDIE
07 - ROADKEEPER
O quarteto texano está de volta ao site com 'Take The L', single lançado nas plataformas de streaming em 25 de Junho e que apresenta conteúdo lírico de cunho político, unido a uma sonoridade interessante, trafegando por estilos como o dreampop, indie rock, shoegaze e a psicodelia presente não somente no instrumental, como também de maneira dentro do videoclipe que vocès poderão acompanhar por aqui.

Como citamos o teor político, a faixa fala sobre a contínua crise de imigrantes e refugiados na fronteira dos EUA com o México. ‘Take the L’ foi escrito durante a administração Trump e registrado na administração Biden, mas permanece tão relevante hoje. "'Take the L' serve como um lembrete importante de que os dois principais partidos políticos dos EUA estão apenas trocando esse assunto um pelo outro, então, quando uma mudança real vai acontecer?" comenta a banda em release oficial.

Este trabalho continua uma sequência de trabalhos com temas importantes por parte da banda, como ‘The Creeps’, que lida com a dinâmica de abuso e manipulação emocional. Em seguida vieram o psicodélico pós-punk 'Gushers', a pastoral 'Old Man's War', o psicopopular de precisão de 'Narcissistic Peoples' e a monotonia psicodélica 'Sundowners', todos os quais abordaram diferentes facetas da violência sistêmica, como a polícia assassinatos, mudança climática e questões humanitárias na fronteira EUA / México. 



08 - THEXELE
Com um estilo vocal essencialmente pop e estilos instrumentais que mesclam entre o pop, indie rock e  elementos acústicos, a artista russa e com sede Tailandesa revelou no início de Julho seu primeiro trabalho de 2021.

Apesar de sonoridade animada, temos um lirismo repleto de emoção numa faixa onde a artista fala sobre uma separação apaixonada, trazendo romance poético para um trabalho que certamente entrará na mente do ouvinte e o fará sentir emoção não somente com a letra, mas com os belos e doces toques instrumentais que prometem atingir não somente fãs do indie pop, como também do pop rock e até mesmo de guitarras, com um ótimo solo sendo executado aproximadamente no final da faixa, que ainda traz um baixo destacado por toda sua extensão. 

Thexele, também conhecida como Elena Selezneva, nasceu e foi criada no sul da Rússia. Desde o nascimento, Thexele gravitou em torno da arte e de tudo o que é belo, então durante sua juventude ela atuou como uma talentosa artista do conjunto pop-folk russo e estudou vocais e coreografia. E mais tarde ela obteve um diploma de ensino superior na área da arte.



09 - HUMAN BOUY
É um artista australiano que apresenta uma mescla entre indie rock e elementos do dream pop para a faixa 'Netflicks', composta por ele anos atrás e revivida durante o lockdown, sendo lançada há quase dois meses.

Nela, o artista ainda apresenta elementos não usuais do gênero, como um conjunto de metais e piano/teclado em alguns trechos, além de uma guitarra suave por seu background que, unida com outros elementos característicos do dream pop, faz com que o ouvinte se transporte para dentro da música, se envolvendo com todo o instrumental (principalmente as palmas) e acompanhando a letra da música, encaixada em perfeita sintonia com a construção dos instrumentos. 

POP/ELETRO/DANCE
10 - LIVSKA
Sendo sua segundo aparição no site, este também o segundo lançamento da artista australiana, sendo revelado nas plataformas há cerca de um mês.

'Stranger' é resultado de uma inspiração da artista, após ver uma história de amor se desenvolver na série "Stranger Things" da Netflix e apresenta uma sonoridade que tinha como objetivo de Livska mesclar sua paixão pelo pop oitentista com seu estilo dream pop, com isso podemos identificar um grande gama de elementos, passando pelo synth pop oitentista a elementos harmônicos, do indie pop a toques de pop rock. 

Liricamente, ela buscou mostrar como se sentiu quando conheceu alguém especial, revivendo momentos inicial de excitação e luxúria, antes deles desaparecerem e se tornarem estranhos.




11 - TRENT-JEAN
Apesar de se definirem como indie rock, sintetizadores tomam conta de 'Disc0vr', faixa lançada pelo artista australiano há cerca de um mês nas plataformas de streaming.

Com uma sonoridade voltada principalmente para um eletro/synthpop, a faixa é repleta de elementos oitentistas e camadas instrumentais que flertam entre o dream pop e o psicodélico, além de combinações que dão um teor futurista para a faixa, fazendo o ouvinte viajar para outra dimensão, a nona dimensão.




12 - GREG BOUNCE
É um artista com sede em Lisboa e que revelou no último dia 21 seu trabalho de estreia, intitulado 'Fear The Love', para fãs de estilos como indie/synth/contemporâneo pop, unido também a elementos oitentistas e beats repletos de grooves.

Na sua faixa de estreia, ele apresenta um tema futurista, se passando em 2050, onde o planeta se queima de vez por conta do aquecimento global e isso acontece durante uma dança de casamento, na pista. Essa premissa de armagedon ambiental está por trás de 'Fear The Love', faixa que apresenta também elementos do dream pop, guitarras suaves e um sintetizador doce por toda sua extensão. 



13 - RALPHY
É uma artista estadunidense que está no site pela primeira vez, com 'Pretend, faixa lançada há um mais de um mês nas plataformas de streaming.

Sendo uma faixa essencialmente pop, com instrumentais, batidas e um vocal bem comercial e pronto para embalar as pistas e rádios ao redor do mundo, em uma faixa onde ela fala sobre a luta de estar no amor unilateral mas, em um momento da trama, a história vira e em vez de implorar ao amante de coração frio por seu afeto, eles estão implorando pelo seu.



14 - ANNIE ELISE
Mesclando entre o vocal do pop contemporâneo, beats que podemos ouvir no R&B e elementos do eletropop, a artista estadunidense lançou há quase dois meses a faixa 'We Can Pretend' em todas principais plataformas.

Vocal suave se encaixa muito bem com os beats memoráveis ao longo de uma faixa onde fala sobre um falso despertar e desejo que o mundo real pudesse ser tão bom quanto aqueles com os quais sonhamos. Instrumentalmente, as texturas presentes na faixa mostram uma versatilidade da compositora como artista. 

Conheça mais sobre o trabalho dela em seu Spotify, abaixo:



15 - THE GREGORIO
Diretamente da Hungria, ele trafega principalmente pelo eletrônico, além de flertar com o synthpop e trazer um vocal repleto de autotune para a faixa 'All That I Need', reveladas nas plataformas no início de Julho, onde liricamente apresenta narra uma jornada de abandono da fé religiosa, apresentados dúvidas existenciais vivenciadas e questionamento de crenças existentes mundialmente, numa faixa com um refrão notável e beats que entrarão na mente do ouvinte.

The Gregorio é o projeto solo de Regő Szabolcs Józsa (Greg), um produtor e músico húngaro baseado em Brisbane. Ele oferece melodias que confundem a linha entre o pop atraente e a música experimental usando uma combinação de letras em inglês e húngaro para moldar histórias frequentemente contadas de ângulos não convencionais.



16 - SAFERINTHECITY
É um artista de Bristol que revelou há cerca de duas emanas a faixa 'Batshit Crazy' nas principais plataformas de streaming.

Para este trabalho, ele combina sua sonoridade pop de vertentes como o eletro e o synth, a influencia de nomes como Nina Nesbitt e Greyson Chance em uma música onde liricamente é basicamente uma carta para ele mesmo, sobre auto-aceitação e apreciação, principalmente de ser um membro LGBTQ+ e, infelizmente, todos sabemos o que passam dia a dia por conta de preconceitos. Assumir uma identicidade foi uma das influências para a composição de seu trabalho num geral, este que será apresentado final do ano para Paul McCartney, fundador da LIPA.

Vindo de um ambiente rural, a natureza de espírito livre recém-descoberta e a vibração da cidade segura são expressas principalmente no vídeo de Batshit Crazy - organza, flores, dançarinos e tudo. O lançamento de Batshit Crazy e seu vídeo que o acompanha torna-se a estreia oficial da cidade segura e é uma abertura emocionante para um capítulo que está apenas começando.

O seu EP de estreia lançara nas plataformas de streaming no próximo dia 13.



R&B
17 - TASH HILLS
Sensação do Soul, a britânica trouxe as plataformas a faixa 'What A Good Night', seu segundo trabalho de 2021 e quarto da carreira.

Mesclando vertentes como o Soul, pop/dance comercial, R&B e o rap falado, este último abre a faixa com o trecho 'Eu tenho esperado, faz muito tempo, que alguém está aqui, até o raiar do dia' e nos remeteu a Lady Gaga pelo estilo vocal, tal como outros trecho da faixa nos lembrou o vocal da artista da faixa 'Rain On Me'.

Além disso, temos instrumentalmente o groove do funk e uma linha de baixo que certamente vai prender o ouvinte e o fazer ficar envolvido com o ritmo da faixa que ainda apresenta uma seção de metais e um vocal que fará certamente a artista colocar seu nome em breve entre os maiores do Soul atual. Já liricamente, a faixa conta a história de como se expressar e ser grato por quem você ama. A experiência de amor de Tash é toda sobre segundas chances, nunca subestimando ninguém e vivendo cada dia como se fosse o último. Esta mensagem positiva ecoa em todas as suas músicas.



18 - PHILLIP GOOD
Diretamente de Cincinnati (EUA),ele é um artista independente que busca espalhar mensagem positiva em cada uma de suas músicas, as transformando até em um estado de espírito positivo, como acontece em 'Let Me In, My Lady', faixa revelada as plataformas de streaming no final de Junho. 

Trazendo uma sonoridade que passa pelo country e pop, mas com estilo vocal do R&B, ele a gravou no estúdio Darkhorse e apresenta uma letra destinada a todas as mulheres solteiras tentando se recuperar de seu último relacionamento, os altos e baixos dos relacionamentos e tendo nossa guarda levantada. Esta música é sobre deixar alguém te conhecer e fazer com que ele baixe a guarda.




19 - MACARENA
Nossa Holandesa da lista, ela trouxe para as plataformas de streaming a faixa 'Patience' há quase dois meses, onde apresenta uma sonoridade instrumental e vocal suave, além de elementos voltados nãos somente para o Hip-Hop (no final), como também para vertentes do R&B e do Soul, num trabalho produzido por artistas independentes. 

A artista independente de Amsterdã, Macarena, combina neo soul, R&B chill e pop alternativo com um toque latino e letras pensativas. Ela descobriu seu amor pela música enquanto ouvia jazz com seu pai e desenvolveu suas habilidades de escrita escrevendo poemas durante sua adolescência. Conforme Macarena desenvolveu essas habilidades, ela lançou sua primeira faixa em 2017, chamada 'Mind' (Prod. Por RINZ.).

Conheça mais sobre ela em seu Spotify, abaixo:




HIP-HOP
20 - B1G JUICE
Único artista voltado para o hip-hop em nossa lista de hoje, o canadense revelou há cerca de três meses nas plataformas de streaming a faixa 'Dream Team'.

Passando pelo hip-hop, rap e trap, essa é uma faixa que fala sobre pressa, sucesso, resiliência e foco, com batidas envolventes que nos fazem sair da cama com mais energia e dormir com mais coragem diante do que temos que fazer ou passar. 

Ouça abaixo:


Postar um comentário

0 Comentários