MUSO SOUP ÁLBUNS #18.1: Marble Raft, Fixers, Lemondaze, Amir, Perry Ripley e mais artistas com álbuns/EPs lançados HOJE!!

01 - MARBLE RAFT
Marble Raft é uma dupla indie pop de Estocolmo, Suécia, composta por Gabrielle Baker e Olle Söderström. Eles lançaram hoje (7/5) o álbum de estreia, intitulado "Geography A", trazendo ao ouvinte um trabalho conceitual onde transformam um conto de fodas em músicas embaladas pelo indie, dream pop e shoegaze, num som bem melódico, com letras que retratam paisagens de gelo árticas, a música é repleta de uma melancolia confortável. Algumas delas certamente caberiam em algum especial da Disney.

"Escolhemos o nome Marble Raft porque representava algo impossível,  Marble Raft representa algo totalmente oposto, uma engenhoca bonita, mas também totalmente inútil. Mas neste caso não importa. Como é alimentado pelo escapismo, ele flutua de qualquer maneira."



02 - GEORGE BLOOMFIELD
É um compositor, produtor e multi-instrumentista que, com nada mais do que alguns microfones e as ferramentas musicais ao seu redor, lançou hoje o EP "Why Didn't You?",com 5 faixas que apresentam uma linha de guitarra voltada para o dream pop/low-fi, arranjos de sopro e acompanhamento belíssimo de corda/harmonias vocais que passam também por vertentes como o jazz, o clássico funk, o instrumental e um toque experimental/psicodélico.



03 - FIXERS
Outro lançamento de hoje é "The Sun, the Moon, the Wind, the Sea" álbum extenso e que traz 11 músicas de estilos como o dream pop, indie e experimental, repleto de sintetizadores, baterias pesadas e efeitos sonoros que muitas vezes se destacam sobre o vocal, trazendo também uma mescla de elementos da vanguarda com um pop comercial, dançante e que certamente agitaria o público de fests como o clássico Lollapalooza. 

O álbum é uma continuação de "We'll Be The Moon" e, em definição do vocalista Goldstein, ele é 'a louca e fodida jornada de retorno psicodélico açucarado que começa exatamente quando "We'll Be The Moon" termina'.


04 - LEMONDAZE
"Celestial Bodes" é o EP mais recente dos ingleses da Lemondaze, onde trazem como vertentes principais o post-punk, shoegaze e o alternative rock, com vocais harmônicos unidos a solos de guitarra e uma linha de bateria muito bem elaboradas, como podemos conferir em faixas como 'Twin Paradox' e '1990 nine', onde apresenta também uma belíssima linha de baixo e em ambas trazem elementos do stoner.



05 - FAMILIAR ACTION
O álbum de estreia homônimo conta com 10 músicas que trazem um contraste interno muito grande, seja pelos vocais opostos ou pela estrutura instrumental, repleta de melodias dissonantes e até mesmo fora de um padrão, trazendo um som circense em faixas como 'Nausea'. Os estilos vocais e o conteúdo lírico têm como objetivo principal projetar imagens e emoções, em vez de qualquer forma de narrativa ou narrativa literal, embora seja frequentemente assim que as palavras sejam enquadradas.

O álbum não é apenas informado pela mundanidade da vida contemporânea, mas pela arte e literatura surreal e provocativa. Oferecendo um contraste da condição humana: é doloroso, bizarro e confuso.

Ele trafega por estilos músicas como o power pop, art rock, circense e pode ser ouvido abaixo:




06 - AMIR
Lançado hoje, "Rise, from Depths, of a Preliminary State of Youth: A Change Within One in Worlds" é o extenso álbum de estreia do artista libanês, que divulgou seu trabalho tanto nas plataformas de streaming, como também em CD físico. Nele, o artista trafega por estilos como o low-fi, shoegaze, eletrônico e cinemático, em um álbum instrumentam com uma riquíssima produção.

A música, como afirma Amir, é sobre a arte como uma forma de expressão para a opressão de pensamentos. O álbum é a declaração e reação de Amir ao seu pensamentos sobre arte e sua contribuição para o estado da juventude e seu desejo de mudar e se expressar, e isso vem como uma reação ao jovem não ser reconhecido pelo mainstream e subestimado por seu país.

Amir produziu, masterizou, promoveu e lançou o álbum usando suas habilidades técnicas, amor pela música e instrumentais e sua perspectiva sobre a arte. Sua influência da música ambiente mostra-se claramente no álbum.



07 - SUN SMASH PALACE
Sun Smash Palace é uma banda internacional que no começo de Abril lançou seu álbum homônimo de estreia. Fundada por um músico alemão, um brasileiro, um coreano e um canadense, eles mesclam estilos surf-rock, indie rock e até mesmo Soul/R&B, como podemos ouvir em "The Bar Is The Only Church I Need", composta e cantada por Ester Sullivan, que trouxe um vocal impecável (e um backing vocal belíssimo da banda, acompanhada por palmas) para dentro do álbum, numa faixa que me identifiquei muito, ao ouvir sobre alguém que cresceu em uma família cristã devota e ao longo dos anos percebeu que fazia mais mal para ela do que ajudá-la com sua vida. 

A banda também traz músicas mais voltadas ao rock 90's, como em 'Demon Inside', o pop rock melódico 60's em 'Home', o espírito 'faça você mesmo' em 'Come Around', que apresenta um videoclipe filmado na Califórnia e referências de praias brasileiras na letra.


Depois de passar dois anos na Coreia do Sul, o vocalista e guitarrista rítmico Eric Busse mudou-se para Luxemburgo, no coração da Europa, em 2021. Tocou em uma banda alemã ('Jovernanté') e brasileira ('The Serious Hyenas' ) antes e desta vez não queria deixar para trás a música de sua banda coreana 'Sun Smash Palace'. Ele encontrou novos membros da banda italiana e francesa que acreditam nas músicas do Sun Smash Palace tanto quanto ele.




08 - MARK SCHWABER
Lançado na última semana de Abril, "Everything Around Me" é o álbum mais recente do artista, que apresenta 11 músicas ao longo de aproximadamente 40 minutos. 

Em "The Monastery Of The Hill", faixa de abertura, podemos ver uma mescla entre o cinemático, dream pop e o indie, mostrando a variedade de estilos presentes dentro do álbum, que se volta também para o folk em faixas como 'Evil Valentine'.

Confira o álbum completo abaixo:




09 - SAINT SAMUEL
Lançado no último dia 30, o artista começou a escrever e gravar seu EP homônimo em Setembro/20 , diretamente do seu quatro, onde passou a descobrir rapidamente que seu estilo de escrita, gênero e tópicos que poderia registrar, falando sobre si mesmo, em relação a sentimentos, momentos e experiências que passou por sua vida. 

O resultado pode ser ouvido abaixo:




10 - RICCARDO MOCCIA
Lançado no final de Fevereiro, "Concertless" é um álbum que traz sete faixas extensas com guitarras e baterias aceleradíssimas, pesadas e um vocal típico do Death Metal, que se estende por todo o tracklist do álbum. Do Djent ao Jazz / Fusion, do Avant-Garde ao Death Metal, do Progressivo ao Neoclássico...

De acordo com a banda, sendo um álbum pesado, não somente em termos de sons, mas também em termos de almas; porque é inspirado pelas entidades mais pesadas da terra.




11 - HELLODARLING
Lançado no último dia 28, "The Devil's Notes" é um álbum lançado final de Abril com 11 músicas que trafegam por vertentes como Dark Wave, Emo Rap e alternative rock em aproximadamente 35min.

Sobre o álbum, a banda comentou: "O nome do álbum vem de um poema que escrevi há alguns anos e o pensamento remete ao ano passado, quando ocorreu o covid, entre muitas outras coisas. Eu luto com coisas como depressão e ansiedade e tenho muita frustração reprimida. Existem muitos fatores
que tocou na produção deste álbum, mas é basicamente a essência dele.

A música é uma boa saída para mim e escrevi este álbum para representar o caos que inunda minha mente. É um álbum temático muito deprimente."

O resultado de todo esse trabalho pode ser conferido abaixo:




12 - PERRY RIPLEY
Divulgado no final de Abril, "Cocaine Love" é um EP com cinco músicas e que é uma metáfora que compara o afeto do amor ao estigma dos narcóticos. As cinco faixas são empolgantes, atuais e cheias de emoção.

Trazendo faixas empolgantes e emocionantes, o EP compara os altos e baixos do abuso de substâncias aos intensos atributos emocionais do amor, representando uma história teórica da juventude típica; viciado em amor. Você se sente triste, você sai, atinge o seu pico e depois acorda.

Mostrando variar por vertentes como o eletro/synth/alt pop, o EP começa com 'The Storm'; faixa baseada em bateria e piano, falando sobre pensamentos emocionais que o levam a se entregar a um amor viciante que o faz superar o mau tempo. Também temos 'Medicine' representando o "período de ressaca / separação".

Todo o álbum contém instrumentais carregados energeticamente/emocionalmente para se encaixarem com o conceito do trabalho completamente produzido por Perry e que vocês podem ouvir abaixo:




13 - SPYDERHUFF
Também lançado no final do mês, o EP "Think About Me" apresenta um cinco músicas, com um mashup de gêneros como blues, rock, country e techno executados por  Tom Kuhr, Don Beyer, Jim Pauli, “Guitar” Joey Gaydos e Tony Mitchell, veteranos da música desde 0s 70 e amigos de infância.

Por mais de cinquenta anos, esses amigos de infância tocaram música juntos. Tom mora em Dearborn, Michigan (cidade natal de ambos) e Don mora em Mount Dora, Flórida. A colaboração é totalmente remota. Os sucos criativos encontram seu caminho desimpedido dentro de um processo único.

Tom e Don formaram uma banda de fusão de jazz na década de 1970 chamada ‘Each’. Em seguida, foi uma banda de rock chamada ‘Full Nelson’ na década de 1980. No início dos anos 1990, uma curta banda de estúdio foi formada chamada ‘Spyderhuff’. É aqui que entra Jim Pauli, fornecendo uma bateria de bom gosto e perspicaz. O nome Spyderhuff foi então usado por Tom para uma empresa de design gráfico por quase 30 anos.

Depois de décadas acumulando ideias de músicas, o Spyderhuff foi reformado em 2020 com o lançamento do EP de Tired Wrangler. Jim voltou para a banda e participa do novo EP intitulado "Think About Me", que traz um mashup muito interessante e gostoso de se ouvir. Vocês podem conferir abaixo:




14 - ELETRIK ANTS
Electrik Ants é uma banda hip-hop, que funde diversos estilos, trazendo elementos musicais de artistas como Red Hpt Chilli Peppers, Outkast, Gorillaz e Jamiroquai.

A banda foi formada por dois irmãos que ouvem e tem influencia de tanto Tchaikovsky quanto Skrillex, tanto Thelonious Monk quanto UGK, e debatem Frank Zappa ou Gorillaz. 

No álbum, eles mesclam rock alternativo, indie pop e experimental, num resultado que pode ser ouvido aqui:




15 - VIAN IZAK
Divulgado no final de Março, "Flight of the Aeronaut" é o terceiro álbum do artista e começou a ser elaborado com um conceito visual/musical no final de 2019. Com o início da pandemia, as sessões planejadas na Europa e em outros lugares tiveram que ser adiadas, resultando em um verdadeiro teste de tecnologia virtual. Izak trabalhou remotamente com músicos de cordas na Dinamarca, compositores no Reino Unido e músicos em todos os Estados Unidos. 

Sobre a produção do álbum, Izak comentou: "Meu objetivo era trabalhar com as melhores pessoas que conhecia em algo que realmente importa para mim. Eu queria instrumentação ao vivo executada por mentes brilhantes." 

"Flight of the Aeronaut" é para quem procura esperança e prova de que coisas boas ainda podem surgir deste novo mundo pesado.

É para os ouvintes que precisam de provas de que há esperança no horizonte, admiradores de gêneros como o indie, pop folk/alternativo e o cinemático. Ouça abaixo:




Esta matéria foi criada via Musosoup, entenda mais aqui: #Sustainablecurator

Postar um comentário

0 Comentários