MUSO SOUP APRESENTA #4: Lucie Lynch, Play Dead, The Daylight Orange, Great Park Avenue e Koalra com lançamentos do post-punk ao folk

Nosso primeiro "Muso Soup Apresenta" do ano será dividido em duas partes, afim de destacarmos igualmente cada um dos artistas que toparam nosso projeto e que acreditamos que mereça ser conhecido pelo público brasileiro. A primeira parte deles está ao longo dessa matéria.


01 - LUCIE LYNCH
Lucie Lynch é uma cantora e compositora, indie pop e música folk moderna de Honolulu representada pelo selo musical independente Beautiful Emergence Records. O repertório de Lucie Lynch inclui lançamentos como 'Yes, I Can', lançado em 2 de janeiro de 2021 pela BeautifulEmergence Records.

Falando sobre os temas gerais de 'Yes, I Can', Lucie Lynch escreve: "Quero lembrar às pessoas que somos mais poderosos do que imaginamos. Cada ser humano é uma expressão tão preciosa e única do próprio amor e meu propósito é convidar os ouvintes a uma jornada para um olhar mais profundo sobre si mesmos, ouvir nossos corações, correr riscos e entrar em nosso próprio poder e verdade".




02 - PLAY DEAD
A faixa 'Six Hours Later', conta a história de um amigo levemente mal-julgado que tomou algumas pílulas de TDAH, o que levou a overdose proposital. 

O single consolidou a banda na emergente cena punk do Reino Unido, que é influenciada por nomes como IDLES, Slaves e Shame.

Seus dois primeiros singles foram promovidos por Steve Lamacq (6Music) e Huw Stephens (Radio 1), bem como participando da The Punk List do Spotify e nomeados como uma das Melhores Novas Bandas da Amazon Music.




03 - THE DAYLIGHT ORANGE
Squeaky Little Disco é o terceiro single a ser lançado pelo The Daylight Orange. Uma canção detalhando uma despedida afetuosa aos dias de Halcyon do passado. Gravado no Animal Farm Studios durante o quente verão de 2019.




04 - GREAT PARK AVENUE
Os novatos do indie-rock sueco Great Park Avenue lançam novo single; AU REVOIR, trazendo uma explosão melancólica de britpop, como podemos ver nos riffs iniciais, baixo destacado em muitos momentos e até mesmo na entonação vocal da banda, que lembra diversos clássicos do estilo. 

Bateria na sala, guitarra e baixo na cozinha, vozes na varanda, uma abordagem DIY com precisão artística. Para ‘Au Revoir’, a Great Park Avenue retirou-se de sua "selva de concreto de guitarras barulhentas" para a zona rural sueca, ao norte de Estocolmo, para uma pequena vila de pescadores sem nome e não reconhecida; o local ideal para fugir das tentações metropolitanas, com espaço para ideias que duram dias. Pedaços de tempo em suas mãos, suportes de equipamentos feitos de jenga, microfones presos no teto como um dos pequenos devaneios estranhos de Zach e freezer cheio de gim. Au Revoir nasceu.

Inicialmente procurando dar um pouco de vida à cena indie sueca, a banda encontrou o Britpop como a base de sua música, sua verdadeira vocação, e seus olhos estavam firmemente postos na próspera cena do Reino Unido. A Great Park Avenue está ansiosa para desempenhar um papel na reconstrução e expansão do renascimento do pós-punk após seus dias de glória no início dos anos 2000.

Poderosas explosões de som explodindo em todas as direções, como a criação de um novo universo. A instrumentação esparsa da Great Park Avenue cria uma paisagem sonora colorida e brilhante. Tudo executado com a precisão máxima, nítida e imaginativa com dinâmica retida para o que só pode ser descrito como um sussurro estrondoso. Tons nítidos emitidos por galáxias de som. Temas clássicos como amor, ódio e adolescência sem graça são sugados para a centrífuga, cuspidos no chão e raspados para você moldar.

Para a Great Park Avenue, a música é feita para ser ouvida ao vivo, um lugar onde a banda tem liberdade para se expressar e onde a arte encontra o público em tempo real, e para isso teremos que esperar.




05 - KOALRA
"The Wakes" é o segundo disco da banda, trazendo 14 faixas, ao longo de 39min, num trabalho que mescla estilos como o post-punk, shoegaze, indie rock e até mesmo alternativo.

Combinando guitarras encardidas e fuzzed e ritmos soltos de atos como Dinosaur Jr. às paisagens sonoras enérgicas e experimentais de artistas como Sonic Youth e Ween, Koalra é uma banda emergente de noise punk vinda de Chicago.

O quarteto influenciado dos anos 90 lançou seu álbum autointitulado em dezembro de 2019. A estreia com oito faixas é um festival de ruídos edificante, mas agitado, de faixas de guitarra e melodias vocais tristes e sinceras. 
Desde o colapso eufórico de hinos alternativos destacados como "Dark Days" à energia selvagem e feroz de músicas como "Black Nightmare" e "Sprung", Koalra cobre muito terreno nos gêneros de punk, indie e noise pop.

Saindo de um projeto de música de garagem em sua cidade natal, a banda é composta por quatro amigos que são influenciados por bandas semelhantes, como Boyracer, The Thermals, The Cure, Dinosaur Jr., No Age e Wavves.


Postar um comentário

0 Comentários