Paul McCartney e Taylor Swift se entrevistam em especial da Rolling Stone; Confira aqui!!

Fotos por Mary McCartney

Tanto Paul McCartney quanto Taylor Swift trabalharam bastante em meio a pandemia. Enquanto ela lançou o disco "Folklore" do nada, com diversas versões de vinil e trazendo um sonoridade diferente dos seus antecessores, Paul McCartney resolveu gravar um novo disco (que não estava planejado) fazendo as letras, tocando todos os instrumentos e produzindo sozinho durante a quarentena. McCartney III saíra daqui um mês, mas já tem quase todas as versões de vinil esgotadas, mesmo sem sabermos tracklist ou quantas músicas virão no álbum.

O subtítulo da matéria original (em inglês) destaque os principais temas da conversa: numerologia, composições, como foi fazer um álbum durante o isolamento e o que aprenderam neste período de pandemia. Esse foi a primeiro de uma série de conversas entre artistas, intitulada "Musicians On Musicians".

Swift ouviu McCartney III enquanto se preparava para a conversa essa conversa, enquanto McCartney mergulhou no Folkore. Antes da sessão de fotos, Swift encontrou suas filhas Mary (que as estaria fotografando) e Stella (que desenhou as roupas de Swift; as duas são amigas íntimas). “Eu encontrei Paul algumas vezes, principalmente no palco em festas, mas veremos isso mais tarde”, escreve Swift. “Logo ele entra com sua esposa, Nancy. Eles são um casal ensolarado e brincalhão, e imediatamente sinto que este será um bom dia. Durante a filmagem, Paul dança e não leva quase nada muito a sério e canta junto com as músicas da Motown tocando nos alto-falantes. Algumas vezes Mary repreende, ‘Paaaaa, tente ficar parado!’ E parece uma janela para uma dinâmica familiar incrível. Entramos em seu escritório para um bate-papo e, depois de fazer um pedido nervoso, Paul é gentil o suficiente para escrever à mão minha letra favorita e assiná-la. Ele faz piada sobre eu vendê-lo, e eu rio porque é algo que sei que vou prezar pelo resto da minha vida. É nessa época que começamos a falar sobre música. ”

Logo no começo também,  ela ressalta que eles estariam tocando juntos no Glastonbury esse ano. Mas já que isso não rolou, então acabaram gravando novos discos.

Em seguida, ela mencionou ter encontrado o Paul em festas e lembrou de um momento com Dave Grohl
: "
Eu me lembro de pensar que seria muito divertido porque eu relaciono todas as vezes que me encontrei com você com algumas das noites mais divertidas da minha vida. Eu estava em uma festa com você quando todo mundo simplesmente começou a tocar instrumentos. E tinha o Dave Grohl tocando, você… Eu estava tocando “Best Of You”, mas era ao piano, e ele não reconheceu até mais ou menos metade da música. 

Sobre o McCartney III, Taylor disse: "Eu ouvi seu novo álbum. E eu adorei muitas coisas sobre isso, mas realmente me senti como um tipo flexível de escrever, produzir e tocar todos os instrumentos em todas as faixas. Para mim, isso é como flexionar um músculo e dizer: “Posso fazer tudo isso sozinho, se for preciso”.

McCartney: Bem, eu não penso assim, devo admitir. Eu aprendi alguns desses instrumentos ao longo dos anos. Tínhamos um piano em casa que meu pai tocava, então comecei a mexer nele. Eu escrevi a melodia para "When I’m 64" quando eu era, você sabe, um adolescente.

Num certo trecho da entrevista, também comentaram como lidaram com a pandemia: "Estávamos confinados em uma fazenda, uma fazenda de ovelhas com minha filha Mary, seus quatro filhos e seu marido. Então, eu tinha quatro dos meus netos, eu tinha Mary, que é uma ótima cozinheira. Então, eu iria me dirigir para o estúdio — conta o músico, que reuniu batidas que criou ao longo da carreira para o álbum. —  Normalmente, eu começaria com o instrumento no qual escrevi, piano ou guitarra, e então provavelmente adicionaria um pouco de bateria e um pouco de baixo até que começasse a soar como um disco, e então gradualmente colocaria tudo em camadas. Foi divertido.

Eu tenho muita sorte porque tenho um estúdio que fica a cerca de 20 minutos de onde moro. havia dois outros caras que poderiam entrar e nós seríamos muito cuidadosos e distantes e tudo mais: meu engenheiro Steve, e então meu cara de equipamento Keith. Então nós três gravamos o álbum e eu apenas comecei. Eu tive que fazer um pouco de música para filme - eu tive que fazer um instrumental para uma coisa de filme - então eu fiz isso. E eu simplesmente continuei, e isso se tornou a faixa de abertura do álbum. Eu simplesmente entrava e dizia: "Ah, sim, o que vamos fazer?" [Então] tinha algum tipo de ideia e comece a colocá-la em prática. Foi divertido.", disse Paul.

Taylor diz que criou Folklore rapidamente, com auxílio do músico Aaron Dessner: "Descobri que ele estava escrevendo faixas instrumentais para não enlouquecer durante a pandemia também, então ele me enviou este arquivo de provavelmente 30 instrumentais, e o primeiro que abri acabou sendo uma música chamada Cardigan. E realmente aconteceu rápido assim. — relembra. — Ele me enviaria uma faixa; ele faria novas faixas, adicionaria à pasta; eu escreveria toda a linha principal de uma música, e ele não saberia sobre o que a música seria, como seria chamada, onde eu colocaria o refrão". 

Paul e Taylor também falaram sobre a numerologia por trás do trabalho deles.
Swift: Eu estava me perguntando sobre o elemento de numerologia de McCartney III. McCartney I, II e III tiveram anos zeros.

McCartney: Fim das décadas.

Swift: Isso foi importante?

McCartney: Sim, bem, isso estava sendo feito em 2020 e eu realmente não pensei sobre isso. Acho que todos esperavam grandes coisas em 2020. “Vai ser ótimo! Olhe esse número! 2020! Auspicioso!" Então, de repente, Covid bateu e foi como, "Isso vai ser auspicioso, mas talvez pelos motivos errados". Alguém me disse: “Bem, você lançou McCartney logo depois que os Beatles se separaram, e isso foi em 1970, e então você lançou McCartney II em 1980”. E eu disse: "Oh, vou lançar isso em 2020 apenas para o que quer que você chame, a numerologia. ..."

Swift: a numerologia, o tipo de aparência, o simbolismo. Adoro números. Números meio que governam todo o meu mundo. Os números 13… 89 são grandes. Eu tenho alguns outros... 

McCartney: Treze é sorte para alguns.

Swift: Sim, é uma sorte para mim. É meu aniversário. São todas essas coincidências estranhas de coisas boas que aconteceram. Agora, quando vejo isso acontecer, eu vejo isso como um sinal de que as coisas estão indo da maneira que deveriam. Eles podem não estar bons agora, podem ser dolorosos agora, mas as coisas estão no caminho certo. Não sei, adoro numerologia.

McCartney: É assustador, Taylor. É muito assustador. Agora espere um minuto: onde você conseguiu 89?

Swift: Foi quando eu nasci, em 1989, e vejo isso em diferentes lugares e acho que é ...

McCartney: Não, é bom. Gosto disso, em que certas coisas às quais você se apega e obtém uma boa sensação delas. Eu acho isso ótimo.

Swift: Sim, um dos meus artistas favoritos, Bon Iver, ele tem essa coisa com o número 22. Mas eu também estava me perguntando: você sempre procurou uma banda ou uma atmosfera comunal com, sabe, os Beatles e Wings e, em seguida, Egypt Station. Achei interessante quando percebi que você não tinha feito um disco com mais ninguém. Eu só me perguntei, isso parecia natural?

McCartney: É uma das coisas que fiz. Como com McCartney, porque os Beatles haviam terminado, não havia alternativa a não ser conseguir uma bateria em casa, comprar uma guitarra, um amplificador, um baixo e fazer algo para mim. Então, naquele álbum, que eu realmente não esperava fazer muito bem, não acho que foi. Mas as pessoas meio que dizem: “Gosto disso. Foi um álbum muito casual. ”

Realmente não precisava significar nada. Então, eu fiz isso, brincar de tudo sozinho. E então descobri sintetizadores e outras coisas, e sequenciadores, então eu tinha alguns deles em casa. Eu apenas pensei em brincar com isso e gravá-lo, então isso se tornou o McCartney II. Mas é uma coisa que eu faço. Algumas pessoas podem fazer isso. Stevie Wonder pode fazer isso. Stevie Winwood, creio eu, conseguiu. Portanto, há certas pessoas assim.

Quando você está trabalhando com outra pessoa, precisa se preocupar com as variações dela. Considerando sua própria variação, você meio que sabe disso. É apenas algo que aprendi a gostar. Uma vez que você pode fazer isso, torna-se um pouco viciante. Na verdade, fiz alguns discos com o nome de Fireman.

Swift: adoro um pseudônimo.



A entrevista completa, em inglês, pode ser lida aqui.