MUSO SOUP SINGLES #6: Belonging, Divisions, TASH, Swimmers e mais artistas com lançamentos que vão do eletrônico ao rock alternativo/shoegaze

 01 - BELONGING
"'Think I’m Gonna Fall' é sobre como os locais e os clubes são basicamente santuários”, diz Belonging, também conhecido como Chris Patrick. "Eles sempre foram o melhor lugar para eu fugir - você pode se perder na música, nas luzes e na multidão e esquecer a vida real por um tempo, ou deixar tudo sair e colocar o mundo em ordem - ou Ambas! - e começou como uma celebração disso."

À medida que os eventos se desenrolavam, porém, a música se tornou mais um lembrete agridoce: "Há um pouco sobre estar fora no fim de semana antes do primeiro lockdown", diz Chris. “Nós ainda não tínhamos tido a noção de como as coisas eram sérias, mas sabíamos que provavelmente seria a última vez que faríamos isso por um tempo. Existem comunidades inteiras que foram criadas em torno desses lugares que não podem se ver agora e é muito difícil.



02 - MONTRELL
Produzido pelo baterista do Flyte Jon Supran, este é o segundo single do EP Angel, que ainda será lançado.

Escrevendo a faixa cerca de quatro anos, ela fala sobre o desejo de dormir com outras pessoas quando você está em um relacionamento. ‘Simpler In The Dark’ é outra faixa forte de uma banda que cresce continuamente a cada lançamento.




03 - DIVISIONS
Lançado nas plataformas digitais final de Janeiro, 'Quiet Frustrations' é o primeiro single do álbum homônimo. A faixa é sobre as injustiças, batalhas e enganos diários que nos oprimem ao longo do tempo.

"Começamos a escrever músicas juntos ainda muito jovens, com base no amor compartilhado por artistas como Radiohead e Pink Floyd. Nosso som tece letras introspectivas e ética do rock com camadas eletrônicas e arranjos vocais detalhados."




04 - ALLISON LORENZEN
Allison Lorenzen tornou-se adepta de puxar belas melodias vocais em composições esqueléticas. Em seu primeiro projeto solo, ela se junta aos talentos do projeto Midwife para enraizar seus vocais espectrais, teclados e percussão em câmera lenta.

"Um vale pode ser usado para descrever um vale ou lugar deprimido na terra. Poeticamente, o vale foi usado para personificar um lugar de luto e tristeza profunda. Um lugar onde a luz se recusa a penetrar."

No momento em que a música começa a crescer de novo, ouvimos os teclados de Lorenzen seguirem os passos de sua melodia vocal, antes de finalizar com aproximadamente 5min30 de música.




05 - TASH
Terceiro single da banda, 'Crybaby' remete a frase "boys don't cry' e fala sobre meninos e meninas com vontade de fazer isso por conta de relacionamentos finalizados. A faixa também fala sobre como esse termo é datado e que na verdade é muito mais atraente se expressar emocionalmente do que se prender sentimentos e que isso é normal, até mesmo para o mesmo homem mais duro que for.



06 - SWIMMERS
Dois músicos londrinos que viajavam o mundo com vários projetos, começaram a escrever juntos trancados em países separados, como forma de fuga.

A primeira música do próximo EP se chama SWM e foi lançada dia 21 de Janeiro e vocês podem ouvir abaixo:




07 - LINDSAY REAMER
Lindsay Reamer é uma cantora e compositora de Massachusetts que, embora tenha sido criada por dois músicos, não começou a escrever suas próprias músicas até o ano passado. Ela gravou com uma guitarra que aprendeu a tocar sozinha aos 13 anos as músicas que fariam parte do seu primeiro EP.

De acordo com ela mesma, “Lucky” é o resultado de começar a vencer batalhas internas contra a dúvida e o medo de si mesmo. À medida que acalmamos as vozes interiores que nos dizem que não somos bons o suficiente, o que floresce no espaço vazio pode nos surpreender.




08 - DEAD MANIFEST
Dead Manifest é um trio de rock de Tallaght, Dublin, formado por Aaron Nestor (voz e guitarra), Andy Rudd (baixo) e Cathal Cullivan (bateria). Com sua fusão progressiva de metal, punk e grunge, a banda já construiu uma reputação local por compor songcraft e riffs intensos, e agora está reivindicando seu lugar na cena musical irlandesa.

O novo single do Dead Manifest, "Blood", é o primeiro de uma série de singles que virão em 2021, e uma oferta concentrada de tudo o que eles conquistaram até agora, resultando em um hino emocionante, porém melódico.




09 - STORM: SEASON
A banda mesclou Lofi, Indie rock, Avant-Garde e Electro pop, para criar um estilo único. Enquanto a maioria das bandas tenta se encaixar em certos sons, STORM: SEASON se recusa a ter uma só categoria e se permite expressar completa liberdade artística. Todas as músicas escritas, gravadas, produzidas e masterizadas por eles mesmos.




10 - LARA SMILES

Oh How aparece no álbum de estreia do Smiles, All For You, e é um caso tentador, refletindo sobre as ansiedades de nosso tempo com esse mantra atraente. '... deixe a dor, deixe a dor'  a letra gira,  'empatia traz evolução e talvez uma revolução', ecoa Lara Smiles neste conto popular psicológico de três minutos. O novo lançamento é fundido com uma tranquilidade serena e um chamado para a transformação.

"'Oh How'
 é como um mantra calmante para mim, foi escrito para acalmar a mim e ao ouvinte de qualquer angústia pelos momentos difíceis que enfrentamos”, comenta Lara Smiles. 

Suas habilidades de composição e virtuosismo vocal marcante são trazidos à tona, enquanto Lara Smiles se desloca para outro reino, cercada por velas tremeluzentes e acompanhada por uma atmosfera fantasmagórica e desconcertante, seus vocais de estilo diva são trazidos a um sussurro, sobrenatural e transcendente.

    


11 - EWAN PATRICK
Ele fez tudo nesses singles: Escreveu, gravou, mixou, masterizou...Exceto a parte do violoncelo em 'Two Hearts', que foi composta e executada por Rebecca Rowe. 

'Feels Good To Be Alive' é uma canção narrativa, começando com o protagonista em uma introspecção silenciosa. A música então explode (cerca de 1min 10s) com uma sensação de otimismo e esperança para o futuro. ‘Two Hearts’ apareceu enquanto escrevia seu discurso de casamento. O álbum completo virá no final do ano.


Postar um comentário

0 Comentários