Elio Sant'Anna Elio Sant'Anna Author
Title: The Who em São Paulo: Conheça a história de cada música do repertório
Author: Elio Sant'Anna
Rating 5 of 5 Des:
Com show marcado para daqui 12 dias, fechando a primeira noite da São Paulo Trip, o The Who fez sua última apresentação no dia 16 de A...


Com show marcado para daqui 12 dias, fechando a primeira noite da São Paulo Trip, o The Who fez sua última apresentação no dia 16 de Agosto, lá em Nevada, EUA. Num repertório composto de 22 músicas em seus últimos três shows (pelo menos), dias 16,13 e 11, resolvemos trazer para vocês a história de cada uma das possíveis músicas que estarão no repertório do The Who, em seu primeiro show no Brasil. Os ingressos podem ser adquiridos em até 10x aqui.

I Can't Explain


Abrindo praticamente todos os shows da banda, I Can't Explain foi escrita por Pete Townshend em 1964 e o primeiro single da banda. Durante entrevista para a Rolling Stone em 2015, Pete definiu ela como "uma música, escrita por uma criança de 18 anos de idade, sobre o fato dele não pode dizer a sua namorada que a ama, porque ele tomou muitos comprimidos de Dexedrine.

Ela está na lista da Pitchfork Media, como a 9ª melhor música dos anos 60 e na Spin, como o 59º melhor single de todos os tempos.

The Seeker


Também escrita por Pete Townshend, agora em 1971, The Seeker foi lançada em um disco de compilações e atingiu a #19 nas paradas da Billboard


Who Are You


Um dos maiores sucessos da banda, Who Are You dá nome ao oitavo disco, que foi o último com Keith Moon na bateria. Composta por Pete Townshend, ela alcançou o #14 dos EUA, #7 do Canadá e é tema de abertura da série CSI, desde o começo do século.


Who Are You foi um sucesso comercial, alcançando status de platina nos Estados Unidos e ficando na segunda colocação da parada de Álbuns Pop da Billboard, além de gerar especulações e ansiedade por uma nova turnê do Who. Entretanto, o álbum ficou marcado pela tragédia quando Moon morreu poucas semanas depois de seu lançamento. 


The Kids Are Alright


Presente em My Generation, disco de estreia da banda, a música só foi se tornar um single seis meses depois do seu lançamento e, apesar de não ter sido um enorme sucesso, ela se tornou um dos hinos da cultura mod. Em 2006, a música foi listada no nº. 34 na lista Pitchfork das 200 maiores músicas da década de 1960. 


I Can See For Miles


Do disco The Who Sell Out, essa música foi a única lançada como compacto. Maior sucesso da banda nos EUA, ela é a única música deles que atingiu o TOP 10 da Billboard Hot 100.

Squeeze Box
Lançada no disco The Who By Numbers, ela foi composta por Pete e apresenta um duplo-sentido sexual. A faixa 
foi um sucesso comercial, atingindo o número 10 no UK Singles Chart e o número 16 no Billboard Hot 100, além de ser o único hit número um internacional, alcançando o #1 no Canadá e #2 na Irlanda.


My Generation


Faixa-título do primeiro disco da banda, um dos maiores sucessos do The Who foi nomeado pela Rolling Stone como a 11ª maior música de todos os tempos, além de ter recebido um Grammy Award, por todo o seu valor artístico e histórico. Atingindo a #2 no Reino Unido, ela é a música mais conhecida da banda em seu país de origem e ganhou uma versão ampliada no histórico Live at Leeds.



Talvez o elemento mais marcante da música seja a letra, considerada uma das declarações mais destiladas da rebelião juvenil na história do rock. O tom da música ajudou sozinho a torná-la um antepassado reconhecido do movimento punk rock. Uma das linhas mais citadas e reescrita na história do rock é "espero morrer antes de envelhecer", disse o cantor Roger Daltrey.
Um aspecto saliente de "My Generation" é a entrega de Daltrey: uma gagueira irritada e frustrada. Existem várias histórias sobre o motivo dessa entrega distinta. Uma delas é que a música começou como um número de blues falando lento sem a gagueira (na década de 1970 às vezes era executado como tal, mas com a gagueira, como "My Generation Blues"), mas depois de ter sido inspirado por John Lee Hooker, Townshend reformulou a música em sua forma atual. Outra razão é que foi sugerido a Daltrey que gaguejasse para parecer um mod britânico em velocidade.

Naked Eye
Mais uma composta por Pete Townshend, Naked Eye está num disco de compilações, lançado em 1974.Uma das principais progressões de acordes em "Naked Eye" pode ser atribuída à primavera e ao verão de 1969, quando a banda estava na turnê do disco Tommy.
"Naked Eye" foi originalmente planejado para ser lançado em um EP intitulado 6 ft. Wide Garage, 7 ft. Wide Car, uma coleção que também incluía "Water",
 "I Don't Even Know Myself", and " Postcard. Também havia planos para lançar uma versão ao vivo da música, mas nenhum plano se materializou. 
A música foi tocada em diferentes arranjos ao longo dos anos, mas nunca no arranjo exato da gravação de estúdio original.
 

Behind Blue Eyes

Escrita por Pete Townshend em 1969, mas lançada somente dois anos depois, ela apareceu pela primeira vez no disco Who's Next, quinto de estúdio. Em 2003, Limp Bizkit lançou uma versão dela, alterando ou retirando trechos da música.

Bargain

Também do disco Who's Next, ela é uma canção de amor, que traz Deus como tema (invés de uma mulher), como disse Pete: "A música é simplesmente sobre perder o ego como um devoto de Meher Baba. Eu constantemente tento me perder e encontrá-lo. Não tenho muito sucesso, estou com medo, mas essa música expressa o quanto de uma pechincha seria perder tudo para estar um com Deus". É a favorita dele para esse disco, tanto que incluiu ela em outros dos seus projetos solo.

"Bargain" foi usado em um comercial da Nissan, enfatizando as linhas, "eu chamo isso de barganha, o melhor que já tive" em referência ao valor de um automóvel. 
A música também foi usada no final do episódio CSI , "Frame By Frame", como homenagem ao 300º episódio da série.


Join Together
Lançada como single em 1972, ela não foi lançada em nenhum disco de estúdio, apesar de aparecer em várias compilações, inclusive dando nome para um box set de 1990. Originalmente, ela apareceria no disco Lifehouse, o que não aconteceu, além do disco Rock Is Dead-Long Live Rock!, que foi cancelado.

A música foi tocada pela primeira vez ao vivo na turnê The Who By Numbers de 1975 a 1976, como um anexo de My Generation.

Relay
Feita por Pete, para o projeto cancelado Lifehouse, ela acabou sendo lançada como o último single da banda em 1972 (até 2004, quando veio Real Good Looking Boy).

You Better You Bet

Do disco Face Dances (1981), é cantada originalmente pelo líder Roger Daltrey, com vocais de apoio de Pete Townshend e do baixista John Entwistle.
Foi o último single da banda que alcançou o top 20 no Billboard Hot 100 , alcançando o #18. A faixa esteve na #1 posição da Billboard Top Tracks por cinco semanas a partir de 4 de abril de 1981 e também foi a última música da banda a estar no Top Ten do Reino Unido, atingindo a #9 posição.
The Punk and the Godfather

Presente no ópera rock Quadrophenia, a música se passa num momento que Jimmy, vai ver uma banda de mods, apenas para se decepcionar com a banda, que era parte da cultura mod somente para ter um público, não pela cultura. Jimmy questiona o equilíbrio de poder que prevalece entre a estrela do rock e o fã.

Drowned

Também do Quadrophenia, ela é descrita como um 'rock duro, baseado em blues' e uma das mais interessantes do disco, de acordo com a Rolling Stone. Foi inicialmente escrito como uma ode para Meher Baba no início de 1970. Townshend cantou de frente para o túmulo de Meher Baba em sua primeira visita à Índia em janeiro de 1972.
5:15
Escrita por Pete Townshend, ela faz parte do emblemático Quadrophenia, segundo ópera rock da banda. Lançada como single, 5:15 atingiu a #20 posição no UK Singles Chart e a #45 na Billboard Hot 100.

A letra de 5:15 descreve o protagonista de Quadrophenia, Jimmy, viajando para Brighton em um trem. Na música, Jimmy consumiu muita droga, lembrando sua vida com os Mods, o movimento cultural ao qual ele pertence (mesmo que ele tenha abandonado por agora) e seus duelos com os Rockers. As lembranças de Jimmy são extremamente disjuntas, consistindo principalmente de raiva, confusão, violência, frustração sexual e falta de desarme. Ela representa uma desconexão adolescente raivoso auto-centrado, desconexo com a sociedade, a família e o sexo oposto. I'm One Também do Quadrophenia, a música fala é um dos principais momentos de introspecção espalhados por toda a narrativa e também um sinal de que Jimmy pode não ser tão mod como ele aparece. Além de aparecer no filme Quadrophenia, ela também está na trilha sonora de Freaks e Geeks no episódio "Dead Dogs and Gym Teachers", que contou com muitas das músicas de Who.

Love, Reign O'er Me

Mais uma do Quadrophenia, ela é o segundo single do disco e alcançou a #76 posição na Billboard Hot 100. 
No filme, ela diz respeito ao personagem principal, que tem uma crise pessoal. Com nada pra viver, ele encontra uma redenção espiritual na chuva derramada.

A versão do single é mais curta do que a faixa do álbum, perdendo o som introdutório da chuva caindo e a primeira introdução do piano. Já na trilha sonora, ela apresenta uma flauta e arranjo de cordas adicionadas, tendo o final reduzido em comparação ao disco. A música serviu de inspiração para o título do filme Reign Over Me e também foi exibida extensivamente em todo o filme.

Eminence Front

Lançada no disco It's Hard, ela foi a única canção do disco que a banda decidiu tocar ao vivo durante a turnê do It's Hard. Na época, Roger Daltrey criticou fortemente o disco e disse que ela foi a única música "digna de ter sido lançada".
A CBS pretendia utilizar a canção como música-título do spin-off sediado em Londres da série CSI, porém o programa acabou sendo cancelado. "Eminence Front" faz parte da trilha sonora do jogo Grand Theft Auto: San Andreas.

Amazing Journey
Presente em Tommy, quarto disco de estúdio da banda e primeiro ópera rock, Amazing Journey tem no disco uma versão  de 3:25 min e de um pouco mais de 5min no documentário Amazing Journey: The Story of The Who, lançado em 2008. Originalmente ela é cantada por Roger Daltrey.

Pinball Wizard
Composta por Pete, ela também está presente no ópera rock Tommy e alcançou a 4ª colocação nas paradas do Reino Unido e a 19ª na Billboard Hot 100. O lado-B do single é uma instrumental creditada a Keith Moon e intitulada "Dogs Part Two". Apesar da similaridade nos nomes, a canção não tem qualquer conexão com o single "Dogs".

See Me, Feel Me
Lançada como um dos compactos do disco Tommy , ela consiste em duas partes de Tommy, além da segunda e terceira parte da música "We're Not Gonna Take It". A música não é identificada como uma faixa separada na versão de estúdio de 1969 do álbum
A banda tocou esta música na cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de 2012 em Londres no domingo 12 de agosto de 2012, juntamente com "Baba O'Riley" e "My Generation".

Baba O' Riley
Lançada como single, a música tem do seu nome a junção
das influências filosófica e musical da obra, Meher Baba e Terry Riley. É a música-tema de CSI: NY e foi incluída nos trailers do filme Vida de Inseto(1998).

Won't Get Fooled Again
Lançada em 1971, ela atingiu o Top 10 do Reino Unido e encerra o disco Who's Next (na verdade encerraria o projeto Lifehouse, que foi cancelado). Os críticos elogiaram fortemente a música, já que ficaram impressionados com o fato de um sintetizador ter conseguido ser integrado de forma tão exitosa dentro de uma música de rock. Em 1988 ela foi lançada no EP homônimo e e exclusivo do Reino Unido.

Postar um comentário

 
Top