Elio Sant'Anna Elio Sant'Anna Author
Title: Shows do U2 ajudaram SPFC a descobrir esquema de corrupção em camarotes
Author: Elio Sant'Anna
Rating 5 of 5 Des:
Um escândalo em uma das áreas mais eficientes do São Paulo Futebol Clube virou caso de polícia, depois do  diretor de comunicação e mark...

Um escândalo em uma das áreas mais eficientes do São Paulo Futebol Clube virou caso de polícia, depois do diretor de comunicação e marketing do clube, Márcio Aith, comandar uma investigação, o gerente de marketing do Tricolor, Alan Cimerman, foi demitido por justa causa do clube. O motivo? Interferência no processo de venda de camarotes dos shows da banda irlandesa U2, que acontece dias 19,21,22 e 25 no Estádio do Morumbi. As informações dessa matéria estão no Globo Esporte e UOL.

Em shows que ocorrem no estádio, o clube comercializa seus camarotes por cerca de R$ 200 mil, mas a questão é que o ex-gerente de marketing vendeu para uma mesma empresa, que revendeu para terceiros e pode ter causado ao clube o prejuízo de R$ 1,4 Milhão.

Como se não fosse só isso, cada dono de camarote tem direito a uma quantidade de ingressos de pista e de cadeiras numeradas, mas dessa vez eles só receberam pista. As cadeiras foram vendidas para a mesma empresa dos camarotes e o valor não foi repassado ao clube.

Todas essas investigações começaram quando o Conselho do clube chamou Alan para explicar a razão de ter reduzido em R$ 450 Mil os dois primeiros dias de shows, e mais ainda nos últimos dias (valor não revelado). Com justificativas não convincentes, somada aos outros fatos, ele foi demitido do clube.

O advogado de Alan se pronunciou, dizendo: "Não é verdade, são fatos e condutas que não ocorreram. Há contratos de cessão de espaços e, ainda, os ingressos também seriam todos comprados do São Paulo. O Alan tem documentos, e-mails e gravações evidenciando que não houve qualquer fraude, sendo que toda negociação foi transparente e correta. As locações de espaço faziam parte das funções dele, assim como encaminhar a compra de ingressos O clube assinou todos os contratos de cessão de espaço. Tudo era transparente e os contratos elaborados pelo departamento jurídico do São Paulo".

Quem também se pronunciou foi o dono do Espaço Unyco: "Fui chamado pela diretoria e pelo Conselho de Administração para falar. Sempre tive direito a 600 cadeiras em shows, mas no do U2, misteriosamente, fiquei apenas com a pista. Fui muito prejudicado. Tem ainda uma série de outras coisas, mas tudo está sendo muito bem investigado".

Durante a Copa de 2014, Alan teve problemas com a Tem Spirit, uma das suas empresas, ela foi acionada judicialmente por 14 fornecedores por falta de pagamentos.

Postar um comentário

 
Top