Elio Sant'Anna Elio Sant'Anna Author
Title: Paul McCartney e seus projetos fora do Rock
Author: Elio Sant'Anna
Rating 5 of 5 Des:
TRILHAS SONORAS E TEMAS DE FILMES Se engana quem pensa que Paul McCartney desenvolveu trabalhos apenas dentro do Rock. Ele já trabalhou co...
TRILHAS SONORAS E TEMAS DE FILMES

Se engana quem pensa que Paul McCartney desenvolveu trabalhos apenas dentro do Rock. Ele já trabalhou com música classica, eletrònica, desenhos infantis, trilha sonora para filmes, jogos de videogames, e cantou até Rap.

O primeiro trabalho de Paul McCartney fora do Rock foi com a trilha sonora para o filme "The Family Way". O álbum foi lançado pelo nome "The George Martin Orchestra, The Family Way (Original Motion Picture Soundtrack)". The Family Way ganhou o prêmio Ivor Novello Award em 1967e foi remasterizado e lançado em CD em 1996. Esta gravação é considerada às vezes que seja o primeiro álbum solo feito por um Beatle.No "Anthology" Paul McCartney também conta sobre este álbum.


"Live and Let Die" é uma composição de Paul McCartney e Linda, para o oitavo filme de James Bond, Live and Let Die. Na Trilha Sonora do filme ela aparece creditada a "Paul McCartney and Wings", e mesmo sendo feita para o filme, a música em si fez muito mais sucesso que o filme, e teve regravações, entre elas a famosa e não tão bela regravação do "Guns and Roses". A música também aparece em outros filmes, entre eles: Shrek Terceiro, Grosse Pointe Black e The In-Laws, bem como em um episódio da série de televisão Life on Mars.



O seu próximo trabalho foi em 1984, com o "Rupert and the Frog Song", um filme de animação escrito e produzido por Paul McCartney, a produção foi iniciada em 1981 e concluída em 1983, e foi lançada nos cinemas como complemento de seu filme "Give My Regards to Broad Street". Em 2004 foi lançada no seu DVD "PauL McCartney: Music and Animation Collection".
 No seu ano de lançamento, ganhou o prêmio "BAFTA" de melhor cura de animação.

Aposto que vocês já tinham assistido,  não sabiam que era uma obra do Paul McCartney.


"I Want to Come Home" é uma das músicas masi bonitas de Paul McCartney ao longo de sua carreira e foi feita para o filme "Everybody's Fine" que estrela Robert de Niro. Ela não foi lançada em nenhum CD de Paul McCartney e não está incluída na trilha sonora, mas isso não tira a genialidade da música, que é tocada todos os instrumentos por Paul, e ainda serve de Maestro. Ela já foi indicada a um Globo de Ouro.

MÚSICA CLÁSSICA/ELETRÔNICA



O seu próximo projeto fora do Rock seria em 1977, com o "Percy "Thrills" Thrillington", uma versão orquestrada do seu álbum "Ram" de 1971.

O arranjador Richard Hewson foi convidado a organizar a orquestração antes que Ram tinha sido lançada e foi gravado em junho de 1971 com McCartney como produtor e com um lançamento intencional logo em seguida. Com Paul e Linda formando o "Wings" resultou que o "Percy" foi guardado até 1977.
Em preparação para o lançamento do Thrillington, McCartney inventou o fictício socialite Percy Thrillington, e até colocou  anúncios em vários jornais de música do Reino Unido anunciam dando boas vindas para Thrillington, gerando curiosidade e interesse do público.

Lançado em abril de 1977, o nome de McCartney foi mencionado apenas no encarte principais onde ele é descrito como um amigo de Percy. Thrillington passou despercebida principalmente após a sua libertação exceto por uma menção na página de notas aleatórias da  revista Rolling Stone. Tornou-se uma espécie de item de colecionador, embora não um quente porque havia alguma dúvida quanto a se Thrillington era realmente Paul McCartney e do papel que ele desempenhou na mesma. McCartney nunca foi perguntado sobre seu papel nesse álbum, até que ele finalmente admitiu que o jornalista Peter Palmiere em uma conferência de imprensa em Los Angeles em 27 de Novembro de 1989, durante a segunda etapa de sua turnê mundial.

 






O próximo trabalho que vamos falar é sobre o "Liverpool Oratorio", este que é a primeira excursão de Paul McCartney na música clássica.

Composta em colaboração com Carl Davis para comemorar o aniversário 150º da Orquestra Filarmònica de Liverpool, o projeto recebeu uma grande quantidade de atenção da mídia em cima de seu lançamento em junho de 1991.

Dividida em oito movimentos diferentes, a história do oratório foi salvada por McCartney, com o personagem principal, Shanty, que nasceu em 1942 em Liverpool, criado para acreditar que "nascer de onde você nasce traz consigo certas responsabilidades" . Após seus dias de escola, onde muitas vezes "caiu fora" ( gíria popular  para pular classe), Shanty começou a trabalhar e conhece sua futura esposa, Mary Dee. Após a morte de seu pai Shanty, e Dee Maria são casados ​​e são forçados a lidar com os rigores de equilibrar um casamento feliz e suas carreiras. Em meio a uma briga, Maria Dee revela que ela está grávida e depois de sobreviver a um acidente quase fatal, dá à luz a seu filho. Assim, o ciclo de vida em Liverpool continua.

A reação comercial para o trabalho foi forte, com o oratório de passar várias semanas no topo das paradas em todo o mundo clássico, e até mesmo chegando ao número de 177 em parada de álbuns regular em os EUA. Reação da crítica foi menos positiva, o veredicto quase unânime é que o trabalho, embora atraente, foi simplista, demasiado longa e, dadas as suas aspirações, sem substância. 







Depois do sucesso nas paradas que foi o "Liverpool Oratorio", Paul McCartney continuou dentro da música clássica, agora com o álbum de 1997, chamado "Standing Stone". Assim como o primeiro, este álbum foi orquestrado pela Orquestra Sinfônica de Londres, mas este novo projeto não foi uma performance operática de uma história, e sim um instrumental que empregou o uso de um coro.
A foto da capa do discos foi tirada por Linda McCartney, e este foi o último trabalho lançado pro Paul McCartney antes de sua morte.
"Standing Stone" ficou na 1ª posição das paradas classícas e 194 na listas de álbuns Pop dos EUA.


Lançado um mês após o "Run Devil Run", "Working Classical" é para mim o melhor disco de musíca clássica ou orquestrada de Paul McCartney, mesmo com todas as músicas tendo letras em seus discos e composições originais.
O título do projeto é um trocadilho com a expressão "classe trabalhadora", no sentido de que McCartney, apesar de sua estatura elevada, ainda preza suas raízes de Liverpool e é orgulhosa dela. Espelhando esta ideologia é o seu orgulho na seu Rock 'n Roll e vontade de transferi-los para o "elevado" gênero de música clássica.
No tracklist deste disco contém músicas como: "My Love", "Maybe I'm Amazed", "Calico Skies", "Lovely Linda", entre outras.
Apesar deste disco nao entrar nas paradas de sucesso, ele foi mais bem rebecido que o "Standing Stone", e vale muito a pena ouvir ele, todo, e prestar atenção segunda a segundo.





"Liverpool Sound Collage" é um álbum de eletrônica de McCartney/Youth, que já haviam trabalhado juntos nos discos do "The Fireman. Este álbum foi lançado no dia 21 de Agosto de 2000, e neste álbum tem músicas creditas a Paul McCartney e aos Beatles.

"Liverpool Sound Collage" foi nomeado em 2001 para o Grammy  Melhor Álbum de Música Alternativa.





"Ecce Cor Meum" é o quarto disco de música clássica de Paul McCartney, e em Latim sgnifica "Eis o Meu Coração".
O álbum foi lançado em 25 de setembro de 2006 pela EMI Classics. Um oratório em quatro movimentos, é produzido e dirigido por John Fraser, escrito em latim e inglÊs , e marcou para a orquestra os meninos e adultos em coro  . O oratório foi parcialmente inspirada pela esposa de Sir Paul, Linda McCartney.
Ecce Cor Meum estava sendo feito há mais de oito anos  e as suas origens seguem a tradição de compositores contratados para escrever a música para Magdalen College, Oxford. Sir Paul foi convidado por Anthony Smith (presidente do Magdalen College 1998-2005) para compor algo para definir o selo em uma nova sala de concertos para a faculdade.

A composição foi adiada pela morte da esposa de Sir Paul, e não poderia ser usado para a abertura do novo auditório (que foi comemorado em vez de uma estréia do filme de Tony Harrison, "Prometeus"). O projeto não morreu: com o incentivo da então Universidade de Oxford, presidente e perseverança pelo próprio Colégio, o trabalho foi concluído e, eventualmente, realizada no Teatro Sheldonian, Oxford, em novembro de 2001.

Originalmente, ele foi apresentado, em 2001. Sir Paul McCartney expressou no programa sua esperança "de que esta peça vai levar o nome de Magdalen para todas as partes do mundo e ajudam a tornar as pessoas conscientes da nobre instituição que é".

A sua estreia norte-americana foi 14 de novembro de 2006 em um esgotado Carneggie Hall , em Nova York. Marcou para coro e orquestra, a Orquestra de St. Luke, juntou-se ao Concerto Coral de Nova York e da Boychoir americano, com a soprano Kate Royal e Andrew Staples como solistas. O concerto foi simulcast na  WYNC-FM , Nova York Public Radio e webcast sobre wnyc.org.
A estréia canadense teve lugar em 27 de Outubro de 2007 Metropolitan United Church em Londres. Conduzida pelo maestro Toronto Robert Cooper, foi realizada pelas forças combinadas do Coral Orfeu de Toronto, Niagara Chorus, Londres Pro Musica, a Amabile Agudos Coro e Orquestra de Londres.
Em 3 de maio de 2007, Paul McCartney foi presenteado com o prêmio de melhor álbum no Brits clássicas para Ecce Cor Meum, no Royal Albert Hall. O prêmio foi votado pelos leitores da FM Clássico, revista e ouvintes da Classic FM. O álbum alcançou o número 2 no Top de álbuns clássicos dos EUA


  "Ocean's Kingdom" é o quinto disco de música clássica de Paul McCartney, é um disco de ballet encomendado pela "New York City Ballet". Foi realizado pela Orquestra Clássica de Londres e conduzida por John Wilson.The balé conta uma história de amor baseada em dois mundos fantásticos - o "puro" oceano reino, o Reino da Terra com o seu "tipo de vilões" que ameaçam o modo subaquático de vida. De acordo com McCartney, o amor acontece quando a terra encontra a água, e "você vai ter que ver se o casal encontra  isso".Ocean's Kingdom é composta por quatro movimentos orquestrais. O álbum foi lançado em CD e Vinil em 3 de Outubro de 2011 por Decca Records e 04 de outubro (EUA) pela Hear Music / Telarc (EUA).

THE FIREMAN



"Strawberry, Oceans, Ships, Forest" é um álbum de ambiente techno composto por Paul McCartney/Youth
O álbum é composto por demos de Paul McCartney das sessões do álbum "Off The Ground" e remixes de amostrar de "Reception" e "The Broadcast", do álbum "Back to the Egg", remixada por Youth. Nem um dos dois são creditados no álbum.
McCartney decidiu se jutnar a Martin no estúdio para criar novas músicas, juntamente com as amostras existentes. Mesmo com o álbum sendo fruto e 12 remixes, McCartney ficou tão encantado que decidiu tornar este projeto num álbum completo.

Estava com um preconceito em relação aos discos do "The Fireman", mas gostei desta faixa.


"Rushes" é um álbum de ambiente techno da dupla McCartney/Youth, que se difere do primeiro disco do projeto por não ter músicas ou demos de Paul McCartney.


"Twin Freaks" é um álbum colaborativo de Paul McCartney com o DJ Freelance Hellraiser. O álbum foi lançado em 13 de junho de 2005.
McCartney e Hellraiser criaram o disco de vinil duplo como uma continuação da colaboração de Hellraiser com McCartney de uma turnê de 2004.  "Twin Freaks" é composto apenas por músicas de autoria de Paul McCartney, sendo todas elas remixadas para o gênero de eletrônica.
Na época do lançamento do disco, foram lançados dois EP's de Single, um foi "Really Love You/Lalula", com a limitação de 500 cópias, enquanto o outro single foi "What's That You're Doing/Rinse the Raindrops", limitado a 200 cópias.

Em 2012 o álbum foi re-lançado digitalmente.





"Electric Arguments" é o terceiro álbum do "The Fireman, a dupla McCartney/Youth, e o primeiro disco a ser creditado com o nome de Paul McCartney e Youth.
Ao contrário dos dois primeiros álbuns, este não é apenas instrumental, com quase todas as músicas contendo uma letra. Cada música do álbum foi feita em um dia, que no total deu 13 dias de gravações ao longo de um ano. Em sua estréia nas paradas inglesas, atingiu a posição 79, enquanto na Billboard 200 atingiu a parada 67, logo de estréia.
Em 2012 houve um re-lançamento do disco, em diversos pacotes:
Download Digital
CD remaster + Download digital
LP,CD + Download Digital
Edição de luxo: LP, 2 CDs, 2 DVDs e download digital, um conjunto caixa de lata contendo: o álbum 13 faixas originais como um LP, download de CD e digital. 7-track CD contendo misturas de bônus e versões alternativas, DVD em alta definição das  gravações do áudio, DVD de arquivos multi-track de sessão, duas cópias da arte exclusivos e um livro extenso.
 
DISCOGRAFIA PARA DOWNLOAD:

1967- The Family Way

1977- Percy "Thrills" Thrillington
1991- Liverpool Oratorio
1993- Strawberry, Oceans, Ships, Forest
1997- Standing Stone
1998- Rushes
1999- Working Classical
2000- Liverpool Sound Collage
2005- Twin Freaks
2006- Ecce Cor Meum 
2008- Electric Arguments
2012- Ocean's Kingdom

Postar um comentário

  1. Impressionante. Paul Mccartney, o homem-música. Para mim essas raridades são melhores que as populares de sua carreira solo. Paul é uma caixa de boas surpresas.

    ResponderExcluir

 
Top