Header Ads

       
  • Breaking News

    Polysom relança em vinil clássicos do metal e hardcore brasileiros

    Na segunda metade da década de 80 a música brasileira viu o surgimento de uma atípica cena de metal e hardcore. Das garagens, algumas bandas chegaram aos palcos ao redor do mundo e até hoje alguns expoentes do meio são citados como influências diretas de artistas como Korn, Slipknot e Dave Grohl. Agora, a Polysom relança alguns desses títulos em discos de vinil, permitindo aos fãs mais antigos relembrarem e aos novos conhecerem melhor a cena da época.
    Dentre os lançamentos, há dois discos do Ratos de Porão, uma das maiores bandas de todos os tempos do hardcore nacional. O R.D.P. atingiu reconhecimento no mercado externo e chegou a excursionar diversas vezes, principalmente pela Europa. Numa delas, se encontraram com o grupo Scream, que à época tinha Dave Grohl (ex-Nirvana e atual líder do Foo Fighters) como baterista.

    Os álbuns do Ratos que voltam às prateleiras são “Cada Dia Mais Sujo e Agressivo” (Cogumelo/1987), trabalho que marca a entrada da banda na fase crossover e que conta com a participação de Max Cavalera e Andreas Kisser, do Sepultura, na faixa “Morte e Desespero” e o notável “Brasil” (Eldorado/1989), que completa 3 décadas nesse ano. Gravado em Berlim (Alemanha) com o produtor Harris Johns (Voivod, Sodom, Kreator e Celtic Frost, entre outros), o álbum apresenta uma formação clássica do R.D.P. com João Gordo (vocais), Jão (guitarra e vocais), Jabá (baixo) e Spaghetti (bateria). Ao longo das 18 faixas há sucessos como “Amazônia Nunca Mais”, “Beber Até Morrer” e “Aids, Pop, Repressão”. A ilustração da capa é do cartunista Marcatti.

    Outros dois clássicos da Cogumelo que voltam às lojas são “Abominable Anno Domini” e “Toxin Diffusion”. O primeiro, do Chakal, foi a estreia da banda mineira, e sua recepção positiva ajudou o grupo a excursionar por diversas cidades do País. Entre as nove faixas, há destaque para “May Not The Mankind Suffer” e “Jason Lives”, com mais de 7 minutos de duração repletos de solos de guitarra, vocais guturais e elaboradas seções rítmicas. Já “Toxin Diffusion”, disco de maior êxito do trio Psychic Possessor — formado por Zé Flávio e Arthur Justo (ambos ex-Vulcano) e Lauro Neto — traz uma interessante mescla de gêneros como thrash e death metal com toques melódicos, numa experiência de vanguarda que dá tom a esse importante registro do metal nacional.


    Ótima oportunidade para conhecer ou relembrar, em prensagens de alta qualidade, um pouco mais da história do rock alternativo brasileiro. Os LPs já estão à venda.