Resenha do filme "Megatubarão"


Megatubarão – Dir: Jon Turteltaub  
Há pouco mais de 40 anos, Spielberg fez história ao lançar o hoje clássico Tubarão. Inovador, ousado, único e a cima de tudo assustador. Naturalmente ia demorar muito para que no futuro outros diretores e roteiristas se inspirassem no sucesso de Spielberg para contar histórias sobre os reis do mares e oceanos. Tubarão, de 1973 deixou um legado maior do que se esperava. Nas gerações seguintes vimos filmes como Do Fundo do Mar, Terror na Água, Águas Rasas e mais recentemente Medo Profundo e o mais recente longa de Jon Turteltaub, Megatubarão.


O longa conta a história de Jonas (Jason Statham). Um mergulhador profissional com um passado doloroso de uma missão relativamente bem-sucedida. 5 anos se passam e ele está recluso em algum lugar do mundo e cientistas de uma super estação subaquática dedicada a pesquisar a vida marinha o procuram para resgatar um grupo de cientistas que ficaram presos em uma profundidade nunca antes atingida.


A princípio poderia se pensar que é tudo uma grande desculpa para mostrar um tubarão pré-histórico de 25 metros feito em computação gráfica devorando personagens secundários e figurantes. Mas a história tem lá seu sentido e se justifica. Não que escapemos de alguns clichês e personagens estereotipados, mas o roteiro se garante com seu megatubarão. Isso porque, nas diversas cenas em que os personagens estão perigo mortal e ficamos na ponta da cadeira torcendo por suas vidas, há sempre uma boa justificativa para essas sequencias.


Eu sempre acreditei que uma das funções do cinema, é nos proporcionar um “e se”. E se, uma espécie pré-histórica de tubarão que acreditava-se extinta há milhões de anos, tivesse um sobrevivente que alcançasse a nossa superfície? E eu garanto que essa fórmula tem seu encanto. Afinal, foi o mesmo tipo de “e se” que Spielberg ousou brincar quando teve a sua ideia nos anos 70. Nesse ponto Megatubarão consegue pegar um tema que já foi muito reutilizado e levar a um novo patamar.


Entretanto, como mencionado, há alguns pontos em que o longa peca. Mortes óbvias e clichês, o protagonista sem saída prestes a ser devorado e salvo por um milagre e um vilão bem batido e também óbvio demais que não pensa nas mortes que o tubarão pode causar e só visa lucros milionários, mas que para a trama blockbuster até funciona. Isso porque o vilão do filme é o tubarão, e o chefe corporativo egoísta leva o fluxo da narrativa à algumas situações de risco em alto mar e retrata parte da maldade humana com que o público precisa se identificar. E ainda sim, o filme deixa claro que devemos temer, sobretudo, o megatubarão.


Jon Turteltaub mais uma vez mostra sua habilidade em dirigir blockbusters que servem como uma boa distração nas telonas. Jon possui um grande e respeitável currículo em Hollywood em grandes produções. Seu provavelmente trabalho mais notável de grande sucesso foi A Lenda do Tesouro Perdido, sim, aquele com o Nicolas Cage. E Jon também dirigiu 3 Ninjas (de 1992) que é um dos filmes mais legais dos anos 90.


É curioso ver que há mais de 4 décadas, os tubarões ainda são fontes de inspiração para as câmeras e mesmo para o público em geral. Talvez seja o fato de que todos nós vivemos a realidade de poder topar com o rei dos mares. Basta estarmos em uma praia. É um medo real, próximo do nosso mundo de um jeito ou de outro e não faltam relatos e documentários sobre os tubarões. E em Megatubarão, apesar de alguns tropeços temos um filme que no mínimo diverte, assusta e te deixa em pé na cadeira mandando os personagens correrem pelas suas vidas. Megatubarão definitivamente causa um medo que faz juz ao tamanho de seu feroz e implacável predador.

Nota - 4,5 estrelas

Nenhum comentário