Pedro Mauro Pedro Mauro Author
Title: Resenha: Homem Formiga e a Vespa
Author: Pedro Mauro
Rating 5 of 5 Des:
Homem Formiga e a Vespa – Dir: Peyton Reed    por Pedro Mauro Não é de hoje que se discute o que faz a sequencia de um ...


Homem Formiga e a Vespa – Dir: Peyton Reed    por Pedro Mauro
Não é de hoje que se discute o que faz a sequencia de um filme ser boa. Muitos aspectos são levados em conta quando se trata de uma sequência, ainda mais em filmes de super heróis. O protagonista evoluiu? O universo apresentado no primeiro longa é reaproveitado e expandido? O novo conflito afeta esse universo e tem a ver com ele?


Felizmente, Homem Formiga e a Vespa responde SIM à todas essas perguntas. O diretor Peyton Reed (também diretor do primeiro longa do Formiga) acertou mais uma vez na medida certa. Os executivos dos estúdios estão aprendendo cada vez mais que um filme de super herói também pode ser aproveitado através da comédia, e na verdade até precisa dela.


No novo longa, já estamos situados em todo o universo de Scott Lang e Hank Pym. Vemos a vida que Scott leva como consequência por ter ajudado o Capitão América em Guerra Civil enquanto Hank e Hope procuram um meio de trazer Janet (esposa de Hank) de volta do reino quântico.


Tudo o que acontece no filme parte desse objetivo e que desengatilha uma série de eventos que como roteiro fluem e se justificam. A tecnologia de Hank não apenas é valiosa como também aprimorada e explorada brilhantemente nesse universo. Como o próprio título já nos entrega, conhecemos a Vespa (Evangeline Lilly) com uma sequência já mostrando todo o seu potencial, recursos, habilidade e criatividade manipular o tamanho de objetos do cotidiano para usar como arma.


Todos os personagens têm sua importância e ajudam a história a seguir adiante. Mesmo Luis (Michael Peña), o divertido alívio cômico é mais aproveitado aqui. E é claro que o próprio Paul Rudd também se mostra o ator ideal para viver Scott Lang. Isso sem falar no sempre impecável Michael Douglas que também ganha mais tempo de tela e sua amada Janet (Michelle Pfeiffer). Dois veteranos das telonas que nunca deixam a desejar.


A comédia dá o tom do filme, mas também se vê que o universo do Homem Formiga cresceu e amadureceu. Temos mais doses do que vimos no primeiro filme e suas novidades expandidas. Definitivamente, Homem Formiga e a Vespa chegam juntos para provar que de fato tamanho não é documento e se for, eles também dão conta do recado.


Homem Formiga e a Vespa conseguiriam com maestria se livrar da maldição das continuações inúteis que nos entregam mais do mesmo. E isso é com certeza um grande acerto da Marvel digno de aplausos. Afinal todos nós sabíamos que após o estrondoso sucesso de Guerra Infinita há apenas pouco mais de 2 meses atrás, seria difícil manter o interesse de um público agora ávido pelo desfecho da saga de Thanos e os heróis que viraram literalmente pó.


Atenção para 2 cenas pós-créditos. A 1ª é de cair o queixo e a 2ª é de gosto no mínimo duvidoso. A dúvida que fica é como os eventos da continuação vão se relacionar com a segunda parte de Guerra Infinita. Isso porque o filme é bem discreto quanto a fazer menções e se relacionar com Guerra Infinita. Peyton Reed se mostrou mais uma vez dominador de um bom filme e nessa vez com o famigerado peso da sequência. E mais uma vez, a Marvel conseguiu.


Foi uma boa estratégia da Marvel finalizar 2018 com um filme mais leve, após o choque que tivemos com Guerra Infinita. Agora só nos resta esperar até Fevereiro do ano que vem quando o Studio nos presentear com Capitã Marvel. Haja hype!

Nota - 5 estrelas

Postar um comentário

 
Top