Elio Sant'Anna Elio Sant'Anna Author
Title: Sesc Pompeia e Sesc Catanduva recebem grupo precursor do pós-punk brasileiro, Plebe Rude, com o show “O Concreto Já Rachou”
Author: Elio Sant'Anna
Rating 5 of 5 Des:
O álbum de estreia da Plebe Rude celebra seus 30 anos de existência no Sesc Pompeia, mesmo local onde foi lançado em São Paulo. Produzid...

O álbum de estreia da Plebe Rude celebra seus 30 anos de existência no Sesc Pompeia, mesmo local onde foi lançado em São Paulo. Produzido por Herbert Vianna, a obra composta por sete faixas, é o trabalho mais bem sucedido do grupo, alcançando disco de ouro com cerca de 200 mil cópias. “O Concreto Já Rachou” é considerado pela revista Rolling Stone um dos 100 melhores discos da música brasileira, ficando em 57º lugar.

O show comemorativo acontece no dia 25 de fevereiro e conta ainda com o repertório do último trabalho da banda, o disco “Nação Daltônica”, e outros sucessos.

Assinado pelo selo Substancial Music, o álbum "Nação Daltonica" foi produzido pelo vocalista e co fundador Philippe Seabra e gravado no estúdio Daybreak, em Brasília, mesmo local escolhido pelo músico para compor a premiada trilha-sonora do filme “Faroeste Caboclo”. A mixagem ficou por conta do renomado produtor americano Kyle Kelso, que já trabalhou para a Motown Records, e mantém estúdio em Nova York. A masterização foi pelas mãos de Matt Agoglia, que já atuou em discos de James Taylor, The Artic Monkeys e The Mars Volta.

Além de Philippe Seabra (guitarra e voz), a banda conta com André X, fundador da Plebe (baixo), Clemente (Inocentes) (guitarra e voz), e o brasiliense Marcelo Capucci (bateria).

A banda de rock formada em 1981, em Brasília, começou se destacando no meio punk-rock por volta de 1982, numa época em que a efervescência roqueira da capital federal era grande. Intitulado “O Concreto Já Rachou”, o primeiro disco do grupo foi lançado em 1985, às vésperas da abertura política do país, em um período de redemocratização. O segundo álbum, “Nunca Fomos Tão Brasileiros”, surgiu no contexto da criação da nova Constituição, em 1988. No terceiro disco, homônimo, a banda buscou explorar as raízes brasileiras, criando o embrião do forró-rock, que teve seu ápice anos depois com os Raimundos. 

Antes de darem uma pausa na carreira em meados da década de 90, o grupo ainda lançou o quarto disco, “Mais raiva do que Medo, de 1993”. 

A Plebe Rude retornou às atividades em 2000, com o álbum ao vivo “Enquanto a Trégua Não Vem”. Quatro anos depois, o guitarrista Clemente Nascimento, da banda Inocentes, passou a integrar o grupo, trazendo um estilo mais punk agressivo ao quinto álbum de estúdio, “R ao Contrário” (2006). Cinco anos depois, a banda lançou um novo disco ao vivo, “Rachando Concreto”, ao vivo em Brasília.

Em 2011, o grupo lançou o DVD "Rachando Concreto: Ao Vivo em Brasília", que também ganhou versão em CD. No mesmo ano, o disco concorreu ao Grammy Latino de Melhor Álbum de Rock Brasileiro.

Sem fazer concessões, a Plebe Rude vendeu 500 mil cópias de seus seis discos, representou o Brasil no Lollapalooza no Chile em 2012, foi tema da novela global “Tempos Modernos” com a música “Até Quando Esperar” e teve o disco “Concreto Já Rachou” na lista dos 100 discos mais importantes da música popular brasileira da revista Rolling Stone Brasil.

Recentemente, três filmes com milhões de espectadores estrearam no circuito nacional tendo Renato Russo e Plebe Rude como denominadores comuns. O documentário Rock Brasília - Era de Ouro, que conta a história dos verdadeiros autores daquelas canções emblemáticas; o longa Somos Tão Jovens, que narra a saga dessa turma e Faroeste Caboclo, que conta com uma aparição da Plebe nos primórdios do punk de Brasília se apresentando ao vivo.

E, devido à trilha sonora de Faroeste Caboclo produzida por Philippe Seabra, o filme concorreu ao Platino, o Oscar Ibero-Americano, e ganhou o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro de 2014.



SERVIÇO
Plebe Rude - Sesc Pompeia

25 de fevereiro. Quinta, às 21h30

Assentos limitados: 150. 
A compra do ingresso não garante a reserva de assentos. 
Abertura da casa às 19h.
Ingressos: R$ 9,00 (credencial plena/trabalhador no comércio e serviços matriculado no Sesc e dependentes), R$ 15,00 (pessoas com +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino) e R$30,00 (inteira).

Venda online a partir de 16 de fevereiro, terça-feira, às 17h30. 
Venda presencial nas unidades do Sesc SP a partir de 17 de fevereiro, quarta-feira, às 17h30. Classificação indicativa: Não recomendado para menores de 18 anos. 
Para credenciamento enviar email para imprensa@sescpompeia.org.br

SESC Pompeia – Rua Clélia, 93. 
Não temos estacionamento. 
Para informações sobre outras programações, acesse o portal sescsp.org.br/pompeia

SERVIÇO
Plebe Rude - Sesc Catanduva
Local: Sesc Catanduva - Praça Felício Tonello, 228 - Vila Rodrigues, Catanduva - SP, 15803-035
Data: sexta, 26/02
Horário: às 20h30
Ingressos:
R$ 6,00 - credencial plena (trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculados no Sesc e dependentes);
R$ 10,00 - meia (aposentado, pessoa com deficiência, estudante e servidor da escola pública com comprovante);
R$ 20,00 - demais interessados.

Fotos: Dhyana Mai

Postar um comentário

 
Top