Elio Sant'Anna Elio Sant'Anna Author
Title: No local que foi lançado e para grande público, Plebe Rude comemora 30 anos de "O Concreto Já Rachou"
Author: Elio Sant'Anna
Rating 5 of 5 Des:
Foto: Elio Sant'Anna/ Os Garotos de Liverpool - Tudo Sobre Música Nesta última Quinta-feira a banda Plebe Rude se apresentou no...
Foto: Elio Sant'Anna/ Os Garotos de Liverpool - Tudo Sobre Música
Nesta última Quinta-feira a banda Plebe Rude se apresentou no SESC Pompeia, mesmo local de lançamento do disco O Concreto Já Rachou, lançado há 30 anos.

Antes de começar o show, já se via um grande público lotando o local, que antes do show era comandando por um DJ, que mostrando que devia ser divulgado um grande nome novo rock brasileiro, deixava rolar por diversas vezes faixa do disco Animal Nacional, das Vespas Mandarinas (leia entrevista com eles aqui).

Começando por volta das 21h35, a banda entrava no palco ao som de "Olê, olê, olê olê, Plebe, Plebe!" e esse coro entoado diversas vezes pelo público, que grande parte vestidos com camisas oficiais da banda, escrita "Plebeu", "Plebeia" ou simplesmente levando o logo da banda de brasília, também cantava em coro diversas das 23 músicas tocadas num ótimo repertório.


Foto: Jéssica Mar/Os Garotos de Liverpool - Tudo Sobre Música
Interagindo de certa forma com o público, Clemente ia diversas vezes para a lateral direita do palco, para quem estava mais longe o pudesse ver, e quando cantava, apontava o microfone para pessoas presentes nas primeiras filas cantar junto com a banda.

Sendo um show de comemoração aos 30 anos do disco mais conhecido da banda, o mesmo foi tocado na íntegra e a primeira música foi Brasilia, música que fecha o disco e leva o nome da cidade da banda.

Divulgando também o disco Nação Daltônica, disco de estúdio da banda que foi lançado em 2014, Sua História foi a escolhida para abrir o show e, durante o repertório da banda foram tocadas ainda Anos de Luta, Mais um Ano Você e Rude Resiliência.

Foto: Elio Sant'Anna/ Os Garotos de Liverpool - Tudo Sobre Música
Passando por outros discos de estúdio, Nunca Fomos Tão Brasileiros foi tocada depois de Johnny Vai à Guerra (Outra Vez), música que faz parte do aniversariante do show e era entoado pelo público, que como citado anteriormente na matéria, teve a sorte de cantar partes da música, quando Clemente apontava o microfone para a galera. Também do disco Nunca Fomos Tão Brasileiros, Bravo Mundo Novo e Códigos foram incluídas no repertório. Ainda foi possível ver Philippe Seabra no violão, com a música A Ida, presente no segundo disco da banda.
Do quarto disco da banda, intitulado Mais Raiva do que Medo, as músicas incluídas no repertório foram Este Ano, escolhida para ser tocada aproximadamente na metade do show e, Pressão Social, música que na versão de estúdio com o vocal de Renato Russo.

Foto: Elio Sant'Anna/ Os Garotos de Liverpool - Tudo Sobre Música

Lançado como disco ao vivo, Enquanto a Trégua Não Vem  teve algumas músicas tocadas no show que não estão em versões de estúdios, como as músicas Luzes e Medo, que se encaixaria perfeitamente no quarto disco da banda.
Já o disco R ao contrário foi representando por três músicas, sendo elas o Single O Que Se Faz, Discórdia e Katarina, essa última sendo uma das mais cantadas pelo público.

Foto: Jéssica Mar/Os Garotos de Liverpool - Tudo Sobre Música
Entre todas essas músicas acima e passar por diversos hits da carreira da banda, teve a homenagem ao aniversariante, que além de estar na lista dos 100 melhores discos brasileiros (em ranking pela Rolling Stone) foi o primeiro de uma banda brasiliense a ganhar disco de Ouro.
Segunda música a ser tocada pelo violão, Seu Jogo é começada com um trecho e, quando a música vai esquentando, Philippe troca para a guitarra embala tanto o público, quanto Clemente, que principalmente quando está sem guitarra, faz diversas dancinhas para animar a galera.

Invertendo ordem, em comparação a versão do disco, Sexo & Karatê foi a próxima música, que contou com uma breve introdução de Philippe, dizendo que Karatê era pelo motivo de ser o tipo de filme que mais passava na época do disco.

Foto: Elio Sant'Anna/ Os Garotos de Liverpool - Tudo Sobre Música
Dando espaço para versões também, Minha Renda foi tocada no formato de medley junto com Goin' Down e também teve Philippe cantando literalmente junto com o público, quando tirou o microfone do pedestal e ficou andando pela pista do SESC enquanto cantava.

No medley Pátria Amada (Inocentes) / Proteção / Censura (do disco Somos Tão Brasileiros) o público finalmente deu espaço para os moshs, que pelo estilo da banda, é presença garantida nos shows da Plebe.


Um vídeo publicado por Os Garotos de Liverpool (@gdltudosobremusica) em

Tendo como destaque os compassos perfeitos na guitarra, as batidas tão boas na bateria (que permitiam ser melhores ainda com o baterista usando luva) e o baixo de modo mais destacado ainda durante o medley acima, o show ia se encaminhando para o fim, com Códigos (do disco Somos Tão Brasileiros) e mais uma versão, agora com Rock The Casbah.


Maior sucesso da banda, o hit Até Quando Esperar finalizou com maestria o show que teve o seguinte setlist:



Postar um comentário

 
Top