Elio Sant'Anna Elio Sant'Anna Author
Title: Artistas se apresentaram em evento que tenta salvar o Parque Augusta
Author: Elio Sant'Anna
Rating 5 of 5 Des:
Neste final de semana de fim de Fevereiro/começo de Março aconteceu o evento da "Desintegração de Posse" do Parque Augusta, úl...

Neste final de semana de fim de Fevereiro/começo de Março aconteceu o evento da "Desintegração de Posse" do Parque Augusta, último local de área verde do centro de São Paulo.



Organizado pelo Organismo Parque Augusta, o evento político-cultural de resistência une música, grafiti, permacultura, aulas públicas e tropa de choque dos dias 28 de fevereiro ao dia 03 de março.



Neste domingo ocorreu o "Orquestra da Desintegração". Com a entrada sendo a participação do público no mutirão de limpeza do parque.





Com direção de Edgard Scandurra (Ira), os músicos Karina Buhr, a banda Pequeno Cidadão, Taciana Barros, Curumin, Guizado, Laura Wrona, Vespas Mandarinas, Arnaldo Antunes, Bárbara Eugênia, Os Irmãos Busic, Celi, Naná Rizinni e outros artistas tocaram em troca de sacos de lixo, retirado do parque pelo próprio público. 



Durante os shows também tinham outros eventos paralelos, como pintura, explicações sobre a manifestação que ocorre no local e famílias que faziam picnic e brincavam no local. Levando bebidas e outros itens, o pessoal cuidava dos seus lixos e alguns (entre eles, eu) passavam recolhendo as latas, garrafas e outros itens que estavam para ser jogados fora.

Em praticamente todos os shows que foram apresentados no local, o público assistia sentado, cantando as músicas, prestando atenção nas jams e prestigiando os artistas, mas isso mudou quando a Vespas Mandarinas fizeram sua curta, porém, uma apresentação que mostrou o cartão de visitas da banda.
Abrindo o show com o hit Não Sei O Que Fazer Comigo, versão da banda uruguaia Quarteto De Nós, essa é provavelmente a música que fez muitos dos fãs atuais (entre eles, eu) a conhecer mais e pesquisar sobre a Vespas. 


 

A apresentação seguiu com Um Homem Sem Qualidades, que fez o vocalista Thadeu fazer o público tirar a bunda do chão e transformar a apresentação em um típico show de rock 'n roll. Após ela, a banda chamou Edgard Scandurra para tocar junto com eles, a finalizou o show com Núcleo Base, música da banda Ira (integrada pelo próprio Edgard).



Depois do show das Vespas, o evento teve um integrante surpresa. Arnaldo Antunes (que também já fez música com as Vespas), não estava no setlist divulgado dos artistas, e tocou cerca de três músicas em parceria com o diretor do evento e guitarrista Edgard Scandurra. Após a apresentação, alguns fãs tentaram tirar foto com o Arnaldo, mas ele com pressa, não pode atender todos e foi embora rapidamente.



O evento é uma ação cultural de resistência política em prol da permanência do Parque Augusta, local em que as construtoras Setin e Cyrela são donas do local e desejam construir torres comerciais e residenciais em parte da propriedade de 25 mil metros quadrados. Fechado desde a aprovação do projeto do Parque Augusta (24/12/2014) as construtoras, cinco dias após o anúncio do prefeito, fecharam os portões do parque e só foram liberar a passagem há cerca de um mês e meio.






Contra o fechamento do local, grupos estão morando acampados dentro do parque, e diversas atividades estão sendo feitas para provar que o parque não deve ser fechado. As atividades vão desde aulas de ioga para crianças até reuniões sobre a escassez de água que a cidade enfrenta desde o ano passadoaprender a construir uma cisterna, aula de pilates, "contação" de histórias, apresentações musicais e muito mais. Em um momento dia dia (acho que às 22h), quem estiver dentro do local é forçado, pela tropa de choque, a sair do local e o portão é trancado.



Mesmo que a área seja das construtoras, a mata verde dentro e o portão de entrada (do antigo Colégio Desoiseaux, demolido) são tombados.
Embora o prefeito Haddad tenha sancionado em 2013 a lei que cria o parque, a Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente informou logo depois que não teria recursos disponíveis para desapropriar a área que pertence às construtoras Setin e Cyrela. A área é avaliada por cerca de R$ 70 milhões.
As construtoras continuam a defender a construção das torres, alegando que a área verde será preservada e que irão liberar 60% da área para a população.


A briga contra o concreto

O terreno em questão abrigou, entre 1907 e 1969, um tradicional colégio interno feminino chamado Des Oiseaux. Na imponente construção, demolida em 1974, estudaram personalidades como a ex-primeira dama do Brasil, Ruth Cardoso (1930 - 2008), e a senadora Marta Suplicy (PT-SP). Além da planta, de inspiração art nouveau, o colégio era rodeado de um grande bosque.
Em 2003, a área foi adquirida pela Sociedade Armando Conde Investimentos, de propriedade do empresário Armando Conde, mas o bosque permaneceu aberto ao público. Um ano depois, o Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp), tombou o local.
Em 2006, houve a tentativa de se construir um supermercado no terreno, mas a associação de moradores do bairro fez um abaixo-assinado e conseguiu barrar o projeto. Naquele ano surgia então o movimento Aliados do Parque Augusta. Desde então, o movimento vem colhendo algumas vitórias, como a aprovação na Câmara dos Vereadores de São Paulo de um projeto de lei que autoriza a criação do Parque Augusta.

Segundo Sérgio (Aliados do Parque Augusta), algumas leis impedem que o parque seja fechado ao público, portanto o que a Setin e a Cyrela estão fazendo é ilegal. O DUP (Decreto de Utilidade Pública), por exemplo, criado pelo ex-prefeito Gilberto Kassab e com vigência até 2017, transforma a área comprada pelas construtoras em utilidade pública municipal.
"Além disso, há diversas imposições nas escrituras de compra e venda do terreno que garantem acesso ao público à área verde", comenta Sérgio.


"Criar o parque significa qualidade de vida, contribui para amenizar o clima seco da região, diminui a poluição que já mata seis vezes mais que a Aids e embeleza a paisagem", acredita o ativista.
Para fazer uma comparação, ele cita o projeto do Hotel Ca'd'oro, que está sendo construído em um terreno em frente ao parque. "São duas asfixiantes e gigantescas torres. Você consegue vislumbrar um lugar ensolarado e arejado com duas ou três torres parecidas na área do parque?", diz. "Sem falar no grave impacto ambiental irreversível, destruindo árvores centenárias e espantando os pássaros que lá frequentam."

Postar um comentário

 
Top